Automotive Business
  
ABLive

Notícias

Ver todas as notícias

Mercado | 07/07/2014 | 19h54

Anfavea reforça peso de carga tributária em veículos no Brasil

Entidade fará seminário sobre como impostos incidem no preço dos carros

SUELI REIS, AB

A Anfavea volta a bater na tecla da carga tributária e anuncia que apresentará um estudo detalhado de como os impostos brasileiros incidem sobre o preço dos veículos para o consumidor. Segundo o presidente da associação, Luiz Moan, a entidade prepara um seminário para tratar exclusivamente do assunto, mas não disse quando pretende realizá-lo.

Há uma semana, no dia 30, em seu último encontro com o ministro da Fazenda, Guido Mantega, Moan comentou que “durante a reunião, deixamos claro ao ministro que a carga tributária para a indústria é bastante alta e que ela dificulta o desempenho do setor”. Por outro lado, em tempos de crise, quando procurado por representantes da indústria automotiva - como foi o caso da última semana -, era justamente a alíquota de um imposto, o IPI, que o governo alterava para reduzir ou manter o preço e assim atrair compradores (leia aqui).

Durante o encontro mensal com a imprensa, realizado na segunda-feira, 7, em São Paulo, o executivo admitiu: “Se o IPI tivesse aumentado, neste ano, a queda [das vendas] seria de quase 10%”, disse Moan (leia aqui). Com o argumento da carga tributária elevada no País, o executivo apresentou uma prévia do conteúdo do seminário sobre tributação.

De acordo com os dados, a entidade calcula que a participação dos impostos no preço de um veículo repassado ao consumidor é de 28,1%, para modelos entre 1.0 a 2.0 flex, faixa que corresponde a 59,2% das vendas atuais.

Neste novo cálculo, a Anfavea considera apenas as alíquotas do IPI, PIS/Cofins e ICMS. As participações dos impostos variam de acordo com a motorização dos modelos: o preço final de um veículo 1.0 é constituído de 24% de imposto; para os modelos acima de 2.0 (flex) os impostos chegam a 33,3% (um terço) e 36,8% para aqueles movidos apenas a gasolina.

Ainda de acordo com a Anfavea, dados preliminares de 2013 apontam que o setor automotivo foi responsável pela arrecadação de R$ 178,5 bilhões em impostos, dos quais R$ 56,6 bilhões foram obtidos em custos de produção e R$ 121,9 bilhões no pós-produção. Foram considerados oito tributos diferentes, entre ICMS, IPI, PIS/Cofins, IOF, IPVA, DPVAT além dos impostos pagos sobre o combustível. As alíquotas são cobradas ao longo da cadeia produtiva, desde sub-fornecedores, fornecedores, passando pelas montadoras, comércio (concessionárias) e na utilização final pelo consumidor, na manutenção do carro.

“Este total equivale a 12% da arrecadação total dos tributos considerados. Se o setor automotivo fosse um estado, com este valor seríamos o sexto maior PIB estadual do Brasil em 2011, o nono maior PIB da América Latina em 2013 e o 65º maior PIB do mundo naquele mesmo ano”, disse Moan.

- Veja aqui as estatísticas sobre tributação da Anfavea (nas páginas finais do arquivo).



Tags: Anfavea, imposto, IPI, tributação, carga tributária.

Comentários

Conte-nos o que pensa e deixe seu comentário abaixo Os comentários serão publicados após análise. Este espaço é destinado aos comentários de leitores sobre reportagens e artigos publicados no Portal Automotive Business. Não é o fórum adequado para o esclarecimento de dúvidas técnicas ou comerciais. Não são aceitos textos que contenham ofensas ou palavras chulas. Também serão excluídos currículos, pedidos de emprego ou comentários que configurem ações comerciais ou publicitárias, incluindo números de telefone ou outras formas de contato.

Veja também

ABTV

AB Inteligência