Automotive Business
Siga-nos em:
AB Inteligência

Notícias

Ver todas as notícias
Mercedes-Benz corre para tentar repetir 2014
Roberto Leoncini, vice-presidente de vendas e marketing para caminhões e ônibus Mercedes-Benz no Brasil

Mercado | 27/01/2015 | 16h59

Mercedes-Benz corre para tentar repetir 2014

Montadora se desdobra para começar o ano com novas regras do Finame PSI

SUELI REIS, AB | De Piracicaba (SP)

No melhor dos cenários, a Mercedes-Benz espera repetir desempenho de 2014, que apesar da queda de 6,7% das vendas, conseguiu cair menos que o mercado total de caminhões, cuja retração foi de 11,3% sobre o ano anterior. O vice-presidente de vendas e marketing de caminhões e ônibus da marca no Brasil, Roberto Leoncini, lembra das dificuldades que parecem se repetir neste ano: “No primeiro bimestre de 2014 quase não se fechou negócios”, lembra o executivo.

Apesar de comparar os dois anos, ele reforça que o mercado não parou neste janeiro: “É possível financiar via CDC ou leasing, mas pelo Finame comum, com a taxa baseada na TJLP (taxa de juros a longo prazo) está bloqueado há duas semanas pelo BNDES. A Anfavea está tentando reverter”, revela.

O cenário adverso para caminhões e ônibus neste início de ano se dá novamente por causa do Finame PSI, mas desta vez com novas condições mais complexas: além de taxas de juros mais altas, os prazos foram reduzidos e o PSI não financia mais 100% do bem, há novas exigências de entradas fixadas em 30% para pequenas e médias empresas e de 50% para grandes. Os 40% ou 20% restantes, para chegar a 90% do valor financiado, podem ser subsidiados pelas denominadas taxas variáveis (cesta de moedas ou variação média da Selic).

Leoncini conta que o Banco Mercedes-Benz só vai oferecer financiamento via PSI a partir da quarta-feira, 28, após concluir o treinamento operacional da rede sobre as novas regras. “Com as mudanças, todo o sistema bancário passa por uma adequação, o que na prática significa conseguir emitir dois boletos dentro do mesmo contrato de compra: um para o financiamento com taxa fixa e outro com a taxa variável”, afirmou. Ele acrescenta que no caso da Mercedes-Benz, até que o sistema esteja adequado para convergir com o do BNDES, oferecerá a opção de capital de giro (taxa fixa) como alternativa à parte do financiamento com taxa variável. Porém, o executivo não estimou quanto tempo pode demorar a conclusão de adequação de seu sistema bancário.

Leoncini prefere não apostar em um viés de queda do mercado em 2015 e indica fatores que podem contribuir para alguma melhora do segmento, como o agronegócio, cujas projeções apontam para um novo recorde de safra de grãos. “Também dependerá do otimismo do transportador e do cenário do mercado geral de cargas no País”.

Ao comemorar o ganho de participação de mercado em 2014 (leia aqui), Leoncini reforça que a empresa continuará sua estratégia de oferecer novidades em seus produtos para atrair clientes: “A liderança quem dá é o cliente por meio de seu reconhecimento, é ele quem elenca quem sobe ao topo. Há muito ainda a se fazer para entregar sempre os melhores produtos: estamos fazendo a lição de casa”, conclui.



Tags: Mercedes-Benz, vendas, Finame PSI, taxa, juros, Roberto Leoncini.

Comentários

  • alicio marins Diniz

    gostaria de comprar um caminho Mercedes 2646 pelo pro caminhoneiro eu já tenho dois caminhões um Mercedes Ls 1935 ano 91 e um Scania 110 ano 77

Conte-nos o que pensa e deixe seu comentário abaixo Os comentários serão publicados após análise. Este espaço é destinado aos comentários de leitores sobre reportagens e artigos publicados no Portal Automotive Business. Não é o fórum adequado para o esclarecimento de dúvidas técnicas ou comerciais. Não são aceitos textos que contenham ofensas ou palavras chulas. Também serão excluídos currículos, pedidos de emprego ou comentários que configurem ações comerciais ou publicitárias, incluindo números de telefone ou outras formas de contato.

Veja também

ABTV

AB Inteligência