Automotive Business
Siga-nos em:
AB Inteligência

Notícias

Ver todas as notícias
Teksid investe R$ 250 milhões no alumínio
Rogério Silva Junior, superintendente da Teksid para o Nafta e Mercosul, projeta explosão na demanda de motores de alumínio

Powertrain | 26/03/2014 | 18h45

Teksid investe R$ 250 milhões no alumínio

Em quatro anos demanda desses blocos somará 2,5 milhões/ano

PAULO RICARDO BRAGA, AB

Atenta à revolução que marca um volume crescente de alumínio nos motores brasileiros para veículos leves, a Teksid, empresa do Grupo Fiat, investe R$ 250 milhões na expansão da fundição e usinagem do metal nas suas instalações em Betim (MG). A empresa já fez aporte de R$ 100 milhões e aplicará outros R$ 150 milhões nos próximos oito meses para concretizar a primeira fase do programa de expansão até janeiro de 2015, quando os primeiros blocos de alumínio estarão disponíveis. A própria Fiat pode ser um dos primeiros clientes, pois segundo Automotive Business apurou junto ao mercado a montadora teria projeto para adotar propulsor de alumínio em resposta ao EA211 da VW e ao Fox da Ford.

O empreendimento da Teksid estará completo em 2016, quando a capacidade de transformação de alumínio na empresa passará das atuais 7 mil toneladas/ano (dedicada à produção de 800 mil cabeçotes/ano) para 24 mil toneladas/ano, metade para blocos e metade para 1,4 milhão de cabeçotes/ano. A área construída na divisão de alumínio crescerá dos atuais 9 mil m2 para 27 mil m2.

A atual corrida na área de powertrain, acelerada pelo Inovar-Auto no que diz respeito à eficiência energética e utilização de peças brasileiras, deve levar à produção local, nos próximos quatro anos, de 2,5 milhões de motores/ano com blocos e cabeçotes de alumínio. É uma evolução extraordinária, considerando que hoje a maioria dos propulsores utiliza bloco de ferro e cabeçote de alumínio, com poucas exceções, como os nacionais Ford Sigma 1.6, que equipam o New Fiesta e o Focus, além do Volkswagen EA211 1.0, atualmente aplicado no Up! e, em breve, em versão 1.6 no Gol Rally e Saveiro Cross.

Rogério Silva Junior, diretor superintendente da Teksid para o Nafta e Mercosul, admite que a adoção do alumínio, mais leve, implica em custo maior dos motores, mas reconhece que a tendência é irreversível. Pelas suas contas será preciso destinar 30 mil toneladas adicionais de alumínio secundário (reciclado) para atender a demanda de blocos. Por isso existem preocupações quanto à evolução do preço do insumo.

MERCADO

Silva Junior estima que o mercado de veículos leves em 2014 dificilmente repetirá o volume de vendas de 2013. No planejamento ele é cauteloso e trabalha até com uma queda de 5% na demanda de automóveis e comerciais leves este ano.

A unidade da Teksid em Betim possui capacidade para produzir 2,5 milhões de blocos de ferro para veículos leves por ano, o que corresponde a 110 mil toneladas de material. A empresa utiliza também 40 mil toneladas de ferro para fundir peças como coletores de escape, virabrequins, hastes de comando de válvulas e partes de suspensão e freios; outras 120 mil toneladas de ferro são destinadas à produção de componentes para o segmento diesel. A pré-usinagem de cabeçotes é feita em casa e a dos blocos por meio de companhias parceiras.

O executivo explica que mantém conversações com diversos fabricantes de veículos, tendo em vista o desenvolvimento dos projetos de powertrain – é o caso da PSA Peugeot Citroën e Chery, que investe em Jacareí (SP) US$ 130 milhões em uma unidade de motores 1.0 e 1.5 flex, por meio da sua divisão Acteco. Ele garante ainda não ter um cenário definitivo sobre uma eventual fábrica de propulsores da Fiat Chrysler em Goiana (PE), embora 75% da nova fábrica já esteja pronta.

A Teksid fornece para componentes de powertrain para Renault, Volkswagen, General Motors, Fiat e Ford. Na linha pesada, atende a International, Cummins, FPT, Volvo, Scania e Deutz. São exportados 5% dos blocos produzidos para automóveis e 65% dos fabricados para caminhões e ônibus.

Silva Junior comanda também a fundição da empresa no México, que produz para exportação blocos e cabeçotes para o segmento diesel. A unidade, com capacidade para 100 mil toneladas/ano, deve processar este ano 85 mil toneladas para atender encomendas do Nafta (70%) e Europa (30%).

Quanto aos novos motores de três cilindros da Ford produzidos em Camaçari (BA), sabe-se que os blocos de ferro serão fornecidos pela Tupy, maior concorrente da Teksid.



Tags: Teksid, Fiat, Inovar-Auto, Sigma, EA211, blocos de motor, fundição.

Comentários

  • EDUARDO

    trabalhamos no segmento de reciclagem, inclusive de aluminio. gostaria de receber mais materias sobre este assunto que esta muito bem elaborado e com bastante consistencia..

Conte-nos o que pensa e deixe seu comentário abaixo Os comentários serão publicados após análise. Este espaço é destinado aos comentários de leitores sobre reportagens e artigos publicados no Portal Automotive Business. Não é o fórum adequado para o esclarecimento de dúvidas técnicas ou comerciais. Não são aceitos textos que contenham ofensas ou palavras chulas. Também serão excluídos currículos, pedidos de emprego ou comentários que configurem ações comerciais ou publicitárias, incluindo números de telefone ou outras formas de contato.

Veja também

ABTV

AB Inteligência