Automotive Business
Siga-nos em:
AB Inteligência

Notícias

Ver todas as notícias

Legislação | 19/12/2013 | 21h31

Contran veta exceção para a Kombi

Conselho informa que modelo terá de sair de linha se não tiver airbags e ABS

REDAÇÃO AB

O Conselho Nacional de Trânsito (Contran) vetou a tentativa de criar uma exceção na legislação para que a Volkswagen Kombi pudesse continuar a ser fabricada e vendida em 2014 sem airbags frontais nem freios com ABS (leia aqui), equipamentos de segurança que passam a ser exigidos para todos os demais veículos no ano que vem. Após uma reunião para tratar do tema, no fim da tarde de quarta-feira, 18, o órgão vinculado ao Ministério da Justiça divulgou a seguinte nota: “O Contran, em reunião extraordinária realizada no dia de hoje, ratificou por unanimidade os termos das Resoluções 311/2009 e 312/2009 que tratam da obrigatoriedade do sistema ABS e da instalação de airbags”.

“Não tem exceção. Seria um retrocesso a revogação da resolução [que estabelece os equipamentos de segurança a partir de 2014]. Há uma preocupação em elevar o padrão de segurança dos carros brasileiros. Estamos focados na vida e na segurança das pessoas", declarou o ministro das Cidades, Aguinaldo Ribeiro, ao portal G1. “Os carros brasileiros têm um preço que temos de exigir, no mínimo, uma contrapartida de segurança veicular. A vida das pessoas não tem preço”, afirmou Ribeiro à Agência Estado. “Todas as montadoras tiveram o tempo necessário para adequar a sua linha de produção”, declarou o presidente em exercício do Contran, Morvam Duarte, segundo publicaram as agências de notícias.

Sobre as possíveis demissões com a desativação da linha de montagem da Kombi, que segundo o Sindicato dos Metalúrgicos do ABC atingiriam quase mil pessoas, o ministro insistiu que eles poderão ser realocados para outras linhas. “Foi a avaliação que o Contran fez. Poderia dizer que para manutenção do emprego você tem diversas alternativas. Mas a solução para a vida das pessoas não pode prescindir destes equipamentos que comprovadamente reduzem a quantidade de vítimas nos acidentes de trânsito”, reforçou Ribeiro ao G1.

Não ficou claro se a manifestação do Contran colocará um ponto final à confusão causada por sindicalistas e pelo ministro da Fazenda, Guido Mantega, que na semana passada declarou que o governo estudava adiar em até dois anos a obrigatoriedade de airbags e ABS para todos os carros vendidos no País. Depois, em reunião com representantes da indústria e dos trabalhadores na terça-feira, 17, disse que a obrigação continuaria mas que se estudava um perdão só para a Kombi. Mantega acrescentou que a decisão sobre o assunto seria tomada em nova reunião na próxima segunda-feira, 23. Se a palavra do Contran vale alguma coisa, essa discussão já terminou.



Tags: ABS, airbags, Contran, Anfavea, legislação.

Comentários

  • RR

    Parabéns ao Contran! Chega de automóveis que possuem tecnologia do século passado nas vitrines das concessionárias. Eu gostaria de ver a cara dos diretores da VW em ver um provável resultado da Kombi no teste do Latin NCAP caso essa vergonha fosse adiante.

  • antonio cesar marques

    As montadoras - especialmente a FIAT e a Volkswagem - neste imbriólio, só visam lucros e não vidas, mostrando total desrespeito com o consumidor. Depois ainda vem falar de indústria sustentável, preocupada com o meio ambiente. Hipócritas.

  • Fabio Bordin

    Plenamente a favor da implementação dos dispositivos e dos testes de seguranças para os veículos nacionais, no caso da Kombi temos uma "particularidade", veículos semelhantes continuarão a serem importados por uma diferença de classificação e NESTE caso estaremos tirando empregos no mercado interno para importarmos veículos com padrões semelhantes em termos de segurança veicular...

Conte-nos o que pensa e deixe seu comentário abaixo Os comentários serão publicados após análise. Este espaço é destinado aos comentários de leitores sobre reportagens e artigos publicados no Portal Automotive Business. Não é o fórum adequado para o esclarecimento de dúvidas técnicas ou comerciais. Não são aceitos textos que contenham ofensas ou palavras chulas. Também serão excluídos currículos, pedidos de emprego ou comentários que configurem ações comerciais ou publicitárias, incluindo números de telefone ou outras formas de contato.

Veja também

ABTV

AB Inteligência