Automotive Business
Siga-nos em:
AB Inteligência

Notícias

Ver todas as notícias
Otimismo contido no setor de caminhões
Da esq. para dir.: Alcides Cavalcanti (Iveco), Bernardo Fedalto (Volvo), Eronildo Santos (Scania), Gilson Mansur (Mercedes), Guy Rodrigues (Ford) e Ricardo Alouche (MAN L.A.) (foto: Ruy Hizatugu)

Comerciais | 28/04/2014 | 15h00

Otimismo contido no setor de caminhões

Resultados ruins do primeiro trimestre vão afetar o setor em 2014

LEANDRO ALVES, PARA AB

No primeiro trimestre de 2014, as vendas de caminhões recuaram 11% ante igual período do ano passado. O vilão nesse processo, segundo os convidados do painel “Pesos-Pesados - Crescimento com Concorrência Extra”, foi a demora na adequação das condições do Finame PSI, que travou os negócios.

No entanto, a expectativa dos principais fabricantes de caminhões é uma reviravolta, que já estaria ocorrendo em abril. Durante o V Fórum da Indústria Automobilística, realizado na segunda-feira, 28, por Automotive Business, no Golden Hall do WTC, em São Paulo, Iveco, Mercedes-Benz, Ford, Volvo, Scania e MAN divergiram no tamanho do mercado em 2014, mas foram unânimes ao destacar o desempenho que sinaliza recuperação nas vendas a partir de abril.

“O Finame simplificado trouxe nova cadência na aprovação dos negócios em abril, o que sinaliza uma retomada do mercado este mês”, afirmou Ricardo Alouche, vice-presidente de vendas, marketing e pós-vendas da MAN Latin America.

Diante da evolução das vendas, as projeções para o ano variaram bastante, refletindo otimismo um tanto reservado, pois com Copa do Mundo e eleições no calendário, tudo poderá acontecer até dezembro. A Mercedes-Benz está alinhada com a consultoria Carcon Automotive, que durante o painel apresentou a perspectiva de 140 mil caminhões negociados em 2014.

“O início do ano prejudicou o desempenho de vendas. Mas agora, com a redução de 15 a 20 dias para aprovação do Finame simplificado, os negócios já retomaram o ritmo do ano passado. Assim, acredito em 140 mil unidades negociadas até o fim do ano”, calcula Gilson Mansur, diretor de vendas em marketing de caminhões da Mercedes-Benz.

O calendário de 2014 influencia a projeção do diretor comercial da Iveco América Latina , Alcides Cavalcanti: “É um ano de incertezas na política e economia que vai influenciar no desempenho do setor. Esperamos um mercado de 142 mil a 145 mil unidades em 2014.”

Para a Ford, apesar do primeiro trimestre com queda nas vendas, o mercado vai registrar recuperação que irá equiparar o volume a 2013: “Prefiro manter o otimismo. E a sinalização de recuperação das vendas em abril mostra um mercado de 145 mil a 150 mil unidades este ano”, pondera Guy Rodriguez, diretor de operações da Ford Caminhões.

Já Scania e Volvo, que cresceram bastante em 2013 por causa do aquecimento das vendas de extrapesados trazido pela safra recorde de grãos, mantêm o foco no segmento e acreditam que, mesmo com queda nos negócios, o mercado continuará atraente. Para Bernardo Fedalto, diretor de vendas da Volvo, há um ambiente de negócios interessante no Brasil, mesmo com um possível encolhimento do mercado em 2014: “O ano começou mais imprevisível do que imaginávamos. Por isso esperamos uma queda de 12% nos segmentos de pesados e extrapesados. É uma queda significativa, porém trata-se de um mercado razoável para todos os competidores.”

Na Scania, Eronildo Santos, diretor de vendas, afirma que o foco é a manutenção dos resultados: “Viemos de uma situação positiva em 2013, com a liderança e 32% de share nos extrapesados e uma participação histórica nos semipesados. Trabalhamos para manter esses números, por isso acreditamos numa retração de 5% no mercado total em 2014.”

