Automotive Business
Siga-nos em:
AB Inteligência

Notícias

Ver todas as notícias

Comerciais | 11/12/2013 | 14h00

Governo eleva a 6% taxa do PSI para aquisição de veículos pesados em 2014

Orçamento do programa deverá ser reduzido em até R$ 25 bilhões no ano que vem

REDAÇÃO AB

Atualizada às 19hs.

O ministro da Fazenda, Guido Mantega, divulgou na quarta-feira, 11, as novas taxas de juros para 2014 da linha de financiamento Finame PSI, do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES). A taxa para aquisição de ônibus, caminhões, máquinas agrícolas e de construção, outros bens de capital e do programa Pro-Caminhoneiro subirá a partir de 1º de janeiro de 4% para 6% ao ano. Segundo o ministro, o índice ainda é bastante atrativo para o investimento, pois está bem próximo da inflação de 5,5%.

A taxa para projetos de inovação subirá de 3,5% para 4% ao ano em 2014. Já o PSI para exportação vai saltar de 5,5% para 8% no ano que vem. “O PSI terá continuidade no próximo ano com alguns ajustes de taxas, que crescerão um pouco acompanhando Selic e conjuntura”, explicou Mantega em evento em Brasília pela manhã.

ANFAVEA APROVA

Para a Anfavea, associação dos fabricantes de veículos, “as novas condições são adequadas para os investimentos necessários ao Brasil”. Um dos seus vice-presidentes, Marco Antônio Saltini, comentou em entrevista à Automotive Business que o “ideal seria continuar com os 4%, mas como o governo não tinha condições de mantê-los, foi feito um aumento atrativo, abaixo da inflação e dentro do previsto.”

Saltini acredita que, mesmo com a alteração, o mercado de caminhões e ônibus deverá se manter em curva crescente no ano que vem. “É claro que não será no mesmo alto patamar de 2012 para 2013, mas terá condições de avançar em torno de 5%.”

ORÇAMENTO

Segundo informações do jornal Valor Econômico, em reunião com empresários na Confederação Nacional da Indústria (CNI), o ministro disse que o orçamento do programa PSI deverá ser reduzido em até R$ 25 bilhões no ano que vem. Ficaria entre R$ 75 bilhões a R$ 80 bilhões. O valor total previsto para 2013 foi de R$ 100 bilhões.

O corte nos financiamentos seria necessário por causa da perda de credibilidade da política fiscal acentuada pelos repasses de mais de R$ 300 bilhões que o Tesouro Nacional fez ao BNDES. Com as críticas, o governo decidiu enxugar o banco estatal, que deve focar sua atuação principalmente no financiamento de infraestrutura e grandes empresas.



Tags: PSI, Finame, financiamento, Guido Mantega, caminhões, ônibus, máquinas agrícolas, BNDES.

Comentários

Conte-nos o que pensa e deixe seu comentário abaixo Os comentários serão publicados após análise. Este espaço é destinado aos comentários de leitores sobre reportagens e artigos publicados no Portal Automotive Business. Não é o fórum adequado para o esclarecimento de dúvidas técnicas ou comerciais. Não são aceitos textos que contenham ofensas ou palavras chulas. Também serão excluídos currículos, pedidos de emprego ou comentários que configurem ações comerciais ou publicitárias, incluindo números de telefone ou outras formas de contato.

Veja também

ABTV

AB Inteligência