Automotive Business
Siga-nos em:
AB Inteligência

Notícias

Ver todas as notícias

Mercado | 02/07/2014 | 16h45

Renault e Nissan economizam € 2,9 bilhões em 2013

Sinergias foram concentradas nas áreas de compras, mecânica e engenharia

REDAÇÃO AB

Em 2013, a Aliança Renault-Nissan economizou recordes € 2,9 bilhões em sinergias (reduções de custos, gastos evitados e ganhos adicionais) geradas principalmente pelas áreas de compras, mecânica e engenharia. Em comunicado divulgado na terça-feira, 2, a companhia relata que a Organização de Compras Renault-Nissan (RNPO, na sigla em inglês) concentrou a maior parte, de € 1,03 bilhão, enquanto o departamento de engenharia de veículo, que diz respeito às plataformas e componentes comuns, contribuiu com € 714 milhões. Já o desenvolvimento conjuntos e compartilhamento de sistemas mecânicos geraram € 525 milhões.

O relatório destaca ainda que são consideradas apenas as novas sinergias e não o conjunto de economias geradas desde o início da colaboração, que em março deste ano completou 15 anos (leia aqui).

Entre as principais ações de sinergia desenvolvidas pelas duas companhias, estão a arquitetura modular CMF (Common Module Family) que permite a produção de uma gama de veículos com peças e componentes comuns em três segmentos: CMF-A para compactos, CMF-B para veículos intermediários e CMF-C/D para veículos maiores. Dentro desta estratégia, a Nissan iniciou em 2013 as vendas de seus primeiros veículos baseados na plataforma CMF C/D: Rogue, nos Estados Unidos, e o X-Trail no Japão, e neste ano, o Qashqai, lançado em fevereiro. No caso da Renault, o primeiro modelo da plataforma CMF C/D será o sucessor do Espace, cujo lançamento está marcado para 2015.

“O desenvolvimento dos veículos CMF se traduz em um aumento de sinergias em todos os setores da nossa atividade, como compras, engenharia ou mecânica. No futuro, a arquitetura CMF deve confirmar seu papel de força motriz em matéria de sinergias, já que responderá por 70% de nossos veículos até 2020”, explica Christian Mardrus, diretor da Renault-Nissan BV e diretor na presidência da aliança.

A Aliança destaca outras fontes de sinergias dedicadas a mercados emergentes, com o uso de fábricas em comum por Renault e Nissan, como ocorre na Índia, Rússia (com a AvtoVaz) e no Brasil.

A criação de diretorias comuns entre Renault e Nissan em 1º de abril deste ano para quatro áreas – engenharia, fabricação e logística, compras e RH – deve gerar sinergias de pelo menos € 4,3 bilhões até 2016 (leia aqui) contra € 1,5 bilhão em 2009, data na qual a companhia começou a registrar sinergias mais significativas.



Tags: Renault, Nissan, sinergias, compras, engenharia.

Comentários

Conte-nos o que pensa e deixe seu comentário abaixo Os comentários serão publicados após análise. Este espaço é destinado aos comentários de leitores sobre reportagens e artigos publicados no Portal Automotive Business. Não é o fórum adequado para o esclarecimento de dúvidas técnicas ou comerciais. Não são aceitos textos que contenham ofensas ou palavras chulas. Também serão excluídos currículos, pedidos de emprego ou comentários que configurem ações comerciais ou publicitárias, incluindo números de telefone ou outras formas de contato.

Veja também

ABTV

AB Inteligência