Automotive Business
Siga-nos em:
AB Inteligência

Notícias

Ver todas as notícias
Governo avalia adiar obrigatoriedade de ABS e airbag para 2016
Ministro da Fazenda, Guido Mantega, confirma que reavaliará obrigatoriedade de ABS e airbag em veículos no Brasil para 2014 (Renato Costa ACS/GMF)

Legislação | 11/12/2013 | 18h02

Governo avalia adiar obrigatoriedade de ABS e airbag para 2016

Mantega admite adiamento. Encontro com Anfavea agendado para próxima semana definirá questão

REDAÇÃO AB

Pode ser prorrogada por mais um ou dois anos a obrigatoriedade do uso de sistema de freios ABS e airbags dianteiros para 100% da produção nacional de veículos, que pela resolução 311/2009 do Conselho Nacional de Trânsito (Contran), passa a vigorar em 1º de janeiro de 2014. O ministro da Fazenda, Guido Mantega, admitiu na quarta-feira, 11, que avaliará a postergação da medida em uma reunião com a Anfavea agendada para a próxima semana.

“Possivelmente, vamos adiar a entrada em vigor. Hoje, 60% dos veículos já têm o equipamento. Passaria para 100% [em 2014]. Possivelmente vamos diferir isso [atrasar] em um ou dois anos. Ainda não fechamos a proposta. Vamos fechar na terça-feira que vem [em reunião com os representantes dos fabricantes de veículos]”, disse o ministro após participar do Encontro Nacional da Indústria (ENAI), realizado pela CNI (Confederação Nacional da Indústria) em Brasília.

Mantega afirma estar preocupado com a elevação do custo do veículo a partir da inserção dos novos equipamentos de segurança: “Estamos discutindo questões do equipamento de segurança que seria acrescentado aos automóveis em 2014. Estamos preocupados com o impacto sobre o preço do carro. Isso eleva o preço do carro de R$ 1 mil a R$ 1,5 mil. Estamos estudando o que fazer com isso”.

A Anfavea emitiu uma nota lacônica informando: “Fomos informados desta medida, como decisão, e estamos neste momento avaliando o assunto”. O Sindicato dos Metalúrgicos do ABC já vinha há meses fazendo pressões pelo adiamento da legislação, temendo a demissão de 4 mil trabalhadores de montadoras e fornecedores de autopeças ligados à produção de veículos que teriam de sair de linha com a obrigatoriedade de ABS e airbags. Em entrevista ao UOL Carros, Rafael Marques, presidente do sindicato, admitiu as negociações com o governo, mas disse que Volkswagen e Fiat também pediram o adiamento.

De acordo com informações do jornal O Estado de S. Paulo, o objetivo do governo também seria o de conceder mais tempo ao Inmetro, que trabalha na criação de um Centro de Impactos, em Duque de Caxias (RJ), e que deverá ser inaugurado entre 2016 e 2017, permitindo ao instituto testar todos os dispositivos de segurança embutidos nos veículos produzidos no Brasil.

A medida, que entraria em vigor em 20 dias, prevê que todos os veículos fabricados no Brasil deverão sair das fábricas com sistema de freio ABS e airbag. Com a lei, a indústria já havia se preparado para encerrar a produção de alguns modelos tradicionais no mercado brasileiro, como Volkswagen Kombi e Gol G4, Fiat Mille, Chevrolet Celta e Ford Ka.



Tags: ABS, airbag, Guido Mantega, Anfavea, Kombi.

Comentários

  • André

    Se essa informação realmente se concretizar, o título da próxima matéria deverá ser: "Brasil dando um passo para trás, de novo."

  • Luiz Rodrigo

    O GMB Celta está preparado para nova legislação, pois já foram adequados para o Airbag & ABS. Inclusive além de trabalhar com segurançã veícular, tenho um Celta 13/14 com airbag & ABS Att. Luiz Rodrigo

  • Rafael

    Incrívelmente lamentável. Me sinto o próprio panaca. Estes modelos que iriam sair de linha agora deveriam ter saído há anos do mercado. São inseguros para seus ocupantes. Ponto. São carros estruturalmente ultrapassados, que sequer podem comportar um air bag ou ter capacidade de deformar de acordo. O que importa é o que é bom para eles, nunca para o povo.

  • Artemius Lovanaris

    Lamentável a decisão do governo em reavaliar a decisão da obrigatoriedade do uso do Airbag e ABS nos veículos fabricados a partir de 2014. Já sabemos o que vai acontecer... Esta claro que é uma decisão político-eleitoreira de última hora pois este governo não sabe mais o que fazer para manter o sindicato ao seu lado e deixar de perder votos na próxima eleição. Ao invés de andarmos pra frente na segurança de nossos veículos, voltamos para trás. E agora vão relançar a Kombi, o Mille, o Ka e outros cacarecos...esse é o nosso Brasil !

  • Haroldo Silva

    É o fim da picada. É um total descaso com a segurança do usuário. O assunto está em pauta há quase quatro anos. Linhas de produção já foram descontinuadas e agora, as vesperas da implementação, vem o governo com esse "papinho de terceiro mundo" Uma vergonha.

  • Daniel Bassoli Campos

    Confusão bem típica do nosso país. Infelizmente assuntos importantes não são discutidos com a profundidade devida, prejudicando toda a cadeia.

  • Gustavo

    O Chevrolet Celta não irá sair de linha, os modelos 2014 já estão saindo com air bag e ABS de fábrica, a propria AB já divulgou isso !

