Automotive Business
Siga-nos em:
AB Inteligência

Notícias

Ver todas as notícias

Máquinas | 06/11/2014 | 17h41

Vendas ao campo sobem 0,7% em outubro

Melhor mês em volume confirma expectativa de melhora

SUELI REIS, AB

O desempenho do mercado de máquinas agrícolas durante outubro começa a confirmar a expectativa da Anfavea sobre uma tendência de melhora das vendas para o último trimestre do ano, após nove meses fracos. Apesar da queda de 17% das entregas no acumulado de dez meses contra mesmo período do ano passado, para pouco mais de 59,1 mil unidades, o levantamento da entidade mostra que houve pequeno aumento de 0,7% dos negócios na passagem de setembro para outubro, quando o setor registrou 6,65 mil unidades, entre equipamentos agrícolas e rodoviários, resultando no melhor mês do ano em vendas para o setor até agora.

“A expectativa é boa para os próximos dois meses, especialmente por causa da safra, que reflete diretamente no mercado de colheitadeiras. A tendência é de que o ano vire com essa reação mais consistente”, analisa Ana Helena de Andrade, vice-presidente da Anfavea e diretora de assuntos governamentais da AGCO, grupo que reúne as marcas Massey Ferguson e Valtra.

- Veja aqui os dados divulgados pela Anfavea.

Em outubro, as vendas de colheitadeiras cresceram 27% sobre setembro, para 734 unidades, enquanto que no acumulado de janeiro a outubro o segmento segue com queda, de 20,1% sobre igual período de 2013. Já o de tratores, por causa da sazonalidade, mantém a retração: as entregas diminuíram 14,8% no acumulado, para volume de 48,4 mil unidades, mas subiram 2,4% em outubro contra o mês anterior, ao vender 5,4 mil máquinas.

O segmento também pode ser beneficiado nos dois últimos meses pela decisão de produtores rurais que devem aproveitar o Finame PSI a uma taxa de 6% ao ano, válida até 31 de dezembro, uma vez que ainda não há definição, por parte do governo, das condições de taxa para a linha de financiamento em 2015.

A Anfavea, que para 2014 espera uma queda de 12% das vendas de máquinas sobre o ano passado, só divulgará a projeção de 2015 em janeiro próximo, mas Ana Helena adianta que para o segmento a expectativa é de “estabilidade com viés positivo”.

EXPORTAÇÕES E PRODUÇÃO

Nas exportações, as fabricantes também verificaram outubro como um dos melhores meses do ano, em volume, com 1,31 mil unidades embarcadas. No entanto, representou queda de 4,6% sobre setembro. No comparativo anual do acumulado, a retração foi de 9,5%.

A representante da Anfavea explica que com a dificuldade de exportar para a Argentina, o principal mercado de exportações do Brasil, mantêm-se a tendência de alocar os negócios para outros mercados. A própria América do Sul tem sido um importante destino, com destaque para o Paraguai, que de janeiro a outubro, registrou participação de 25% do total do valor exportado em máquinas agrícolas pelo Brasil, seguida pela Argentina, com 11%. Uruguai e Venezuela empatam em 6%, considerando o mesmo período.

“Outro mercado de importância é o africano, para onde o Brasil já enviou o primeiro lote de máquinas (tratores) por meio do programa Mais Alimentos Internacional: é uma abertura para explorar ainda mais o potencial daqueles mercados.”

Com a melhora das vendas de outubro para o mercado interno e maior volume de exportações, a produção subiu 10% no comparativo mensal, para 7,9 mil unidades, sendo o terceiro melhor mês do ano. No acumulado, as linhas de montagem entregaram 15,6% menos máquinas do que no ano passado.

As projeções de exportações e produção da Anfavea para máquinas também são de queda: neste ano, as fabricantes devem anotar retrações de 10,3% e 13,3%, respectivamente.



Tags: Máquinas agrícolas, Anfavea, mercado, colheitadeiras, tratores, Mais Alimentos.

Comentários

Conte-nos o que pensa e deixe seu comentário abaixo Os comentários serão publicados após análise. Este espaço é destinado aos comentários de leitores sobre reportagens e artigos publicados no Portal Automotive Business. Não é o fórum adequado para o esclarecimento de dúvidas técnicas ou comerciais. Não são aceitos textos que contenham ofensas ou palavras chulas. Também serão excluídos currículos, pedidos de emprego ou comentários que configurem ações comerciais ou publicitárias, incluindo números de telefone ou outras formas de contato.

Veja também

ABTV

AB Inteligência