Automotive Business
Siga-nos em:
AB Inteligência

Notícias

Ver todas as notícias

Balanço | 08/05/2014 | 17h58

Locadoras faturaram R$ 6,52 bilhões em 2013

Empresas compraram 8,35% dos veículos leves vendidos no País

REDAÇÃO AB

As locadoras de automóveis compraram 8,35% dos automóveis e comerciais leves vendidos no Brasil em 2013. O porcentual equivale a quase 300 mil unidades. Durante o ano passado, as empresas dedicadas ao aluguel de veículos faturaram no País R$ 6,52 bilhões, o que resultou em crescimento de 4,73% sobre 2012. Os números fazem parte do anuário publicado pela Associação Brasileira das Locadoras de Automóveis (Abla).

“Crescemos o dobro do PIB”, afirma Paulo Gaba Júnior, diretor de relações institucionais da entidade. A frota das companhias de aluguel aumentou 8,24% de 2012 para 2013, atingindo 529,9 mil unidades.

A idade média dos veículos recuou pouco no período, de 18 para 17,5 meses. “O ideal seriam 13 a 14 meses, mas falta crédito tanto para compra dos carros novos como no momento da revenda dos usados”, diz Gaba Jr.

Durante a apresentação dos números, o executivo abordou alguns fatos que afetam a rentabilidade das locadoras: “A obrigatoriedade de airbags e freios com ABS elevou os preços dos automóveis, mas não podemos repassar esses valores. E o aumento da oferta de modelos e de fabricantes locais nos obriga a aumentar a variedade de modelos disponíveis para locação.” Os números mostram, contudo, que de 2012 para 2013 a participação de modelos de luxo recuou de 10% para 6%, enquanto a dos carros 1.0 subiu de 53% para 58%.

Dados

Entre as tendências observadas em locadoras no restante do mundo, Gaba Jr. diz que o Brasil vem acompanhando o aumento da demanda por utilitários esportivos pequenos, station wagons e por modelos com câmbio automático. Ele lamenta a falta de políticas que favoreçam o uso de modelos híbridos ou elétricos, comuns em locadoras no exterior.

LOCADORAS VERSUS COPA: 0X0

Sobre o torneio mundial de futebol, o diretor da Abla diz: “A gente cresce porque o Brasil cresce. Nosso setor não vive de grandes eventos”, diz Paulo Gaba Júnior. “A Copa tem efeitos positivos e negativos e um acaba anulando o outro. Se por um lado ela beneficia as locações específicas, também prejudica aquelas do turismo de negócios (...) Vários outros eventos deixam de ocorrer nesse período. O que fica de legado para o setor é a experiência receptiva. Todo o mundo melhorou suas locadoras e treinou funcionários”, recorda.

PERFIL DO NEGÓCIO

A Terceirização de frotas continua ganhando espaço entre as locadoras. Em 2013, a modalidade subiu um ponto porcentual em relação ao ano anterior e deteve 58% de participação nos negócios. Esse pontinho foi roubado do turismo de negócios, que caiu de 24% para 23%. O turismo de lazer manteve estáveis 19%.

Em 2013, as empresas associadas à Abla passaram a 2.596 unidades, crescimento de 17,1% sobre o ano anterior. Os empregos do setor evoluíram de 293,7 mil para 309 mil de 2012 para 1013, acréscimo de 5,2%. Ainda de acordo com a Abla, a contribuição com impostos passou nesse período de R$ 2,05 bilhões para R$ 2,15 bilhões, alta de 4,9%.



Tags: Locadoras, automóveis, Abla, Paulo Gaba Júnior, frota, PIB, ABS, airbags, câmbio automático, station wagons, utilitários esportivos, Copa do Mundo.

Comentários

Conte-nos o que pensa e deixe seu comentário abaixo Os comentários serão publicados após análise. Este espaço é destinado aos comentários de leitores sobre reportagens e artigos publicados no Portal Automotive Business. Não é o fórum adequado para o esclarecimento de dúvidas técnicas ou comerciais. Não são aceitos textos que contenham ofensas ou palavras chulas. Também serão excluídos currículos, pedidos de emprego ou comentários que configurem ações comerciais ou publicitárias, incluindo números de telefone ou outras formas de contato.

Veja também

AB Inteligência