Automotive Business
Siga-nos em:
AB Inteligência

Notícias

Ver todas as notícias
Pneus acumulam déficit de US$ 144,9 milhões em 2014

Autopeças | 04/03/2015 | 14h01

Pneus acumulam déficit de US$ 144,9 milhões em 2014

Exportações fecham em US$ 824,8 milhões e importações, US$ 969,7 milhões

REDAÇÃO AB

A balança comercial do setor de pneus encerrou 2014 com déficit de US$ 144,9 milhões, conforme dados publicados na quarta-feira, 4, pela Anip, Associação Nacional da Indústria de Pneumáticos. As exportações das empresas que produzem no País somaram US$ 824,8 milhões, com um total de 12,4 milhões de unidades enviadas a outros mercados. Já as importações fecharam em US$ 969,7 milhões, valor total acumulado tanto pelas fabricantes instaladas no Brasil como pelas importadoras sem fábrica no Brasil.

Em unidades, o total importado pelo setor no Brasil ficou em 27,2 milhões de unidades, das quais 7 milhões pelas empresas com fábrica no País (25,8% do total) e 20,2 milhões por empresas importadoras independentes, sem fábrica local (74,2%).

“A balança comercial brasileira de pneus era superavitária até 2010, quando começou a crescer a compra no exterior por importadores independentes e aquele foi o primeiro com déficit, que também ocorreu nos anos seguintes”, lembra Alberto Mayer, presidente da Anip.

Os dados mostram que as compras de pneus em outros países são concentradas na Ásia: no ano passado, 52,3% dos pneus importados ou 14,24 milhões de unidades foram provenientes da China.

“As indústrias do Brasil produzem pneus de qualidade internacional, que acompanham as mais novas tecnologias mundiais no setor, o que vem permitindo atender a todos os fabricantes nacionais e exportar para países como Alemanha e Estados Unidos. Já os importados disputam apenas o mercado de reposição, no qual a questão do preço tem um papel relevante, razão pela qual os principais fornecedores externos são países que se caracterizam pela oferta de produtos baratos”, acrescenta.

Mayer defende a criação de condições de competição equivalentes entre as fabricantes e importadores independentes: “Nós temos de produzir dentro das severas exigências da indústria automotiva, enfrentando o custo Brasil e ainda gastamos cerca de R$ 100 milhões ao ano para recolher pneus inservíveis, como determina a legislação – e temos superado todo ano as metas estabelecidas pelo Ibama com base nos dados de venda. Já os importadores independentes têm ficado 30% abaixo do que deveriam recolher, o que reduz seus custos e ainda cria problemas ambientais e de saúde”, avalia. “Esperamos que o processo de testes e de qualificação pelo Inmetro por meio da etiquetagem auxilie na solução deste problema”, conclui.

A entidade já enviou ao governo uma proposta para controlar a destinação de pneus inservíveis com a criação de uma ‘taxa verde’ a ser cobrada na liberação das importações e nas vendas da produção no mercado interno, deixando clara a obrigatoriedade do recolhimento dos inservíveis também para revendedores e usuários.



Tags: Anip, pneus, balança comercial.

Comentários

Conte-nos o que pensa e deixe seu comentário abaixo Os comentários serão publicados após análise. Este espaço é destinado aos comentários de leitores sobre reportagens e artigos publicados no Portal Automotive Business. Não é o fórum adequado para o esclarecimento de dúvidas técnicas ou comerciais. Não são aceitos textos que contenham ofensas ou palavras chulas. Também serão excluídos currículos, pedidos de emprego ou comentários que configurem ações comerciais ou publicitárias, incluindo números de telefone ou outras formas de contato.

Veja também

ABTV

AB Inteligência