Automotive Business
  
Siga-nos em:
AB Inteligência

Notícias

Ver todas as notícias
Volvo bate recorde de vendas e projeta mesmo nível para 2014
Volvo: linha VM teve avanço de 23,9% nas vendas.

Mercado | 11/02/2014 | 20h30

Volvo bate recorde de vendas e projeta mesmo nível para 2014

Linha de semipesados VM foi a que mais contribuiu para marca histórica

CAMILA FRANCO, AB

Ano fantástico. É com esta frase que Roger Alm, presidente do Grupo Volvo na América Latina, define 2013 para o setor de caminhões, em especial para Volvo. A empresa, que atua nos segmentos de semipesados e pesados (acima de 16 toneladas), viu seus emplacamentos baterem recorde de 20,7 mil unidades, volume 30,6% maior do que os 15,8 mil do ano anterior e superior também ao avanço do mercado, de 18,8% no período, para cerca de 105 mil unidades.

A participação da Volvo no mercado total de caminhões chegou a uma fatia de 13,41% no ano passado, com alta de 2% sobre 2012. Não à toa, a marca subiu pela primeira vez para o terceiro lugar entre as mais vendidas, desbancando a Ford, que ficou na quarta colocação.

Na visão de Bernardo Fedalto, diretor comercial de vendas e marketing de caminhões da Volvo, o sucesso da marca está diretamente ligado à estratégia de manter estáveis as vendas de pesados e aumentar a de semipesados, fórmula que também tem sido adotada pela concorrente Scania (leia aqui).

Considerando apenas seus atuais segmentos de atuação, semipesados e pesados, a Volvo alcançou 20% de market share, aumento de 1,8 ponto percentual ante os 18,2% anotados em 2012. “A cada cinco caminhões destas categorias vendidos no Brasil, um é Volvo”, comentou Fedalto durante reunião com jornalistas na terça-feira, 11.

A linha dos semipesados VM foi a maior responsável pela marca histórica de 2013, de acordo com o executivo. Cerca de 5,7 mil deles foram emplacados no ano passado, em crescimento de 23,9% na comparação anual. Diante deste resultado, a Volvo conseguiu aumentar sua participação neste segmento de 10,1% para 12%, nível inédito.

“Mesmo diante de uma economia com crescimento baixo, foi um ano excelente para os nossos negócios. A força da Volvo na América Latina e no Brasil está concentrada em oferecer novos produtos, contar com uma rede de distribuição sólida e ter cada vez mais capacidade de produção e atendimento”, afirmou o presidente Alm. Em 2013, o grupo inaugurou 90 concessionárias, 1,9 mil boxes de serviços e contratou 1,6 mil mecânicos. Para 2014, projeta abrir mais dez lojas.

O pós-vendas tem impacto forte nos negócios. Assim como a Scania, a Volvo também bate na tecla que, para ter rentabilidade, não basta apenas vender produtos, mas agrega-los a serviços financeiros e de manutenção. Nos últimos três anos, a aquisição de seu programa Ouro, o mais top de manutenção, cresceu 90%. Em 2000, 3% das vendas estavam associadas ao plano. Em 2013 este percentual subiu para 17%. De todos os 20,7 mil caminhões comercializados pela Volvo no ano passado, 90% foram financiados pelo Finame, do BNDES, e 61% tiveram algum plano de serviço agregado.

“A nossa perspectiva é de crescimento cada vez mais forte desta tendência”, aposta Fedalto, que não revela estimativas de vendas da Volvo em 2014, aguardando pelo mesmo volume do mercado total de caminhões. Atualmente, de acordo com os cálculos do grupo, mais de 100 mil caminhões Volvo circulam pelo Brasil, volume 80% maior do que os 56 mil que rodavam pelo País em 2009.

AMÉRICA LATINA

O Grupo Volvo vendeu 29,5 mil caminhões das marcas Volvo, Mack, Renault e UD na América Latina em 2013. O volume representa acréscimo de 25% sobre 2012. Na Argentina, foram emplacados 1,6 mil caminhões (Volvo e Renault), em alta de 7,8% na comparação anual. No Peru, onde a Volvo é líder no segmento de pesados, sua participação de mercado chegou a 20,1%. E no Chile, foram 1,5 mil emplacamentos de modelos Volvo, Mack e Renault, com um quarto de market share no mercado local.

De acordo com Sérgio Gomes, diretor de estratégia de caminhões, os emplacamentos da marca Volvo no mundo somaram 115,9 mil unidades; as da Renault Trucks, 43,9 mil; da Mack, 21,2 mil; UD, 19 mil; e da Eicher, 31,4 mil. Do total de 231,4 mil unidades entregues pelo grupo, 55 mil foram na América Latina. “Estes resultados são reflexos dos contínuos investimentos que temos feitos em fábricas e concessionárias da região”, concluiu o presidente Alm.

Assista à entrevista exclusiva com Bernardo Fedalto, diretor comercial de vendas e marketing de caminhões Volvo:



Tags: Volvo, caminhões, pesado, semipesado, mercado, vendas, Roger Alm, Bernardo Fedalto.

Comentários

  • Maurício

    Se for pra abrir outra fábrica da Volvo, o melhor lugar que eu vejo pra investimentos é o Nordeste, principalmente o Estado de Alagoas, que fica no Centro da Região, e com muita mão de obra, que foram treinada a muitos anos pra trabalharem nos maquinários das usinas de açúcar, como também pra trabalharem nos estaleiros que estão chegando em Alagoas. Além disso, Alagoas tem um porto bem centralizado, ótimos incentivos fiscais, locacionais e jurídicos, e é uma das maiores produtora de gás natural do Nordeste. Eu estudo em uma Universidade de São Paulo, e em uma pesquisa de trabalho de campo, Alagoas tirou a melhor nota em qualquer investimento.

Conte-nos o que pensa e deixe seu comentário abaixo Os comentários serão publicados após análise. Este espaço é destinado aos comentários de leitores sobre reportagens e artigos publicados no Portal Automotive Business. Não é o fórum adequado para o esclarecimento de dúvidas técnicas ou comerciais. Não são aceitos textos que contenham ofensas ou palavras chulas. Também serão excluídos currículos, pedidos de emprego ou comentários que configurem ações comerciais ou publicitárias, incluindo números de telefone ou outras formas de contato.

Veja também

ABTV

AB Inteligência