Automotive Business
Siga-nos em:
AB Inteligência

Notícias

Ver todas as notícias

Leves | 21/01/2015 | 16h45

Etiquetagem veicular: compactos têm os melhores resultados em consumo

Inmetro divulga conclusões de testes com 587 carros de 36 fabricantes

GIOVANNA RIATO, AB

O Inmetro divulgou os resultados do novo ciclo de testes do Programa Brasileiro de Etiquetagem Veicular (PBEV), que classifica os carros vendidos no Brasil de acordo com o consumo de combustível e as emissões de poluentes. Nesta bateria foram avaliados 587 modelos e versões de 36 fabricantes.

- Veja aqui os resultados completos do PBEV 2015

As conclusões são divididas em 12 categorias e destacam informações sobre a eficiência energética com notas que vão de A, para os melhores resultados, até E, que indica os veículos com pior performance nos testes. Como era de se esperar, os melhores desempenhos foram registrados entre os carros subcompactos e compactos, que são mais leves e usam motores menores, como Volkswagen Up!, Nissan Versa, Renault Clio e Ford Ka.

O programa de etiquetagem veicular começou em 2008 com apenas cinco montadoras e 54 modelos testados. Este ano a iniciativa teve 18,4% mais inscritos do que em 2014. O crescimento contínuo é provocado pelo Inovar-Auto, política industrial para o setor que entrou em vigor em 2013 com validade até 2017. Apesar de o selo de Inmetro não ser obrigatório para todas as empresas, ele pode ser escolhido pelas montadoras para cumprir as metas do programa.

Entre as regras do Inovar-Auto, está a opção por fazer investimento obrigatório em Pesquisa & Desenvolvimento (P&D), investir em engenharia ou participar do programa de etiquetagem veicular. Cada empresa habilitada deve escolher e cumprir duas destas três metas. Enquanto muitas fabricantes enxergam até mesmo uma oportunidade ao se inscrever no programa, já que poderão mostrar aos consumidores eventuais bons resultados de seus carros, a General Motors insiste em manter seus veículos longe de qualquer avaliação de consumo e emissões. Com o portfólio de produtos equipados com motores defasados, a companhia certamente teria de administrar notas ruins se submetesse seus modelos aos testes.

Ainda assim a GM não escapará de investir na atualização de seus propulsores porque precisará cumprir as metas obrigatórias de consumo e emissões a todas as empresas habilitadas ao Inovar-Auto. O programa impõe melhoria de ao menos 12% na eficiência energética dos carros até 2017.

RESULTADOS

O ciclo de testes mais recente do Inmetro confirmou que os carros de entrada são a aposta das fabricantes para alcançar as metas de redução de consumo e emissões. Como o cálculo para verificar a melhoria na eficiência energética é feito com base na frota vendida por cada montadora, faz sentido trabalhar para que os motores mais eficientes estejam em carros de grande demanda.

Esta é a estratégia usada pela Volkswagen, que alcançou selo A para o Up! em todas as configurações do carro, equipado com o moderno motor de três cilindros da família EA 211. As medições do Inmetro indicam que o subcompacto é capaz de rodar 13,5 quilômetros por litro de combustível em ciclo urbano quando abastecido com gasolina e 9,2 km/l com etanol. O consumo é de 14,6 km/l quando o modelo roda na estrada usando gasolina e de 10,2 km/l com etanol.

O Renault Clio também conseguiu bons resultados, com nota A na comparação com os concorrentes da categoria. A versão Authentique, que usa o mesmo motor 1.0 16V que equipa o Sandero, apresentou consumo em ciclo urbano de 9,1 km/l com etanol e de 13,1 km/l com o combustível derivado de petróleo. Na estrada o carro rodou 9,6 km/l e 14,3 km/l com etanol ou gasolina, respectivamente. Apesar de também ter recebido selo A, é importante lembrar que o modelo foi testado sem direção assistida e, portanto, leva certa vantagem sobre automóveis mais equipados. O mesmo propulsor também rendeu boa nota ao Nissan March. O compacto teve nota A na versão 1.0 16V e também na configuração 1.6 16V.

O novo Ford Ka, que foi submetido aos testes do Inmetro pela primeira vez, teve bons resultados e ganhou selo A do programa. O consumo da versão S foi de 9,3 km/l na cidade com etanol e de 13,4 km/l no mesmo ciclo com gasolina. As medições na estrada indicaram que o automóvel é capaz de rodar 11,3 km/l com etanol e de 16,4 km/l com gasolina.

Outro destaque foi o Fiat Novo Uno com sistema Start-Stop, que desliga o motor em pequenas paradas no trânsito, como no semáforo. A versão Evolution S&S, que conta com a tecnologia e é equipada com propulsor 1.4 8V, foi a única do modelo a alcançar a melhor nota de etiquetagem veicular. As outras configurações do carro deixaram a desejar, com resultados que variaram entre B e D, mostrando que o motor 1.0 da Fiat só é mais econômico quando desligado.



Tags: etiquetagem veicular, consumo, emissões, eficiência energética, motores, Inmetro.

Comentários

Conte-nos o que pensa e deixe seu comentário abaixo Os comentários serão publicados após análise. Este espaço é destinado aos comentários de leitores sobre reportagens e artigos publicados no Portal Automotive Business. Não é o fórum adequado para o esclarecimento de dúvidas técnicas ou comerciais. Não são aceitos textos que contenham ofensas ou palavras chulas. Também serão excluídos currículos, pedidos de emprego ou comentários que configurem ações comerciais ou publicitárias, incluindo números de telefone ou outras formas de contato.

Veja também

ABTV

AB Inteligência