Automotive Business
Siga-nos em:
AB Inteligência

Notícias

Ver todas as notícias

Autopeças | 02/09/2014 | 18h53

Bosch confessa ao Cade formação de cartel

Prática refere-se ao fornecimento de velas entre 2000 e 2013

MÁRIO CURCIO, AB

A fabricante de autopeças Bosch fechou acordo de leniência com o Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade), órgão antitruste do governo federal, e confessou a prática de cartel no Brasil entre os anos de 2000 e 2013. Segundo o Cade, a Bosch tem colaborado com as investigações de suposto cartel no mercado de velas de ignição e a apuração dos fatos está em curso na superintendência geral do órgão.

De acordo com reportagem do jornal O Estado de S. Paulo, o pacto foi firmado no fim de julho pelas empresas Robert Bosch GmbH (Alemanha) e Robert Bosch Ltda. (Brasil), que teriam citado como suposta participante na formação de preços a NGK do Brasil.

Em autodenúncia, a Bosch revelou que as tratativas que levaram à formação de ajustes anticompetitivos ocorriam por telefone, e-mails, jantares e reuniões. Ainda segundo o Estadão, tanto a Bosch como executivos e funcionários admitiram o cartel para formação de preços, principalmente no fornecimento de velas de ignição.

Em 2014, a partir da “adoção de uma nova política interna e externa empresarial”, a multinacional alemã teria decidido denunciar a prática desleal de mercado. O Ministério Público Federal e o Ministério Público de São Paulo subscreveram o acordo e já estão investigando a atuação do cartel.

Conforme a apuração da reportagem, ainda não há uma estimativa sobre valores auferidos pelo cartel. Os investigadores destacam que a Bosch e a NGK seriam os únicos fabricantes de velas de ignição no País. Eles observam que, no período dos fatos, as empresas mantinham “condutas anticompetitivas, consistentes na fixação e aumento de preços e condições comerciais uniformes para fabricantes de equipamento original, para o mercado de reposição independente e para certas montadoras de automóveis, alocação de clientes, divisão de mercados entre concorrentes e compartilhamento de informações comerciais sensíveis".

A Bosch teria admitido também “combinação de estratégias de produtividade parelhada e aumentos futuros de preços como forma de evitar quedas em suas participações de mercado”. O acordo de leniência destaca que essas condutas teriam afetado o mercado nacional, em especial montadoras aqui instaladas. A Bosch informou “não ter comentários” sobre o assunto, mas que estaria “cooperando integralmente com o Cade”. A NGK do Brasil respondeu não ser possível comentar o acordo firmado entre a Bosch e o Cade por “desconhecer o documento”. A companhia disse, porém, repudiar a prática de ilícitos. “A empresa (NGK) possui 55 anos de atuação no Brasil, com mais de 1.250 funcionários, e sempre respeitou todas as leis do País”, informou, em nota.



Tags: Cade, Bosch, NGK, cerâmica, velas de ignição, Robert Bosch Ltda..

Comentários

  • Persival Zuquetto

    Só não sabe da formação de cartel o povo e os políticos por interesses que todos sabemos, eu como profissional especializado em motores comprava um jogo de vela por R$ 40,00 de repente passei a pagar R$ 80,00, ou mais, as lojas alegam suba dos fornecedores oque é verdade. Quando que o nosso coitado povo mal informado vai entender porque os alemães e europeus são tão ricos, é simples. Existem no Brasil cerca de 60.000.000 de veículos com motor ciclo Oto, se cada um trocar um jogo de vela por ano a R$40,00 são R$ 2.400.000.000,00. Com o preço a R$80,00 o faturamento passa para R$ 4.800.000.000,00, e agora entra o envio dos Royalty (significa que pertence ao Rei) para as matrizes, portanto quem sustenta a riqueza deles, os famintos do terceiro mundo. Se o povo não pesquisa não desenvolve tecnologias próprias tem que pagar se quer ter.

Conte-nos o que pensa e deixe seu comentário abaixo Os comentários serão publicados após análise. Este espaço é destinado aos comentários de leitores sobre reportagens e artigos publicados no Portal Automotive Business. Não é o fórum adequado para o esclarecimento de dúvidas técnicas ou comerciais. Não são aceitos textos que contenham ofensas ou palavras chulas. Também serão excluídos currículos, pedidos de emprego ou comentários que configurem ações comerciais ou publicitárias, incluindo números de telefone ou outras formas de contato.

Veja também

AB Inteligência