Automotive Business
Siga-nos em:
AB Inteligência

Notícias

Ver todas as notícias
Motos: vendas cairão 5% no ano de 2014

Duas Rodas | 07/10/2014 | 17h34

Motos: vendas cairão 5% no ano de 2014

Mercado fraco no pós-copa obrigou a nova revisão de projeções

MÁRIO CURCIO, AB

A persistência do baixo volume de vendas após a Copa do Mundo obrigou as fábricas de motos a rever para baixo pela segunda vez as projeções anuais. A queda esperada ante 2013 é agora de 5%, não mais de 1,2% como se imaginava há três meses. Segundo a Abraciclo, entidade que reúne fabricantes do setor, até o fim do ano devem chegar às ruas 1,44 milhão de motos zero-quilômetro, ou 75,5 mil a menos que no já ruim 2013.

Veja aqui os dados divulgados pela Abraciclo

“Esperávamos que a média diária de emplacamentos voltasse ao nível registrado no início do ano (cerca de 6 mil unidades) depois da Copa, mas isso não ocorreu”, afirma o presidente da Abraciclo, Marcos Fermanian. A média diária caiu para 5,2 mil em junho e permaneceu abaixo de 5,5 mil nos três meses seguintes.

A região em que ocorreu o maior recuo em emplacamentos no acumulado do ano foi o Sul do País (9,9%). “Acreditamos que as questões climáticas (frio e chuvas excessivas) tiveram peso importante nesse caso”, diz Fermanian. O segundo pior desempenho ocorreu no Nordeste, com 7,3% de recuo no acumulado até setembro ante igual período de 2013.

As vendas no atacado (das fábricas aos concessionários) totalizaram até o nono mês 1,07 milhão de motocicletas, recuo de 10,7% ante o mesmo período do ano passado. Em unidades, a perda de 128,4 mil vendas equivaleu a um mês a menos nos nove decorridos. Com a nova projeção, a Abraciclo estima 1,46 milhão de unidades repassadas à rede e queda de 5,5%.

A produção de motos em Manaus de janeiro a setembro somou de janeiro a setembro 1,16 milhão de unidades, recuo de 8% ante os mesmos meses do ano anterior. Com a revisão das projeções, a Abraciclo acredita em 1,55 milhão de motos montadas até o fim do ano, um recuo de 4,6% em relação a 2013.

As exportações de janeiro a setembro somaram 71,5 mil unidades, queda de 6,4% em relação aos mesmos meses de 2013. A revisão também atingiu as exportações, mas neste caso para cima em virtude da revisão de negociações com a Argentina, principal comprador das motos brasileiras. Em vez do embarque de 75 mil unidades até o fim do ano a associação prevê agora 90 mil, o que ainda assim resultará em queda de 14,3% ante 2013.

SCOOTER E ALTA CILINDRADA GANHAM ESPAÇO

Seja pelo aumento da procura, seja por lançamentos importantes, os scooters e as motos com cilindrada acima de 450 centímetros cúbicos ganharam espaço. No primeiro caso, as unidades emplacadas até setembro avançaram 35,4% ante igual período de 2013. Parte desse acréscimo se deve ao Honda PCX 150, que chegou à rede em maio de 2013 e tornou-se em pouco tempo o mais vendido.

As motos acima de 450 cc tiveram acréscimo de 9,8% explicado em boa parte por três lançamentos da linha Honda 500 desde o fim de 2013. “Com mais alguns anos o Brasil estará entre os quatro ou cinco maiores mercados nessa faixa de cilindrada”, diz o presidente da Abraciclo.



Tags: Motos, motocicletas, Abraciclo, Marcos Fermanian, emplacamentos, atacado, produção, Manaus, Honda.

Comentários

Conte-nos o que pensa e deixe seu comentário abaixo Os comentários serão publicados após análise. Este espaço é destinado aos comentários de leitores sobre reportagens e artigos publicados no Portal Automotive Business. Não é o fórum adequado para o esclarecimento de dúvidas técnicas ou comerciais. Não são aceitos textos que contenham ofensas ou palavras chulas. Também serão excluídos currículos, pedidos de emprego ou comentários que configurem ações comerciais ou publicitárias, incluindo números de telefone ou outras formas de contato.

Veja também

ABTV

AB Inteligência