Automotive Business
Siga-nos em:
AB Inteligência

Notícias

Ver todas as notícias
30 mil carretas saem todos os meses de MS
Pátio da Lontano: 27 caminhões parados por falta de motoristas (foto: Mário Curcio)

Transportes | 26/05/2014 | 16h40

30 mil carretas saem todos os meses de MS

Empresas do Estado comprarão entre 5 mil e 6 mil extrapesados em 2014

MÁRIO CURCIO, AB | De Campo Grande (MS)

Segundo estimativa do Sindicato das Empresas de Transporte de Cargas e Logística de Mato Grosso do Sul (Setlog MS), a cada mês partem do Estado 23 mil carretas transportando soja ou milho para os portos de Santos (SP) e Paranaguá (PR). O número sobe para 30 mil caminhões com a soma de açúcar e cana. Em 2014, também segundo o Setlog MS, os transportadores daquele Estado devem comprar entre 5 mil e 6 mil caminhões extrapesados (veja aqui).

Para falar sobre alguns aspectos do transporte de carga daquele Estado, Automotive Business entrevistou Airton Dall’Agnol, diretor-geral da Lontano. “Para este semestre não poderei renovar parte da frota por causa do destino dos usados. Preciso vender 47 caminhões e não consigo. As pequenas empresas e os autônomos pagam juros altos pelos usados (entre 1,3% e 1,4%, segundo especialistas) e não podem usar o Finame para caminhões de 2008 ou mais antigos”, recorda Dall’Agnol, que precisa repassar ao mercado alguns de seus caminhões fabricados entre 2004 e 2007.

A Lontano planeja aumentar a frota entre 2015 e 2018 em 50 novos caminhões a cada ano. “Esse número é só de ampliação anual, sem mencionar as substituições”, diz o diretor-geral da companhia, cuja frota estaria em aproximadamente 300 veículos.

Transportadora Lontano
Lontano ocupa área de 45 mil m² em Campo Grande (MS), onde emprega cerca de 50 funcionários na área administrativa. Dificuldade de vender caminhões usados e a falta de motoristas qualificados são parte do dia a dia de Airton Dall’Agnol, diretor-geral da companhia (fotos: Mário Curcio).

A dificuldade de conseguir mão de obra capacitada também afeta a companhia. “Tenho 27 caminhões parados por falta de motorista (...) Estamos colocando ar-condicionado e geladeira nos bitrens. Se o caminhão não estiver bom o motorista vai embora para o concorrente”, diz Dall’Agnol.

O ganho líquido dos motoristas da região estaria entre R$ 2 mil e R$ 4 mil segundo Dall’Agnol, que gostaria que o governo federal fornecesse capacitação aos condutores por causa da segurança e também porque a eletrônica embarcada é cada vez mais presente nos caminhões. Também pleiteia empenho maior das montadoras: “Acredito que elas têm de se preocupar em fazer melhor”, diz, usando como exemplo a simplicidade das entregas técnicas quando vende um veículo.

Segundo Airton, a Lontano prefere levar as carretas de soja para o porto de Paranaguá. Citou a dificuldade de coordenar os agendamentos de descarga no porto de Santos. Quando se olha o pátio de um posto de combustível em Mato Grosso do Sul, é difícil encontrar no meio de um mar de caminhões algum que não puxe uma carreta graneleira, mas nem só de soja e milho vivem essas transportadoras.

“A soja está entre 60% e 70% do que transportamos. Também levamos milho e açúcar para os portos e fertilizantes para Mato Grosso, Minas Gerais e Goiás. E trazemos gesso agrícola, empregado para aprofundar as raízes da planta”, explica.



Tags: Setlog, Mato Grosso do Sul, Paranaguá, porto de Santos, Airton Dall’Agnol, Lontano, soja, graneleiro.

Comentários

Conte-nos o que pensa e deixe seu comentário abaixo Os comentários serão publicados após análise. Este espaço é destinado aos comentários de leitores sobre reportagens e artigos publicados no Portal Automotive Business. Não é o fórum adequado para o esclarecimento de dúvidas técnicas ou comerciais. Não são aceitos textos que contenham ofensas ou palavras chulas. Também serão excluídos currículos, pedidos de emprego ou comentários que configurem ações comerciais ou publicitárias, incluindo números de telefone ou outras formas de contato.

Veja também

ABTV

AB Inteligência