Automotive Business
Siga-nos em:
AB Inteligência

Notícias

Ver todas as notícias

Importadores | 29/08/2014 | 22h00

Fábrica no México poderá ajudar Kia a vender mais no Brasil

Grupo Gandini espera poder trazer mais carros sem pagar imposto de importação

PEDRO KUTNEY, AB

De olho na possibilidade de poder voltar a aumentar as vendas no mercado brasileiro, José Luiz Gandini, presidente da Kia Motors Brasil, recebeu com grande esperança a notícia de que a montadora coreana investirá US$ 1 bilhão para construir uma planta de produção no México(leia aqui). “Essa fábrica poderá nos ajudar muito aqui”, disse o executivo, que nos últimos dois anos viu os volumes da marca que representa caírem a menos da metade do que era vendido em 2011.

Após a adoção da sobretaxação a veículos importados, a partir de 2012, com majoração de 30 ponto porcentuais sobre a alíquota de IPI, as vendas da Kia no Brasil entraram em queda livre. Foram 77 mil unidades em 2011 (antes da sobretaxa), contra 41 mil em 2012 e 29 mil em 2013.

A esperança agora, segundo Gandini, é poder aproveitar o acordo de livre comércio de automóveis que o Brasil mantém com o México, que isenta os produtos do pagamento do imposto de importação de 35%. Contudo, diante do significativo amento das importações de veículos mexicanos, desde 2012 o governo brasileiro impôs um regime de cotas aos importadores. “Não sei ainda como a Kia poderia participar disso, mas se nada mudar as cotas terminam em 19 de março do ano que vem e o comércio entre os dois países voltaria ao normal”, lembra.

Seja como for, a fábrica mexicana da Kia só começará a produzir a partir de 2016, com prioridade para abastecer o mercado norte-americano. “Não nos informaram quais carro serão feitos no México, mas li que são Cerato e o Sportage. São dois modelos que poderiam vir de lá com bom volume de vendas aqui”, sugere Gandini.

A regulamentação do Inovar-Auto, em 2012, que prevê uma cota máxima de 4,8 mil veículos importados por ano para cada importador, não ajudou a Kia no Brasil. “É muito pouco para nós que tínhamos 150 concessionárias e média de vendas de 51 mil unidades/ano. E para ter a cota precisávamos fazer a habilitação no Inovar-Auto, com obrigações que não podíamos cumprir”, acrescenta. Por isso, segundo Gandini, só depois de a Kia apresentar garantias o seu grupo se habilitou ao regime e passou a usar a cota de importação somente este ano.



Tags: Kia, México, Gandini, mercado, importação.

Comentários

Conte-nos o que pensa e deixe seu comentário abaixo Os comentários serão publicados após análise. Este espaço é destinado aos comentários de leitores sobre reportagens e artigos publicados no Portal Automotive Business. Não é o fórum adequado para o esclarecimento de dúvidas técnicas ou comerciais. Não são aceitos textos que contenham ofensas ou palavras chulas. Também serão excluídos currículos, pedidos de emprego ou comentários que configurem ações comerciais ou publicitárias, incluindo números de telefone ou outras formas de contato.

Veja também

ABTV

AB Inteligência