Automotive Business
Siga-nos em:
AB Inteligência

Notícias

Ver todas as notícias

Comerciais | 05/11/2014 | 21h44

Fabricantes de ônibus otimistas com 2015

Queda de 15% das vendas estimada para este ano não deve se repetir

SUELI REIS, AB | Do Rio de Janeiro

O Brasil encerrará 2014 com uma queda de até 15% das vendas de chassis de ônibus na comparação com o ano passado, para algo perto de 25 mil unidades, estima a maior parte das fabricantes que produzem por aqui. Apesar disso, o País continuará sendo o terceiro maior mercado do segmento no mundo, perdendo apenas para a China e Índia. O potencial brasileiro foi destaque das principais empresas que aproveitaram sua participação da 10ª Fetransrio, feira do transporte realizada no Rio de Janeiro de 5 a 7 de novembro, para apresentar o balanço do ano até agora e as expectativas para o próximo período.

“Mesmo em um ano de queda das vendas do mercado total, conseguimos ser a empresa que mais cresceu com aumento de cinco pontos porcentuais de market share, passando de 43,1% em 2013 para 48,1% este ano, considerando os dados até outubro”, comemora Walter Barbosa, diretor de vendas e marketing de ônibus da Mercedes-Benz, que segue como líder do mercado.

A MAN Latin America, dona da marca Volkswagen Caminhões e Ônibus, sustenta o segundo lugar no ranking nacional com 26% e vê com otimismo o desempenho para 2015: “O mercado em geral deve crescer entre 8% e 12%”, estima Ricardo Alouche, vice-presidente de vendas, marketing, e pós-vendas da MAN Latin America. Para o executivo, o maior impulso virá do segmento de ônibus urbano. “Em 2013, com as manifestações populares, os empresários decidiram postergar as compras, deixando para 2015 um bolsão acumulado de dois anos. O incremento deve ser em torno de 20% e a Volkswagen estima crescer no mínimo os mesmos 20% no segmento.”

Segundo Alouche, a MAN/Volkswagen mira em uma participação mas agressiva de mercado nos próximos anos: "Nossa meta é ambiciosa, de alcançar 32% de share em 2015 e para 2016, miramos os 35%".

A Scania, que encerrou 2013 com 5,2% de participação no segmento, espera terminar 2014 com registro de queda menor que a do mercado, projeta Silvio Munhoz, diretor de vendas da marca para as Américas. Para ele, o cenário em 2015 será mais promissor devido a fatores como a lei da mobilidade instituída pelo governo federal, que prevê, entre outras metas, instrumentos para melhorar a acessibilidade à mobilidade (de pessoas e de carga), dando prioridade aos meios de transporte do serviço público coletivo. Ainda no âmbito da legislação, a aprovação do novo sistema de concessão das linhas rodoviárias pela ANTT, cuja regulamentação deverá ser publicada em até seis meses, impulsionará o segmento rodoviário e de fretamento, fazendo com que o primeiro semestre seja relativamente mais propenso aos negócios.

“Baseado nessas perspectivas, o mercado não cai em 2015, nossa expectativa é que se mantenha em volumes semelhantes a este ano, mas não descartamos a possibilidade de crescimento”, diz Munhoz.

Por sua vez, a Iveco, que até agora atuava apenas no segmento de miniônibus e que a partir deste mês se lança para o mercado com um novo chassi de 17 toneladas, segmento de maior representatividade no mercado nacional, com 60% de participação, espera alcançar 5% de market share já no primeiro ano. “Acreditamos que em 2015, o segmento de 17 toneladas possa repetir os resultados de 2014, com algo perto de 9 a 10 mil unidades”, estima Ricardo Franca, supervisor comercial da Iveco Bus.



Tags: Ônibus, chassi, mercado, Mercedes-Benz, Scania, MAN Latin America, Volkswagen, Iveco Bus.

Comentários

Conte-nos o que pensa e deixe seu comentário abaixo Os comentários serão publicados após análise. Este espaço é destinado aos comentários de leitores sobre reportagens e artigos publicados no Portal Automotive Business. Não é o fórum adequado para o esclarecimento de dúvidas técnicas ou comerciais. Não são aceitos textos que contenham ofensas ou palavras chulas. Também serão excluídos currículos, pedidos de emprego ou comentários que configurem ações comerciais ou publicitárias, incluindo números de telefone ou outras formas de contato.

Veja também

AB Inteligência