Automotive Business
Siga-nos em:
AB Inteligência

Notícias

Ver todas as notícias

Indústria | 22/01/2015 | 12h58

CNI: 69,3% das empresas farão investimentos em 2015

Porcentual é o menor registrado nos últimos cinco anos

AGÊNCIA BRASIL

O porcentual de empresas que pretendem investir em 2015 chega a 69,3%, de acordo com levantamento divulgado na quinta-feira, 22, pela Confederação Nacional da Indústria (CNI). O total é 8,8 pontos porcentuais inferior aos 78,1% de 2014. Segundo a entidade, trata-se do menor patamar de empresários com intenção de fazer investimentos em um período de cinco anos.

Com relação às razões para não investir em 2015, entre as mais apontadas estão a incerteza econômica (77,4%), reavaliação da demanda (45%), custo do crédito ou financiamento (34,2), aumento inesperado no custo do investimento (33,9%) e dificuldade para obter crédito (25,1%). Entre as empresas que pretendem investir, a maioria (61,2%) pretende direcionar os recursos para projetos já em andamento.

O levantamento mostra que a proporção de empresários que investiram em 2014 foi 71,8%, contra 79,7% de 2013. O ano passado registrou, ainda, planos de investimentos que não foram concretizados. Segundo os dados, apenas 41,4% das empresas fizeram os investimentos previstos em 2014 e 39,8% os implementaram apenas parcialmente.

Além disso, 9,2% dos empresários ouvidos pela CNI declararam ter adiado os planos de investir por tempo indeterminado ou cancelado. Um percentual de 7,5% disse ter adiado os investimentos até 2015.

A pesquisa foi feita entre 4 de novembro e 12 de dezembro do ano passado, com 592 empresas. Dessas, 312 têm grande porte, 213 são médias e 67, pequenas.



Tags: Investimentos, indústria, CNI, custo, incerteza econômica, crédito, financiamento.

Comentários

Conte-nos o que pensa e deixe seu comentário abaixo Os comentários serão publicados após análise. Este espaço é destinado aos comentários de leitores sobre reportagens e artigos publicados no Portal Automotive Business. Não é o fórum adequado para o esclarecimento de dúvidas técnicas ou comerciais. Não são aceitos textos que contenham ofensas ou palavras chulas. Também serão excluídos currículos, pedidos de emprego ou comentários que configurem ações comerciais ou publicitárias, incluindo números de telefone ou outras formas de contato.

Veja também

AB Inteligência