Automotive Business
Siga-nos em:
AB Inteligência

Notícias

Ver todas as notícias
Motos terão 2015 fraco como o ano atual

Duas Rodas | 09/12/2014 | 18h22

Motos terão 2015 fraco como o ano atual

Fábricas instaladas em Manaus preveem menos de 1,5 milhão de unidades

MÁRIO CURCIO, AB

A Abraciclo, entidade que reúne as fábricas de motos instaladas em Manaus, prevê mais um ano minguado para 2015, com crescimento de apenas 2,1% sobre o ano que termina: “Fecharemos 2014 com 1,44 milhão de unidades e estimamos para o ano que vem 1.470.000 emplacamentos”, afirma o presidente da associação, Marcos Szaven Fermanian.

Veja aqui os dados e projeções da Abraciclo.

“Esse pequeno crescimento deve vir da concessão de crédito. Acreditamos que as novas regras para retomada do bem financiado em caso de inadimplência devem elevar a taxa de aprovação de crédito dos atuais 20% a 25% para algo entre 30% e 35%”, diz Fermanian.

Dois mil e catorze será o terceiro ano consecutivo de queda nas vendas, após o recorde de 2011, em que o mercado absorveu quase 2 milhões de unidades. Daquele ano para cá a mão de obra empregada nas fábricas baixou de 20,5 mil trabalhadores para 17,9 mil e a produtividade, de 104 para 80 motos ao ano montadas por operário.

“Até o fim do ano deve haver mais cortes”, diz Fermanian. Segundo o executivo, as indústrias se preparam para este patamar menor de cerca de 1,5 milhão de motos por ano com aumento de automação e menor dependência de mão de obra.

“Os fornecedores e também os concessionários terão de se adaptar a essa nova realidade”, diz. As projeções para 2015 também incluem queda de 55,6% nas exportações por causa da sobretaxação, pela Argentina, aos modelos que adquire de outros mercados. O ano atual deve fechar com 90 mil motos enviadas ao exterior. Para 2015 estimam-se 40 mil.

PERSPECTIVAS PARA CDC

Com a entrada em vigor da lei 13.043 em novembro, que facilita a retomada do veículo em caso de inadimplência, a Abraciclo acredita em melhora na taxa de aprovação das fichas preenchidas para a venda por Crédito Direto ao Consumidor (CDC).

“O banco Panamericano estaria ampliando o número de operadores em todo o Brasil. Serão 400 até o fim do ano, além dos terceirizados que já atuam nas revendas”, afirma o presidente da Abraciclo. Fermanian recorda que a média diária de emplacamentos voltou às 6 mil unidades em dezembro, nível registrando no período anterior à Copa do Mundo.

A Abraciclo recorda que as vendas por CDC passaram de 32,8 mil unidades em outubro para 38,5 mil em novembro (alta de 17,2%) como reflexo do acordo firmado entre a Caixa Econômica Federal, o Banco Panamericano e a Fenabrave, federação que reúne as associações de concessionários.

DESEMPENHO REGIONAL

Todas as regiões geográficas do Brasil tiveram queda na venda de motos de janeiro a novembro de 2014 no confronto com igual período do ano passado. A mais acentuada, de 10,4%, ocorreu no Sul do País. “Os números refletiram as chuvas que atingiram a região”, diz o presidente da Abraciclo.

As vendas no Nordeste, que têm grande dependência dos consórcios, recuaram 7% em relação aos 11 meses de 2013 pela queda no número de lances para retirada da moto por consórcio. A Região Norte recuou em 5,1%, o Centro-Oeste em 3,6% e o Sudeste em 2,3%.

NOVEMBRO E ACUMULADO

A produção de motos em novembro somou 121,7 mil unidades, registrando queda de 15,8% ante outubro. No acumulado do ano, com 1,43 milhão de motocicletas, a retração chega a 10,2% e deve fechar 2014 com recuo de 12% em razão de férias coletivas e festas de fim de ano.

Em novembro, as fábricas de motos venderam às suas concessionárias 119,8 mil unidades, 7,2% a menos que em outubro. No acumulado do ano, com 1,31 milhão de motos repassadas, a retração é de 11,3%. A previsão da Abraciclo é de 1,44 milhão de motos e queda de 9% em relação a 2013.



Tags: Motos, motocicletas, Abraciclo, Marcos Szaven Fermanian, CDC, consórcio, crediário.

Comentários

Conte-nos o que pensa e deixe seu comentário abaixo Os comentários serão publicados após análise. Este espaço é destinado aos comentários de leitores sobre reportagens e artigos publicados no Portal Automotive Business. Não é o fórum adequado para o esclarecimento de dúvidas técnicas ou comerciais. Não são aceitos textos que contenham ofensas ou palavras chulas. Também serão excluídos currículos, pedidos de emprego ou comentários que configurem ações comerciais ou publicitárias, incluindo números de telefone ou outras formas de contato.

Veja também

ABTV

AB Inteligência