GARGALOS, ENTRAVES E OPORTUNIDADES

No cafezinho, momento de mais descontração após o painel, os executivos fizeram coro ao apontar o que pode ser o principal gargalo do segmento de caminhões no Brasil: na ponta da cadeia, a falta de motoristas e de mecânicos pode travar o mercado, pois caminhão não se movimenta sozinho, tampouco se autoconserta.

“Estamos preocupados com a baixa oferta de motoristas, pois são eles que utilizam nossos produtos. Sem mão de obra não teremos vendas de novos caminhões”, explica Gilson Mansur, da Mercedes-Benz. “Na rede falta mecânico especializado, o que prejudica a programação de manutenção dos nossos clientes. E no mercado, a escassez de motoristas preocupa não só os transportadores, mas também os fabricantes. Temos de discutir mais esse assunto”, afirma Eronildo Santos, da Scania.

Outro fator de preocupação é o volume de carga transportada, “que não acompanha o desempenho registrado em 2013”, segundo Alcides Cavalvanti, da Iveco. “O volume de carga transportada ainda é baixo este ano. Esperamos uma recuperação desses negócios, como está ocorrendo com as vendas em abril”, sinaliza Ricardo Alouche, da MAN.

Por outro lado, a redução dos negócios no primeiro trimestre e o consequente aumento do estoque tanto na fabricante quanto na rede de vendas não alterou, por enquanto, as estratégias de produção para este ano. Os seis representantes das empresas chegaram novamente a conclusões semelhantes durante o painel.

Não há plano de reduzir o efetivo no chão de fábrica. Pelo menos, por enquanto. “Vamos crescer a participação, independentemente do resultado do mercado, com novos produtos. Portanto, não há razão para pensar em redução da produção”, afirma Guy Rodriguez, da Ford.

“Adequamos nossa produção à demanda. Por isso, um estoque de 40 dias da indústria é razoável, já que o normal é um volume de 30 a 60 dias”, explica Ricardo Alouche, da MAN. Um ponto destacado durante o painel foi a chegada de novos fabricantes de caminhões ao Brasil.

“É uma realidade para todos os mercados, porém até agora nenhum desses novos players mostrou a cara. Mas já fizeram bastante barulho”, brincou Gilson Mansur, que também aproveitou para reafirmar a importância da elevada competição no segmento de caminhões: “Faz com que tenhamos de correr ainda mais atrás dos nossos clientes e procurar sempre oferecer o melhor produto, o melhor negócio.”

No que se refere às oportunidades, a renovação de frota voltou com força. Mas continua faltando sinalização convincente do governo de que haverá algum mecanismo de apoio à renovação. “O problema da renovação é do profissional autônomo, que não encontra crédito para trocar de caminhão. Um fundo garantidor bancado pelo governo pode ser uma alternativa para esse profissional”, resume Mansur, da Mercedes-Benz.

Atualmente, a idade média da frota de caminhões no Brasil é de nove anos e dois meses, de acordo com dados da Anfir, Associação Nacional dos Fabricantes de Implementos Rodoviários.

Assista às entrevistas exclusivas da Automotive Business durante o V Fórum da Indústria Automobilística aqui .



Tags: Caminhões, Alcides Cavalcanti, Iveco, Bernardo Fedalto, Volvo, Eronildo Santos, Scania, Gilson Mansur, Mercedes-Benz, Guy Rodriguez, Ford, Ricardo Alouche, MAN Latin America.

Comentários

Conte-nos o que pensa e deixe seu comentário abaixo Os comentários serão publicados após análise. Este espaço é destinado aos comentários de leitores sobre reportagens e artigos publicados no Portal Automotive Business. Não é o fórum adequado para o esclarecimento de dúvidas técnicas ou comerciais. Não são aceitos textos que contenham ofensas ou palavras chulas. Também serão excluídos currículos, pedidos de emprego ou comentários que configurem ações comerciais ou publicitárias, incluindo números de telefone ou outras formas de contato.

Veja também

AB Inteligência