Automotive Business
  
Siga-nos em:
AB Inteligência

Notícias

Ver todas as notícias

Balanço | 19/02/2015 | 14h04

PSA Peugeot Citroën consegue reduzir prejuízo em 2014

Grupo registra primeiro lucro operacional após perdas em 2011 e 2012

REDAÇÃO AB

Após dois anos de pesadas e crescentes perdas, o Grupo PSA Peugeot Citroën conseguiu reduzir em quase € 1,7 bilhão o prejuízo líquido, de € 2,2 bilhões em 2013 para € 555 milhões em 2014. A companhia registrou seu primeiro lucro operacional desde 2011, apurado em € 223 milhões, ante perda de € 1,53 bilhão um ano antes, em resultado que considera somente a atividade fim da empresa. De acordo com balanço divulgado na quarta-feira, 18, no ano passado a PSA registrou faturamento global de € 53,6 bilhões, em leve alta de 1% na comparação com 2013, sendo que a divisão automotiva obteve € 36,1 bilhões, em queda de 0,9%, em razão essencialmente de variações cambiais negativas, segundo explica comunicado distribuído à imprensa.

Mesmo sem grandes variações das receitas, a PSA foi bem-sucedida em manejar melhor seu caixa e pagar dívidas contraídas para evitar a quebra em anos recentes. “Nossos resultados de 2014 provam que a reconstrução dos fundamentos econômicos está em curso”, declarou Carlos Tavares, presidente mundial do grupo, em conferência para divulgação do balanço. “Ao gerar fluxo de caixa operacional livre de € 2,2 bilhões e desendividar a companhia, conseguimos nos adiantar em relação ao nosso plano. Estamos mais focados do que nunca, até a realização completa de nossos objetivos e a obtenção de margem operacional de 2% na divisão automotiva”, acrescentou.

SANEAMENTO FINANCEIRO

Quando se considera somente as atividades em curso do grupo, o chamado lucro operacional corrente sobe para € 905 milhões, ante prejuízo de € 364 milhões em 2013. Este resultado seria suficiente para transformar a perda de 2014 em lucro líquido. Mas a companhia precisou saldar dívidas e arcou com despesas não recorrentes relativas à reestruturação da empresa com fechamento de operações, que totalizaram € 682 milhões no ano. Por isso ainda segue no vermelho, com perspectiva mais concretas de voltar ao azul nos próximos anos.

A companhia conseguiu reduzir substancialmente o endividamento. A posição financeira líquida das atividades industriais e comerciais do Grupo PSA em 31 de dezembro passado apresentava resultado positivo de € 548 milhões, contra dívida líquida de € 4,18 bilhões um ano antes. O resultado é devido aos € 2,99 bilhões provenientes dos aumentos de capital realizados em abril e em maio de 2014 e à melhoria do nível de fluxo de caixa livre.

O Grupo PSA atribui a melhoria de seu desempenho financeiro à continuidade das medidas de redução dos custos fixos e aos efeitos positivos do mix de produtos e preços, com lançamentos recentes bem-sucedidos das marcas Peugeot, Citroën e DS. Também houve ganhos com as sociedades firmadas em 2014. Incluindo a participação da empresa nos resultados das joint ventures DPCA e CAPSA, o lucro operacional da divisão automotiva chegaria a € 366 milhões, em alta de € 1,24 bilhão sobre 2013.

O Banco PSA Finance apurou lucro operacional corrente de € 337 milhões, apresentando queda de € 32 milhões (-9,5%) em relação a 2013, em virtude da operação de refinanciamento. Em fevereiro de 2015, as primeiras joint ventures entre o banco e o Santander Consumer Finance iniciaram suas atividades, sendo uma na França e outra no Reino Unido, o que segundo a companhia viabilizará a oferta de taxas competitivas aos clientes Peugeot, Citroën e DS, ao mesmo tempo em que deve aumentar a rentabilidade. Com isso, o braço financeiro do Grupo PSA anunciou que deixará de utilizar a garantia do governo francês em novas emissões de títulos no mercado.

O resultado operacional corrente da divisão de autopeças, a Faurecia, fechou 2014 com lucro de € 673 milhões, em expressiva alta de 25% na comparação com 2013.

Como a reconstrução econômica do grupo ainda não foi concluída, a empresa informou que não será proposto o pagamento de dividendos aos acionistas referente ao exercício de 2014.

PERSPECTIVAS

O Grupo PSA prevê pequena alta do mercado automotivo europeu em 2015, com crescimento de 1%, avanço na China de cerca de 7%, quedas em torno de 10% na América Latina e de 30% no da Rússia.

A companhia reafirmou o objetivo de gerar fluxo de caixa operacional livre de € 2 bilhões no período 2015-2017. A meta de margem operacional da divisão automotiva é de 2% em 2018, visando 5% no médio prazo entre 2019 e 2023.



Tags: PSA, Peugeot, Citroën, Faurecia, Banco PSA Finance, balanço, resultado, lucro, prejuízo.

Comentários

Conte-nos o que pensa e deixe seu comentário abaixo Os comentários serão publicados após análise. Este espaço é destinado aos comentários de leitores sobre reportagens e artigos publicados no Portal Automotive Business. Não é o fórum adequado para o esclarecimento de dúvidas técnicas ou comerciais. Não são aceitos textos que contenham ofensas ou palavras chulas. Também serão excluídos currículos, pedidos de emprego ou comentários que configurem ações comerciais ou publicitárias, incluindo números de telefone ou outras formas de contato.

Veja também

ABTV

AB Inteligência