Automotive Business
Siga-nos em:
AB Inteligência

Notícias

Ver todas as notícias

Balanço | 24/10/2014 | 17h19

Lucro líquido da Ford cai 24% no acumulado até setembro

Maior queda em receita e volume de vendas é registrada na América do Sul

REDAÇÃO AB

A Ford anotou queda de 24% do lucro líquido registrado no acumulado entre janeiro e setembro deste ano quando comparado com igual período do ano passado, informa em balanço divulgado na sexta-feira, 24. A cifra chegou a US$ 3,1 milhões contra os US$ 4,1 milhões de um ano antes, ou de US$ 1,02 para US$ 0,78 por ação.

O faturamento líquido caiu 1% na mesma base de comparação, para US$ 108,2 bilhões, reflexo das vendas globais, que permaneceram estáveis no período, com 4,7 milhões de unidades.

Na divisão automotiva, a receita atingiu US$ 102 bilhões, resultado 1,7% abaixo do faturamento anterior, de US$ 103,8 bilhões, com margem operacional de 6,2% no acumulado até setembro de 2013 para 4,2% neste ano.

As maiores quedas em volume de vendas e receita foi registrada na América do Sul: as 331 mil unidades emplacadas na região durante os nove meses deste ano ficaram 17% abaixo dos licenciamentos realizados em igual intervalo de 2013, sobretudo pelo enfraquecimento do mercado e da conjuntura econômica no Brasil, mas também pelas restrições de importações da Argentina e da redução de produção na Venezuela, reporta o relatório. A queda na receita, de 22%, para US$ 6,3 bilhões, é diretamente explicada pela redução das vendas e também pela taxa cambial mais fraca, compensada em parte pelo aumento dos preços dos veículos.

Com o resultado, a companhia considera um maior prejuízo operacional nos países sul-americanos, cujas perdas, que eram aguardadas para algo próximo a US$ 33 milhões inicialmente, podem chegar a até US$ 1 bilhão. Já para o próximo ano a receita e o resultado operacional na região devem ficar acima das cifras deste ano, prevê a Ford.

Na América do Norte, região líder em vendas da marca, houve queda de 5,3% nos emplacamentos, para 2,1 milhões de unidades, gerando faturamento quase 5% menor do que o do ano passado, para US$ 61,5 bilhões. Segundo a montadora, lançamentos que ainda não vingaram e paradas em fábricas causaram perda de participação nos Estados Unidos.

Compensando as perdas nas Américas, a Europa reflete pleno período de recuperação: as vendas aumentaram 5,3% entre janeiro e setembro no comparativo anual, para pouco mais de 1 milhão de unidades. O faturamento passou de US$ 20,3 bilhões para US$ 22,7 bilhões, alta de quase 12%. A Ford relatou aumento de 0,4 ponto porcentual em sua participação de mercado, para 8,4%. Para este ano, é esperada perda de US$ 1,2 bilhão na região, uma melhora em comparação com 2013.

Na Ásia-Pacífico houve crescimento de 18,2% dos emplacamentos, para um total de mais de 1 milhão de veículos. A receita chegou a US$ 8,1 bilhões contra US$ 7,4 bilhões de um ano antes. No Oriente Médio e África as vendas diminuíram 1,3% e a receita recuou 2,8%, para 148 mil unidades e US$ 3,4 bilhões.

A divisão de serviços financeiros registrou aumento de 12,7% da receita no ano, para US$ 6,2 bilhões.

PROJEÇÕES

Para 2015, a Ford confirma a continuação de seu plano de 16 lançamentos mundiais, o que deve alavancar significativamente os ganhos, previstos na faixa entre US$ 8,5 milhões a US$ 9,5 milhões para o lucro operacional, considerando as cinco regiões, com melhoras em todos os resultados.

“O nosso plano One Ford continua a ser fundamental para o nosso desempenho daqui para frente e nossos investimentos neste ano vão alimentar o crescimento rentável em 2015”, comenta o CEO Mark Fields.



Tags: Ford, balanço, lucro líquido, faturamento, receita, Mark Fields.

Comentários

Conte-nos o que pensa e deixe seu comentário abaixo Os comentários serão publicados após análise. Este espaço é destinado aos comentários de leitores sobre reportagens e artigos publicados no Portal Automotive Business. Não é o fórum adequado para o esclarecimento de dúvidas técnicas ou comerciais. Não são aceitos textos que contenham ofensas ou palavras chulas. Também serão excluídos currículos, pedidos de emprego ou comentários que configurem ações comerciais ou publicitárias, incluindo números de telefone ou outras formas de contato.

Veja também

ABTV

AB Inteligência