  • Fernando Ody

    Entendo o interesse econômico que impulsiona a pressão sobre o governo para a postergação.Afinal as vendas cairam muito neste final de 2013 e o governo precisa voltar a cobrar impostos para manter sua máquina abastecida. Aumentar o preço final em função de novos equipamentos de segurança e aumento de impostos, seria um golpe muito grande para os números de vendas de 2014 que ainda são incertos, também pelo mundial.O que não entendo, é que estes interesses econômicos são prioritários em relação a calamidade que é o fato de termos milhares de mortos em acidentes com veículos menos seguros do que poderiam ser. Não esqueçam, vocês que decidem, que também podem fazer parte da estatística.

  • Rodrigo Stehling

    Segurança nunca esteve e nunca estará em primeiro lugar no Brasil. Já o dinheiro no bolso.... Comparar R$1.000,0 a R$1.500,0 com o número de acidentes que podem ser evitados ou vidas poupadas é de uma burrice típica dos governantes do Brasil.

  • Alfonso Abrami

    É com tristeza e desesperança que leio mais esta notícia que reflete o descaso da nossa sociedade, das nossas empresas e principalmente de nosso governo, para com a vida. Esta calamidade, se confirmada, vem juntar-se aos trágicos acidentes de transito, das construções que desmoronam, dos guindastes que despencam, da poluição insustentável, das pessoas morrendo na fila dos hospitais, etc. Enquanto isso o mundo desenvolvido antecipa em meses ou até anos a entrada de soluções veiculares que aumentam cada vez mais a segurança de usuários e pedestres, e ainda dando saltos de eficiência energética e redução do impacto ambiental. Lá fora, onde estão as matrizes das industrias que aqui operam, os prazos e limites super exigentes são respeitados e antecipados. O Brasil anda para trás. Precisamos mudar isto!

  • Alisson

    Nossa! Coitadinha das montadoras! Elas não tiveram tempo para se adequarem a LEI Nº 11.910, DE 18 DE MARÇO DE 2009. Foram mais de 4 anos. QUASE CINCO ANOS!!! Nesse tempo deveriam ter incluído novos projetos para atender a necessidade brasileira de preços e manutenção dos empregos. O governo é que devia pressionar as montadoras a não demitirem, pois não foi ontem que comunicaram sobre a Lei 11910.

  • Ed Valdez

    Parabens Sr. Ministro, Lembrete de nao esquecer de incluir o Cotran na sua reuniao com a Anfavea, foi essa a entidade que emitiu a resolucao original em 2009. Esta noticia simplesmente confirma a falta de seriedade do governo com relacao a um item de seguranca, especialmente para um pais que tem uns dos indices de mortalidade veicular mais altos do mundo com relacao a tamanho de frota. Tenho certeza que o Sr. vai continuar dirigindo um veiculo sem Airbags frontais ou ABS, para dar o exemplo `a populacao. Grande abraco.

  • Braz

    Lamentavel; Lamentavel; lamentavel; dirigentes e governantes incapazes e sem consideração para com o povo deste pais que paga um absurdo por veiculos de baixa qualidade tecnologico e por questão de politica (controle de inflação; ano politico: eventual desemprego)adiam esta implementação. Redução haverá mesmo pois a industria espera para o ano 2014 menor crescimento devido a copa do mundo; que desvia o interesse.

  • obregon furtado

    Um absurdo,uma vergonha é matar a vaca para acabar com o carrapato!!! incompetência desse governo corrupto.

  • Giancarlo

    Ao invés de AirBag e ABS os carros virão com um NARIZ DE PALHAÇO !!! Incrível como podem existir políticos assim no comando do nossa cidade/estado e país! As montadoras faturam quantias absurdas (aqui no Brasil) e estavam cientes dessas mudanças a anos !! Quase não tem o que comentar pelos comentários anteriores, todos explicam claramente a FALCATRUA

  • Adriano Costa

    O freio ABS evite muitas colisões protegendo os ocupantes do veículo, o carrro a frente e até mesmo pedestres e juntamente com o air bag evita mortes e lesões graves Acho muito engraçado a colocação do dignissimo Ministro Mantega ao mencionar a preocupação com o aumento do preço do veículo em R$ 1 mil, este valor é irrisório frente ao custo elevadíssimo referente aos gastos com acidentes de trânsito Essa história de empregos perdidos em função de parada de produção de um produto obsoleto é balela, se fosse assim nunca teríamos deixado de produzir muitas coisas: vitrola, máquina de escrever, carburador, painel de carro e parachoque de metal e ainda estaríamos usando o telegrama, coitado dos smartphones, nunca teriam sido inventados Este posicionamento contra a evolução de um assunto tão importante (SEGURANÇA VEICULAR) é inaceitável, ainda mais em um pais campeão em mortes por acidente veicular

  • jose silva

    Isso !!! Embora o consumidor pague pelo custo adicional, "carroças" neles para ... ???

Conte-nos o que pensa e deixe seu comentário abaixo Os comentários serão publicados após análise. Este espaço é destinado aos comentários de leitores sobre reportagens e artigos publicados no Portal Automotive Business. Não é o fórum adequado para o esclarecimento de dúvidas técnicas ou comerciais. Não são aceitos textos que contenham ofensas ou palavras chulas. Também serão excluídos currículos, pedidos de emprego ou comentários que configurem ações comerciais ou publicitárias, incluindo números de telefone ou outras formas de contato.

Veja também

ABTV

AB Inteligência