Automotive Business
Siga-nos em:
AB Inteligência

Notícias

Ver todas as notícias

Indústria | 27/03/2015 | 17h55

Ghosn dobra ganhos para US$ 7,8 milhões anuais

CEO da Renault recebe também US$ 8,34 milhões por ano pela irmã Nissan

REDAÇÃO AB

O franco-brasileiro Carlos Ghosn, CEO mundial da Renault, teve seus ganhos anuais reajustados para US$ 7,8 milhões, referentes a 2014. O valor é mais que o dobro do registrado em 2013, de US$ 2,9 milhões. Dentro deste valor está incluso o salário base anual (este inalterado) de US$ 1,33 milhão mais bônus e remunerações de ações. O pacote foi aprovado pelo conselho de administração.

Segundo o Financial Times, apenas cinco dos 19 membros do conselho administrativo da Renault votaram contra o aumento dos ganhos de Carlos Ghosn, incluindo o representante do governo. O Estado francês detém 15% das ações da companhia. O tema deve entrar em pauta novamente na próxima reunião dos acionistas, em 30 de abril, quando decidirão sobre a aprovação final do pacote.

Segundo o relatório anual da Renault, os ganhos totais de Ghosn são compostos, além do salário base, por US$ 1,48 milhão de ações variáveis, US$ 493,8 mil em pagamentos variáveis. O presidente também tem direito a 100 mil ações, que valem US$ 44,64 cada, resultando em um montante de US$ 4,46 milhões. Porém, de acordo com o jornal francês Les Echos, este valor está congelado e não poderá ser tocado até 2018.

A francesa está cortando 7,5 mil postos de trabalho até 2016 para reduzir os custos fixos em US$ 431,2 milhões, alegando serem medidas necessárias para impulsionar os lucros. De acordo com a empresa, tudo foi acordado com os sindicatos em 2013, o que também inclui congelamento de salários. Já o maior sindicato de funcionários, a Confederação Geral do Trabalho (CGT), criticou duramente o aumento salarial do mandachuva da companhia. “Ghosn tira a sorte grande e nós ficamos com as migalhas”, afirmou a CGT em comunicado.

A montadora afirma que o aumento no salário final do CEO está diretamente relacionado à melhoria do desempenho da fabricante em 2014. No relatório anual de 2014 consta aumento de três vezes no lucro anual, indo a US$ 2,0 bilhões, consequência das fortes vendas e do acordo laboral feito em 2013 com sindicatos.

Em 2013 Carlos Ghosn negou o pagamento de bônus, após a fabricante admitir ter se enganado ao acusar injustamente gerentes sêniores de espionagem industrial.

Ghosn, que também é CEO da Nissan na Aliança Renault-Nissan, tira anualmente o total de US$ 16,1 milhões, somando a remuneração das duas companhias (US$ 8,34 milhões só da Nissan).



Tags: Carlos Ghosn, Renault, Nissan, Aliança Renault-Nissan, Ghosn, França.

Comentários

  • Kalamar

    Olá, Nada mais justo, se a companhia teve seus lucros aumentados, parte deste aumento deve-se a competência de uma gestão eficiente, a consequência são bonificações e aumentos muito bem vindos diante dos excelentes resultados. Parabéns ao Sr. Ghosn pela eficiência.

Conte-nos o que pensa e deixe seu comentário abaixo Os comentários serão publicados após análise. Este espaço é destinado aos comentários de leitores sobre reportagens e artigos publicados no Portal Automotive Business. Não é o fórum adequado para o esclarecimento de dúvidas técnicas ou comerciais. Não são aceitos textos que contenham ofensas ou palavras chulas. Também serão excluídos currículos, pedidos de emprego ou comentários que configurem ações comerciais ou publicitárias, incluindo números de telefone ou outras formas de contato.

Veja também

ABTV

AB Inteligência