Automotive Business
Siga-nos em:
AB Inteligência

Notícias

Ver todas as notícias

Indústria | 19/12/2013 | 16h10

Governo brasileiro vai negociar com Argentina para manter exportações

Mantega diz que foi formado grupo de trabalho com MDIC para discutir restrições impostas pelo país

REDAÇÃO AB

O governo brasileiro foi pego de surpresa, mas já tem uma carta na manga para tentar minimizar a nova medida protecionista da Argentina, que limita a importação de automóveis e comerciais leves (de até 5 toneladas), inclusive modelos produzidos no Mercosul. Em entrevista em Brasília na quarta-feira, 18, o ministro da Fazenda, Guido Mantega, revelou que foi formado um grupo de trabalho com o Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior (MDIC) para negociar as restrições. O ministro comentou: “As exportações para a Argentina são importantes e temos de fazer um trabalho para que isso não aconteça.”

A Associação Nacional dos Fabricantes de Veículos, a Anfavea, não se pronunciou sobre o assunto, e nem mesmo dirigentes das empresas sabem que tipo de acordo o Brasil poderia buscar. O fato é que, caso os “hermanos” não cheguem a um acordo, o valor comprado pela Argentina em veículos brasileiros no primeiro trimestre de 2014 deverá ser até 27,5% menor que o de um ano antes. Ficarão livres da medida somente as montadoras com receita de comércio exterior pelo menos igual à despesa no país.

O Brasil tende a ser o mais prejudicado. De janeiro a novembro deste ano, segundo dados da Secretaria de Comércio Exterior (Secex), a Argentina representou 80,5% das exportações brasileiras de veículos e 53,7% das importações. As montadoras instaladas no Brasil enviaram ao país vizinho 418,3 mil automóveis e comerciais leves no período, o equivalente a US$ 5 bilhões. No mesmo intervalo, os brasileiros compraram da Argentina um volume menor, de 353,6 mil unidades, mas de modelos mais caros, que geraram US$ 6,4 bilhões ao país, com superávit de US$ 1,4 bilhão só neste segmento de comércio bilateral.

Os números comprovam que não é a balança comercial que preocupa os argentinos, mas a deterioração de suas reservas internacionais, que este ano apresentaram retração de 21%. O governo da ministra Debora Giorgi (Indústria), com a medida, também busca renegociar o acordo automotivo com o Brasil, que expirou em junho. Para cada US$ 100 vendidos pela Argentina ao Brasil, em veículos e autopeças, o Brasil podia vender US$ 195 à Argentina sem pagar tarifa de importação. Mas como se vê pelos números acima da balança comercial de veículos dos dois países, esse acordo já é cumprido com folga, já que os argentinos vendem mais (em valores) do que os brasileiros.

Para fechar um novo acordo, o Brasil pede a eliminação de barreiras a importações. Já a Argentina deseja participar do Inovar-Auto. Com resistência de ambos os lados, o impasse está formado.



Tags: Argentina, exportação, importação, balança comercial, acordo, cota, Guido Mantega, veículos.

Comentários

Conte-nos o que pensa e deixe seu comentário abaixo Os comentários serão publicados após análise. Este espaço é destinado aos comentários de leitores sobre reportagens e artigos publicados no Portal Automotive Business. Não é o fórum adequado para o esclarecimento de dúvidas técnicas ou comerciais. Não são aceitos textos que contenham ofensas ou palavras chulas. Também serão excluídos currículos, pedidos de emprego ou comentários que configurem ações comerciais ou publicitárias, incluindo números de telefone ou outras formas de contato.

Veja também

ABTV

AB Inteligência