Automotive Business
Siga-nos em:
AB Inteligência

Notícias

Ver todas as notícias

Negócios | 18/03/2014 | 17h42

Com Inovar-Auto, Cummins eleva nacionalização

Companhia aplicará US$ 14 milhões para produzir motores leves em Guarulhos

GIOVANNA RIATO, AB

A Cummins, fabricante independente de motores, busca oferecer produtos e componentes com maior conteúdo nacional. Segundo a organização, esta demanda é puxada pelas regras do Inovar-Auto. Com isso em vista, a companhia anuncia que produzirá na fábrica de Guarulhos (SP) o motor ISF nas versões 3.8 e 2.8 a partir do fim deste ano e de 2015, respectivamente.

Os propulsores já são vendidos no Brasil, mas chegam importados da China e recebem apenas os periféricos aqui. Eles equipam micro-ônibus e caminhões leves da Agrale e da MAN. A companhia acertou ainda a entrega destes motores à Mercedes-Benz para equipar os chassis LO815. “Já temos novos contratos de fornecimento fechados que ainda não podemos divulgar”, conta Luis Afonso Pasquotto, presidente da Cummins para a América do Sul. O projeto recebe investimento de US$ 14 milhões e o executivo garante que a meta de aumentar o conteúdo regional impulsionará novos aportes. “Além dos motores, queremos oferecer aos nossos clientes mais conteúdo nacional com nossos componentes, como turbos e sistemas de pós-tratamento”, explica.

Segundo Pasquotto, não só a fabricação local em si demanda investimentos, mas também os testes e homologações para o mercado local. Para dar conta disso a companhia aplicou US$ 8 milhões na construção de salas de testes para o desenvolvimento destes componentes. O aporte foi adicional aos US$ 50 milhões que a empresa está investindo na reforma do prédio que abriga a planta de Guarulhos (SP) e também aos US$ 90 milhões anunciados para a nova fábrica de Itatiba (SP), que será responsável pela produção de grupos geradores e por abrigar um centro de distribuição a partir de 2016.

Pasquotto avalia como positivo o fato de o Inovar-Auto incentivar a nacionalização, mas lembra que o Brasil ainda precisa resolver problemas antigos para garantir que a indústria local se torne competitiva. “O programa acelerou o processo e a busca por componentes nacionais, mas a nossa missão é garantir competitividade ao cliente. Temos de produzir aqui o componente que é importado com preço igual e nem sempre isso é possível”, admite. O vice-presidente conta que, antes do novo regime automotivo, o foco era sempre o menor custo e a nacionalização deixava de ser uma boa opção algumas vezes.

Assista à entrevista exclusiva com Luis Afonso Pasquotto, presidente da Cummins para a América do sul:



Tags: Cummins, motores, nacionalização.

Comentários

Conte-nos o que pensa e deixe seu comentário abaixo Os comentários serão publicados após análise. Este espaço é destinado aos comentários de leitores sobre reportagens e artigos publicados no Portal Automotive Business. Não é o fórum adequado para o esclarecimento de dúvidas técnicas ou comerciais. Não são aceitos textos que contenham ofensas ou palavras chulas. Também serão excluídos currículos, pedidos de emprego ou comentários que configurem ações comerciais ou publicitárias, incluindo números de telefone ou outras formas de contato.

Veja também

ABTV

AB Inteligência