Automotive Business
Siga-nos em:
AB Inteligência

Notícias

Ver todas as notícias

Powertrain | 19/11/2014 | 18h13

MWM sai na frente na lei de emissões para máquinas

Fabricante celebra primeiros contratos e avança nas negociações

SUELI REIS, AB

Após dois anos de desenvolvimento, a MWM International comemora o contrato de fornecimento dos novos motores da Série 229 e Série 12 que atendem a legislação de emissões de poluentes e ruídos para máquinas agrícolas e de construção denominada MAR I, incluída no Programa de Controle da Poluição do Ar por Veículos Automotores (Proconve) e que entra em vigor a partir de 1º de janeiro de 2015. Os propulsores equiparão tratores da Agrale a partir de 2017, quando entra a segunda etapa da lei, dedicada ao segmento agrícola. O volume estimado é de 3 mil unidades por ano.

“Este novo contrato com a Agrale é motivo de grande celebração. Além dela, já iniciamos todo o trabalho de oferta da nova linha de motores com os atuais clientes e também com as newcomers”, revela Thomas Püschel, diretor de vendas e marketing da MWM International.

O executivo conta que tem tido êxito nos novos negócios e cita o caso da JCB, que fez uma pré-adaptação de alguns equipamentos de construção para teste dos novos motores. “Já para as newcomers, uma série delas estão chegando ao Brasil, a maioria sem engenharia local. O fato da MWM International ter desenvolvimento no País é o diferencial: contribui para o índice de nacionalização e o que é muito relevante para o setor, torna o produto apto para o Finame”, defende. Segundo ele, a fabricante oferece produtos cuja localização supera os 95% em alguns casos, considerando apenas que o conjunto do sistema de injeção eletrônico ainda é o item sem fabricação nacional.

“A capilaridade da rede – hoje com 480 pontos de atendimento – também reforça o nosso trabalho junto aos novos parceiros”, lembra.

Com a entrada em vigor da legislação – que atuará de forma escalonada – Püschel não acredita em um impacto negativo nas vendas para o ano que vem: “A primeira fase diz respeito primeiro às máquinas de construção: a partir de 2015, elas deverão atender os limites de ruído, e até 2017, os limites de emissões. Este segmento em particular é muito ligado ao sistema de concessões de obras de infraestrutura e claro, construção civil. O que está previsto para ser entregue de 2015 em diante já está preparado para esta primeira fase, todas as fabricantes estão se antecipando, incluindo as newcomers”.

Parte das empresas aproveita o advento da nova legislação para coincidir com a renovação ou atualização de suas linhas de máquinas, tanto agrícolas como de construção. Püschel revela que os clientes estão em fase final de homologação dos novos equipamentos: “Provavelmente seremos o primeiro fabricante de motor homologado para a nova legislação”, aposta.

ANTECIPAÇÃO PLANEJADA

A estratégia de se antecipar à legislação já constava na agenda da MWM International há pelo menos quatro anos. Püschel lembra que a empresa destinou parte significativa do ciclo de investimento de 2010-2015 para este novo projeto de motores dedicados ao setor off-road. “Assim como o projeto de motores Euro 5 pra caminhões e ônibus eram a prioridade do ciclo de investimento 2010-2015, e já concluídos, o próximo ciclo 2015-2020 terá parcela importante para a engenharia dos motores off-road, principalmente os agrícolas, além de contemplar a melhora contínua dos processos de manufatura e a adaptação e treinamento da rede”, aponta.

Para Cristian Prates Malevic, gerente da divisão de engenharia da MWM International, a estratégia do Ibama e do Conama, órgãos responsáveis pela regulamentação e homologação dos equipamentos, de determinar uma lei progressiva e por etapas ajudou no planejamento. “O prazo é adequado dentro dos parâmetros e limites propostos. Mais uma vez: a vantagem de ter desenvolvimento local é um diferencial. Já temos uma linha toda adequada para o setor de construção e faltam apenas alguns detalhes ligados à calibração final (maior potência por litro) para a fase agrícola, que só entra em vigor em 2017”, explica.

O processo utilizado pela MWM International parte do downsizing: adaptar motores menores para fazer o trabalho dos maiores. A empresa também cuidou de preparar os propulsores de forma a entregar outras vantagens, além do que pede a legislação, o que agrega mais valor ao produto: “Conseguimos resultados importantes, como o aumento do intervalo da troca de óleo e a melhora significativa do consumo de combustível”, observa.

Ele acrescenta que considera assertiva a decisão de escalonar os limites por segmento, uma vez que a indústria nacional de máquinas não seguia nenhuma norma de emissão até agora: “É uma tratativa inteligente, porque o dá tempo para adaptação da indústria e evita que as empresas parem de uma vez para atender a programação sem impactar no mercado e na oferta de produtos”, avalia.



Tags: MWM International, motores, máquinas agrícolas, máquinas de construção, emissões, MAR I, Agrale, Thomas Püschel, Cristian Prates Malevic.

Comentários

Conte-nos o que pensa e deixe seu comentário abaixo Os comentários serão publicados após análise. Este espaço é destinado aos comentários de leitores sobre reportagens e artigos publicados no Portal Automotive Business. Não é o fórum adequado para o esclarecimento de dúvidas técnicas ou comerciais. Não são aceitos textos que contenham ofensas ou palavras chulas. Também serão excluídos currículos, pedidos de emprego ou comentários que configurem ações comerciais ou publicitárias, incluindo números de telefone ou outras formas de contato.

Veja também

AB Inteligência