Automotive Business
Siga-nos em:
AB Inteligência

Notícias

Ver todas as notícias
Altos e baixos do etanol em 39 anos

Combustíveis | 14/11/2014 | 19h15

Altos e baixos do etanol em 39 anos

O programa do álcool passou da euforia à crise atual

REDAÇÃO AB

A União da Indústria de Cana-de-Açúcar (Unica) rememorou na sexta-feira, 14 de novembro, os 39 anos de criação do Proálcool, o Programa Nacional do Álcool, considerado o maior e mais bem-sucedido programa mundial de substituição em larga escala dos combustíveis veiculares derivados de petróleo pelo etanol produzido a partir da cana-de-açúcar. A história dessa iniciativa, repleta de percalços, teve sua origem relacionada à primeira crise do petróleo em 1973, quando o mundo assistiu à disparada do preço do barril e começou a buscar alternativas.

O objetivo do Proálcool era substituir gradativamente a frota de carros alimentada por combustíveis fósseis por motores que funcionavam com o biocombustível renovável. Recorda a Unica que no fim dos anos 70 a produção alcooleira atingiu um pico de 12,3 bilhões de litros e, naquela época, o Proálcool foi fundamental para que a nova crise mundial do petróleo, com nova elevação dos preços em 1979, tivesse impacto menor no Brasil.

Na metade da década de 80, quando o preço do petróleo baixava e o do açúcar subia, o Proálcool começou a ruir, pois o álcool combustível passou a ser menos vantajoso economicamente para o consumidor e para o produtor. Por conta disso, esclarece a Unica, o combustível renovável começou a faltar regularmente nos postos e até as montadoras de automóveis passaram a desacreditar no projeto.

A tecnologia flex, que permite abastecer os veículos com etanol ou gasolina em qualquer proporção, deu novo fôlego ao etanol. Em 2003 surgiu o primeiro veículo bicombustível no Brasil, um Volkswagen Gol 1.6, e a frota hoje supera 22 milhões de carros flex. Antonio de Padua Rodrigues, diretor técnico da Unica, calcula que desde sua adoção no Brasil o etanol substituiu 2,3 bilhões de barris de gasolina, o equivalente a mais de 470 bilhões de litros do biocombustível.

No entanto, a história recente indica uma reversão de expectativas. Enquanto entre 2004 e 2010 ocorreram investimentos expressivos, com a construção de uma centena de novas usinas e 400 empresas operavam com produção etanol, hoje o setor vive uma crise preocupante. No entender da Unica, a perda de competitividade do etanol promoveu um retrocesso no ciclo virtuoso de investimento e crescimento da indústria sucroalcooleira. Entre 2008 e 2013, mais de 70 plantas já fecharam as portas somente na região centro-sul e outras 12 unidades devem encerrar suas atividades em 2014.

Em nota, a entidade assegura que a reversão do cenário atual “somente será alcançada a partir de uma política de longo prazo consistente, com a valorização de uma matriz energética diversificada e que reconheça as contribuições ambientais do etanol e da bioeletricidade”.



Tags: Etanol, álcool, biocombustível, combustíveis, Única, cana-de-açúcar, Proálcool.

Comentários

Conte-nos o que pensa e deixe seu comentário abaixo Os comentários serão publicados após análise. Este espaço é destinado aos comentários de leitores sobre reportagens e artigos publicados no Portal Automotive Business. Não é o fórum adequado para o esclarecimento de dúvidas técnicas ou comerciais. Não são aceitos textos que contenham ofensas ou palavras chulas. Também serão excluídos currículos, pedidos de emprego ou comentários que configurem ações comerciais ou publicitárias, incluindo números de telefone ou outras formas de contato.

Veja também

ABTV

AB Inteligência