Automotive Business
Siga-nos em:
AB Inteligência

Notícias

Ver todas as notícias
Volvo deixa espaço para 2ª marca no Brasil

Comerciais | 10/10/2014 | 08h01

Volvo deixa espaço para 2ª marca no Brasil

Companhia aponta que projeto ainda continua em estudo

GIOVANNA RIATO, AB | De Curitiba (PR)

A Volvo mantém o suspense sobre o lançamento no Brasil de uma nova marca de caminhões do Grupo, que detém o controle da Renault Trucks, Mack e UD. Há dois anos a companhia anunciou durante o IAA, salão de veículos comerciais de Hannover, na Alemanha, o projeto de vender outra linha de produtos no País. Apesar de até agora a empresa não ter anunciado uma decisão, a estratégia tem sido posicionar a marca Volvo em patamar cada vez mais alto, deixando espaço livre para uma gama de veículos mais leves e talvez mais simples e baratos.

A medida mais recente da empresa neste sentido foi o lançamento da nova geração dos caminhões da linha F, que chegaram com uma série de melhorias e com preço salgado, 20% superior ao da linha anterior. Com a promessa de redução de custos da operação, a montadora não espera que as vendas se retraiam por causa do preço maior. Ainda assim, talvez fique ainda mais desafiador para a marca conquistar market share no Brasil, objetivo declarado pelo presidente da companhia para a região, Roger Alm.

O lançamento da nova linha com significativo incremento na tabela acontece cerca de um ano depois de a Volvo começar a vender no mercado local o FH16, caminhão mais caro do País, com 750 cv de potência, apresentado durante a Fenatran 2013. O modelo chegou aos clientes com preço de R$ 1 milhão (leia aqui). A companhia garante que a demanda surpreendeu e talvez essa tenha sido a prova para a marca de que o mercado brasileiro poderia absorver mais tecnologia e preço.

Bernardo Fedalto, diretor comercial da Volvo Caminhões, confirma que a montadora está reforçando o posicionamento premium, mas é arisco ao comentar a possibilidade de uma nova marca para o mercado brasileiro. “Ainda estamos estudando. Precisamos garantir que o investimento se pague nos próximos anos”, explica. Ele assegura que a demora na decisão é natural no processo e não está relacionada ao ritmo menor do mercado brasileiro em 2014. “A queda das vendas não afetou nossos planos.” Fedalto explica que a companhia trabalha para garantir que o investimento seja certeiro porque “uma vez decidida a chegada de uma nova marca não podemos voltar atrás.”

Outro desafio para lançar outra linha de caminhões seria a produção, já que a fábrica de Curitiba (PR) começa a ficar apertada para as ambições da marca. Apesar de ter 1,5 milhão de metros quadrados, grande parte da planta é área de preservação ambiental. Nos últimos anos a companhia investiu para modernizar a unidade, ampliar a capacidade e, mais recentemente, para iniciar a fabricação dos novos caminhões da linha F. A Volvo executa no Brasil plano de investimento de US$ 500 milhões de 2013 a 2015 somado a um pacote adicional de US$ 320 milhões apenas para 2014.



Tags: Volvo, nova marca, caminhões, Renault, UD, Mack, Bernardo Fedalto.

Comentários

  • Franco Di Giuseppe

    Bom dia a todos. em um pais como o Brasil que conta com um território tamanha dimensão, e que tem muito a crescer nos próximos anos, bem como praticamente depende em 90% da transferência de produtos seja agricultura ou cargas industriais liquidas etc, e também depende de transportes rodoviários, e que apesar de contar com em torno de 10 montadoras marcas em nosso pais, porem vindo de uma marca ( grupo ) consolidada Volvo no mercado e nos principais países, ai teremos as transportadoras e autônomos mais uma opção para estudos em investimento de cavalos e chassis e teremos a opção de investimentos de acordo com sua qualidade em valores a serem praticados. Seja bem vinda. att.

Conte-nos o que pensa e deixe seu comentário abaixo Os comentários serão publicados após análise. Este espaço é destinado aos comentários de leitores sobre reportagens e artigos publicados no Portal Automotive Business. Não é o fórum adequado para o esclarecimento de dúvidas técnicas ou comerciais. Não são aceitos textos que contenham ofensas ou palavras chulas. Também serão excluídos currículos, pedidos de emprego ou comentários que configurem ações comerciais ou publicitárias, incluindo números de telefone ou outras formas de contato.

Veja também

ABTV

AB Inteligência