Automotive Business
Siga-nos em:
AB Inteligência

Notícias

Ver todas as notícias

Balanço | 27/01/2014 | 11h30

Montadoras voltam a ser campeãs de remessa de lucros: US$ 3,3 bilhões em 2013

Valor cresceu 35% na comparação com 2012

PEDRO KUTNEY, AB

Os fabricantes de veículos instalados no Brasil voltaram a ser os campeões de remessas de lucros ao exterior. Segundo dados consolidados divulgados pelo Banco Central na sexta-feira, 24, no ano passado as montadoras enviaram US$ 3,3 bilhões para pagar dividendos às suas matrizes. O valor é 35% superior ao de 2012. Assim o setor, que no ano anterior havia remetido US$ 2,44 bilhões e ficado na segunda posição, em 2013 voltou a liderar e foi o maior pagador lucros e dividendos, representando 13,8% de todos os pagamentos registrados pelo BC nessa categoria.

As remessas de 2013 ainda estão longe de atingir o recorde de 2011, quando as montadoras pagaram US$ 5,6 bilhões em lucros, depois dos US$ 4,1 bilhões de 2010 (leia aqui). Mas a cifra obtida no ano passado continua expressiva e voltou a crescer, comprovando que o setor vem conseguindo construir resultados consistentes no País, a despeito de todas as reclamações sobre margens apertadas.

Há mais de 10 anos o setor sempre fica entre os que mais remetem lucros. Apenas nos últimos quatro anos, os dividendos pagos pelos fabricantes de veículos no Brasil às suas matrizes atingem a significativa soma de US$ 15,4 bilhões, levando em conta só os registros oficiais do BC. Esse valor já é quase a metade do que os fabricantes prometem investir no Brasil até 2017.

INVESTIMENTO DIRETO

No sentido contrário, na conta do investimento estrangeiro direto (IED), as matrizes das montadoras injetaram no Brasil em 2013 o total de US$ 1,87 bilhão, em incremento de 48,6% sobre os US$ 1,25 bilhão de 2012. Embora a expansão seja grande, o setor é apenas o oitavo que mais recebeu IED no Brasil no ano passado, responsável por 3,8% do total investido.

Mesmo que o IED das montadoras no País chegasse a US$ 2 bilhões por ano e assim se mantivesse nos próximos anos, não fecharia a conta do montante que os fabricantes prometem investir no Brasil, que segundo a Anfavea chega a R$ 75 bilhões de 2013 até 2017, cerca de US$ 30 bilhões pelo câmbio atual. Portanto, para sustentar esse investimento, as montadoras deveriam aportar mais de US$ 6 bilhões por ano no período proposto. Como não fazem isso, estão investindo menos do que dizem ou se valendo de outras formas de captação de capital, especialmente de recursos subsidiados pelo governo na forma de empréstimos do BNDES e outras instituições de fomento, além de incentivos fiscais estaduais e federais.



Tags: Lucros, dividendos, remessas, montadoras, fabricantes de veículos, Banco Central, investimento.

Comentários

  • artwo

    Vnderam quase 4 milhoes de veiculos, nao foi?Enviaram "apenas" USD3,3 BILHOES pra suas matrizes em 2013, usd 4,1 bi em 2010, usd5,6 bi em 2011, usd2,44 bi em 2012 e so usd3,3 bi em 2013??TEM TRUTA AI ....

  • Charlie

    Remetem 3 bilhões as suas matrizes e ficam devendo aos seus fornecedores aqui no Brasil.Todos sabem que montadora é uma dureza pra pagamento mas podemos acompanhar que não é falta de dinheiro e sim esperteza.

  • Renato

    O Brasil é o país onde as montadoras mais lucram, Os preços de carros mais caros do mundo é aqui os carros tem poucos equipamentos, se quiser mais equipamentos, tem de optar pelos "pacotes" de opcionais, pouco conteúdo e preços estratosféricos=lucros exorbitantes...

  • Hilario

    Sem duvidas, fabricar carros no Brasil eh um excelente negocio. Quando o dolar cai, pede-se reducao de precos para toda a cadeia nacional, quando sobe, tambem eh solicitado reducao de precos, pois agora seus custos ficaram mais altos. Fornecedores locais nao conseguem ser competitivos, mesmo quando comparamos com empresas do primeiro mundo. Tudo aqui eh mais caro, a mao de obra vem subindo a cada ano muito acima de qualquer outro indice, a confusao tributaria eh outro "criador de custos", equipamentos de controle da qualidade sao taxados como se fossem artigos de luxo (nao fabricados no Brasil). Apos a lei complementar 116, algumas prefeituras estao se aproveitando para cobrar ISS sobre industrializacao sob encomenda, a qual eh puramente uma etapa de fabricacao. Enquanto isso o governo federal resolve emprestar dinheiro para a republica democratica de cuba e financiar empresario Padrao do seguimento de petroleo. Agora soh estah faltando o Brasil ser campeao mundial......

  • Cesar

    Sem contar os inumeros financiamentos do BNDES...

  • JoãoCarlos

    enquantoisto,somos obrigados a pagar um plano de saúde e ficar com quase nada para pagar agua.energia,esta uma das mais vergonhosas cargas tributarias (em cada cem reias da conta voce esta pagando oitenta em tributos) depois anos para se conseguir um raiox pelo sus,quero dizer: se esta vergonha não existisse,ou se fosse cobrado uma taxa sobre estas remessas,e estas fossempor dirijidas por homens de vergonha, o paraíso era aqui mesmo

Conte-nos o que pensa e deixe seu comentário abaixo Os comentários serão publicados após análise. Este espaço é destinado aos comentários de leitores sobre reportagens e artigos publicados no Portal Automotive Business. Não é o fórum adequado para o esclarecimento de dúvidas técnicas ou comerciais. Não são aceitos textos que contenham ofensas ou palavras chulas. Também serão excluídos currículos, pedidos de emprego ou comentários que configurem ações comerciais ou publicitárias, incluindo números de telefone ou outras formas de contato.

Veja também

ABTV

AB Inteligência