Automotive Business
  
Siga-nos em:
AB Inteligência

Notícias

Ver todas as notícias

Balanço | 04/02/2015 | 19h00

GM fatura mais e lucra menos em 2014; América do Sul tem prejuízo

Resultados foram impactados por custos com recalls e reestruturação

REDAÇÃO AB

Apesar do ligeiro aumento de 2% nos volumes de veículos vendidos no mundo inteiro em 2014, de 9,7 milhões para 9,9 milhões de unidades, e do faturamento global de US$ 155,9 bilhões praticamente estável, US$ 500 milhões maior em relação ao exercício anterior, a General Motors apresentou resultados financeiros piores que os de 2013. O lucro líquido de US$ 2,8 bilhões recuou 26%, ou US$ 1 bilhão abaixo do registrado um ano antes. Na mesma linha, os ganhos ajustados antes de impostos e juros (Ebit, na sigla em inglês), recuaram US$ 2,1 bilhões de um ano para outro, ou 24,4% a menos, para US$ 6,5 bilhões.

Segundo comunicado oficial da GM sobre os resultados financeiros de 2014, despesas extraordinárias impactaram negativamente o lucro líquido em US$ 2,4 bilhões. Da mesma forma, os gastos com recalls chegaram a US$ 2,8 bilhões – especialmente nos Estados Unidos, onde a companhia teve de pagar indenizações milionárias pelos acidentes causados com o desligamento de certos modelos, por problemas no cilindro da chave de ignição. Além disso, a empresa contabilizou no ano US$ 1 bilhão em custos de reestruturação. Em compensação, com lucro menor, a GM também pagou menos impostos no ano passado, o que compensou parcialmente algumas perdas.

Apesar do recuo dos lucros, a companhia comemora ter fechado o ano com o balanço no azul, “a despeito dos desafios significativos enfrentados por nós pela indústria”, destacou em nota a CEO Mary Barra. Baseada nos resultados financeiros positivos já obtidos, a GM decidiu aumentar em 20% de os dividendos pagos aos acionistas pelo lucro apurado no segundo trimestre de 2014. Eles vão receber US$ 0,36 por ação, contra o valor fixado anteriormente de US$ 0,20. “O aumento reflete a confiança que temos na força crescente de nossos negócios”, declarou Mary Barra.

AMÉRICA DO SUL TEM PREJUÍZO DE US$ 200 MILHÕES

A divisão América do Sul (GMSA) contribuiu negativamente para os resultados globais da companhia. O lucro (Ebit) de US$ 300 milhões em 2013 se transformou em prejuízo de US$ 200 milhões em 2014. Os motivos são amplamente conhecidos: queda do mercado brasileiro, responsável por cerca de 70% das vendas na região, e o profundo declínio da Argentina.

A porção norte do continente americano (GMNA, que inclui Estados Unidos, Canadá e México) salvou o ano da GM, com Ebit positivo de US$ 6,6 bilhões, ainda que 12% menor do que o apurado em 2013 (US$ 7,5 bilhões), devido ao impacto dos gastos com recalls. Com o resultado, a companhia deverá pagar bônus de até US$ 9 mil a cada um dos 48,4 mil funcionários nos EUA.

Na Europa a GM continua a perder dinheiro, com novo prejuízo antes de impostos e juros de US$ 1,4 bilhão em 2014, com US$ 700 milhões em custos de reestruturação já contabilizados nesse valor. O ano foi ainda pior do que 2013, quando a GME registrou perda no Ebit de US$ 900 milhões, com US$ 200 milhões em gastos para reestruturar a empresa na região.

A GM International Operations (GMIO), que inclui as subsidiárias na China, reportou Ebit positivo de US$ 1,2 bilhão e assim colaborou com o resultado global positivo da companhia. Mas o ganhou ficou 8% abaixo do US$ 1,3 bilhão apurado em 2013.

O caixa fechou o ano bastante robusto, com liquidez de US$ 37,2 bilhões, contando US$ 25,2 bilhões em dinheiro e títulos negociáveis. O resultado ficou pouco abaixo do verificado um ano antes, quando a GM tinha US$ 38,3 bilhões líquidos e disponibilidade de US$ 27,9 bilhões em dinheiro e papéis.



Tags: GM, General Motors, resultado, balanço, lucro, prejuízo.

Comentários

Conte-nos o que pensa e deixe seu comentário abaixo Os comentários serão publicados após análise. Este espaço é destinado aos comentários de leitores sobre reportagens e artigos publicados no Portal Automotive Business. Não é o fórum adequado para o esclarecimento de dúvidas técnicas ou comerciais. Não são aceitos textos que contenham ofensas ou palavras chulas. Também serão excluídos currículos, pedidos de emprego ou comentários que configurem ações comerciais ou publicitárias, incluindo números de telefone ou outras formas de contato.

Veja também

ABTV

AB Inteligência