Automotive Business
Siga-nos em:
AB Inteligência

Notícias

Ver todas as notícias
AEA: airbag e ABS continuarão a avançar de forma gradual
Antonio Megale: A AEA, que participou da criação da lei, está surpresa com o adiamento.

Segurança | 12/12/2013 | 19h50

AEA: airbag e ABS continuarão a avançar de forma gradual

Megale diz que questões econômicas levaram governo a considerar a prorrogação

CAMILA FRANCO, AB

A AEA, Associação Brasileira de Engenharia Automotiva, que em 2009 foi uma das responsáveis pela criação da Resolução 311 do Conselho Nacional de Trânsito (Contran), que prevê a obrigatoriedade do uso de freios ABS e airbags dianteiros para 100% da produção nacional de veículos a partir de 2014, garante que foi pega de surpresa e está de braços cruzados diante do anúncio da provável postergação da lei (leia aqui). A entidade acredita que os sistemas de segurança continuarão a ser instalados de maneira gradual.

“Ficamos sabendo do adiamento, anunciado pelo ministro da Fazenda, Guido Mantega, através da imprensa. É uma decisão que foi tomada pelo governo sem questionar a AEA e as montadoras. A AEA, como uma entidade que apoia a evolução dos veículos, em níveis próximos dos europeus, espera que haja ao menos um avanço em 2014, e que mais de 60% (volume obrigatório atualmente) dos veículos sejam equipados com os sistemas. Agora, se serão 70% ou 80% dos veículos no primeiro ano, nós não sabemos”, comentou Antonio Megale, presidente da associação, em evento na quinta-feira, 12, em São Paulo.

Na avaliação de Megale, o governo se deu conta “um pouco tarde” de que haveria aumento no preço da versão de entrada dos veículos com a instalação do airbag e do ABS, algo em torno de R$ 1 mil a R$ 1,6 mil, de acordo com os cálculos que as montadoras repassaram para o governo. Fora isso, Mantega levou em conta que o IPI será elevado, que haverá dificuldades econômicas por conta da inflação, e que a descontinuação de modelos geraria volume grande de desempregos. “Na visão do governo, tudo isso diminuiria a rentabilidade das empresas, que poderiam retrair seus investimentos no Brasil.”

Megale, que também é diretor de relações governamentais da Volkswagen, diz que ainda não sabe qual será a reação das montadoras diante do adiamento, mas admite que elas já consideram manter veículos sem ABS e airbag em suas linhas.

No caso da Volkswagen, um dos modelos que pode continuar a ser produzido em São Bernardo do Campo (SP) é a Kombi. Segundo Megale, se for descontinuada no próximo dia 20, cerca de mil funcionários deverão ser demitidos, além de 3 mil indiretos. “Tenho certeza que a Volkswagen vai avaliar se vale a pena tirar os veículos de linha ou não, como a Kombi, que é a tonelada mais barata do Brasil.”

Para o Gol G4, outro veículo que deixaria de ser fabricado por causa da norma, o impacto seria bem menor, pois a sua linha não seria totalmente desativada. “Produzimos outros veículos por lá, como Saveiro, Polo e Gol G6. Portanto, os funcionários e ferramental seriam redistribuídos”, aponta.

Megale também ressaltou que atualmente mais de 60% dos veículos fabricados no País já levam os equipamentos. “As fabricantes sempre produzem com uma margem maior do que é exigido pela lei para conseguir atender com folga os volumes de vendas. Acredito que a grande maioria das empresas vai oferecer o item como opcional no ano que vem para não afetar o preço de entrada, mas poucos veículos não terão”, concluiu.



Tags: AEA, engenharia, airbag, ABS, Guido Mantega, governo, segurança.

Comentários

  • Alfonso Abrami

    Depois do Fusca Itamar agora vem a Kombi Mantega. É lamentável. Enquanto isso no mundo desenvolvido antecipam-se prazos para entrada no mercado de soluções mais seguras e eficientes. Até quando vamos aceitar esse tipo de incompetência e abuso do direito de lucrar à custa de vidas?

  • Giancarlo

    É absurda essa visão do governo e montadoras !!! Essa Kombi deveria ter saído de linha a muito tempo por ser um carro ultrapassado e totalmente INSEGURO ... As montadoras querem novamente estorquir a população com esa cobrança a mais pelos equipamentos de segurança, mas reduzir o lucro dele JAMAIS !!! Lucro esse que já estamos cansados de ver que são muito superiores aos mercados americano e europe ... e o governo acha que as empresas deixaram de investir aqui ?!!?!? só rindo mesmo

Conte-nos o que pensa e deixe seu comentário abaixo Os comentários serão publicados após análise. Este espaço é destinado aos comentários de leitores sobre reportagens e artigos publicados no Portal Automotive Business. Não é o fórum adequado para o esclarecimento de dúvidas técnicas ou comerciais. Não são aceitos textos que contenham ofensas ou palavras chulas. Também serão excluídos currículos, pedidos de emprego ou comentários que configurem ações comerciais ou publicitárias, incluindo números de telefone ou outras formas de contato.

Veja também

ABTV

AB Inteligência