Automotive Business
Siga-nos em:
AB Inteligência

Notícias

Ver todas as notícias

Negócios | 26/09/2014 | 18h50

Iveco produz centésimo Guarani no Brasil

Viatura desenvolvida para as Forças Armadas é montada em Sete Lagoas

REDAÇÃO AB

A Iveco entregou na sexta-feira, 26, a viatura Guarani número cem para o Exército Brasileiro. Produzida na unidade de Sete Lagoas (MG) desde junho de 2013, o projeto do veículo nasceu em 2007 e seu desenvolvimento foi conduzido pela equipe brasileira de engenheiros da marca em conjunto com as Forças Armadas para substituir os blindados Urutu e Cascavel.

“A parceria entre a Iveco e o Exército posicionou o País novamente como um produtor de alta tecnologia nesse segmento”, afirma Giovanni D’Ambrosio, diretor de Pesquisa e Desenvolvimento da divisão de Veículos de Defesa da Iveco na América Latina. O executivo acrescenta que o veículo tem despertado o interesse comercial de outros países, principalmente os localizados na própria América do Sul e os da África.

Com capacidade para transportar até onze pessoas, o Guarani tem 18 toneladas, possui tração 6X6, pode chegar a 110 quilômetros por hora e tem função anfíbia (pode mergulhar em terrenos aquosos). Traz sistema automático de detecção e extinção de incêndio e baixas assinaturas térmica e radar. A plataforma do blindado pode ser usada como base para o desenvolvimento e a produção de uma família de blindados em diferentes versões, entre as quais viaturas de reconhecimento, socorro, posto de comando, porta morteiro e ambulância.

A divisão de Veículos de Defesa da Iveco opera há pelo menos 75 anos na Europa e a fábrica brasileira é a primeira fora do Velho Continente (leia aqui).



Tags: Iveco, Guarani, blindado, viatura, Exército, Forças Armadas.

Comentários

Conte-nos o que pensa e deixe seu comentário abaixo Os comentários serão publicados após análise. Este espaço é destinado aos comentários de leitores sobre reportagens e artigos publicados no Portal Automotive Business. Não é o fórum adequado para o esclarecimento de dúvidas técnicas ou comerciais. Não são aceitos textos que contenham ofensas ou palavras chulas. Também serão excluídos currículos, pedidos de emprego ou comentários que configurem ações comerciais ou publicitárias, incluindo números de telefone ou outras formas de contato.

Veja também

AB Inteligência