Automotive Business
  
Siga-nos em:
AB Inteligência

Notícias

Ver todas as notícias

Mercado | 05/12/2013 | 19h46

Anfavea admite empate técnico nas vendas de 2013

Crescimento dos licenciamentos de veículos sobre 2012 deve ficar abaixo de 1%, reconhece Luiz Moan

SUELI REIS, AB

Após anotar um novembro de queda de 8,3% contra outubro, sendo 8% a retração no segmento de leves (leia aqui e recuo de 11,8% em pesados aqui) e uma retração de 0,8% no acumulado de onze meses, considerando os dois segmentos, a Anfavea tem como um dos últimos deveres do ano refazer as projeções para 2013, o que, segundo seu presidente, Luiz Moan, não seguirá a previsão inicial, quando o setor apostava até julho que haveria crescimento entre 3,5% e 4,5% sobre o ano passado, e nem a atual, revisada em agosto, com altas entre 1% e 2%.

“Acredito que 2013 será pouco superior a 2012, seguramente não será como a projeção de 1% a 2%, mas posso dizer que a tendência é de ‘empate técnico’. Ainda assim, 2013 será ou um novo recorde ou o segundo melhor ano de vendas. Será um ano bom, mas não excelente”, disse Moan durante a apresentação do desempenho do setor na quinta-feira, 5, em São Paulo.

- Veja aqui os dados da Anfavea.

Com relação à retração dos licenciamentos de novembro, o presidente da Anfavea afirma que o baixo volume na comparação com outubro se deve ao menor número de dias úteis, devido aos três feriados do mês passado. Com base neste dado e na média diária de vendas, que subiu 1% sobre outubro, para 15,6 mil unidades por dia útil.

“Tivemos 29.189 unidades a menos vendidas no mês passado sobre outubro. Se novembro tivesse dois dias úteis a mais, daria empate”, explicou.

Para dezembro, Moan reforça que o desempenho do mês, independente da aplicação de IPI menor, é tradicionalmente bom em vendas, contudo, alerta que o índice que mede a confiança do consumidor vem caindo desde junho e está refletindo até agora nos resultados.

IPI

Moan voltou a afirmar que tem a palavra do ministro da Fazenda, Guido Mantega, que haverá aumento do IPI a partir de 1º de janeiro de 2014, mas que o responsável pela pasta ainda não definiu de quanto será este aumento. O executivo admite que foi importante o efeito do IPI menor nos emplacamentos deste ano. De acordo com os dados da entidade, desde que o governo baixou a alíquota pela primeira vez, em 24 de maio de 2012, até 30 de novembro deste ano, foram vendidos 5,65 milhões de unidades; caso não houvesse benefício, as vendas não deveriam ultrapassar as 4,30 milhões de unidades.

Reforçou ainda que apesar do governo ter deixado de arrecadar R$ 4,9 bilhões com a isenção do imposto, seja total ou parcial, aplicada durante o período citado acima, o IPI menor proporcionou aumento da arrecadação dos outros impostos incidentes sobre veículos leves, como PIS, Cofins, ICMS e IPVA, que juntos geraram R$ 11,7 bilhões: descontando a perda com o IPI, o saldo ainda é positivo, em R$ 6,7 bilhões.

NO ANO QUE VIRÁ

As projeções para o ano seguinte, que em gestões anteriores, eram publicadas ainda em dezembro, desta vez ficará para janeiro, na próxima reunião agendada para o dia 7 daquele mês. A Anfavea prefere não arriscar nenhum palpite antes do encerramento de 2013. Segundo Moan, a entidade ainda defende junto ao governo o menor incremento possível para o IPI e informa que cada ponto porcentual de aumento na alíquota equivale a 1,1% de alta no preço dos veículos.

“Não podemos esquecer que a partir de janeiro teremos ainda a inserção em 100% dos veículos fabricados aqui dos equipamentos obrigatórios (ABS e airbags dianteiros), mas o preço final dependerá da política de cada montadora."

Ele lembra que aumento de impostos sempre impactam nos preços dos veículos e critica rebatendo que o mercado não é artificial por se desenvolver com políticas de incentivo, mas “artificial é a carga tributária que incide sobre um veículo: do preço de um carro popular, por exemplo, 30% é imposto”.

O representante da indústria automotiva adianta apenas que para o mercado de 2014 há de se considerar dois cenários: o ano da Copa do Mundo no Brasil poderá acarretar em retração no mercado em geral, devido a dias úteis afetados pelos jogos, mas ao mesmo tempo, a própria Copa desencadeará a compra de mais veículos para incrementar a infraestrutura do País para receber o evento, como transporte público (ônibus) e táxis.

Sobre a conjuntura econômica para o ano vindouro, Moan diz acreditar em um crescimento do PIB acima dos 2,5% projetados para este ano segundo última estimativa do Boletim Focus, do Banco Central. Fatores como a melhora de liberação de crédito e a redução da inadimplência em veículos, que em outubro atingiu o menor índice em dois anos, para 5,5%, podem ajudar nos negócios do ano que vem.



Tags: Anfavea, mercado, vendas, licenciamentos, veículos, IPI, Luiz Moan.

Comentários

Conte-nos o que pensa e deixe seu comentário abaixo Os comentários serão publicados após análise. Este espaço é destinado aos comentários de leitores sobre reportagens e artigos publicados no Portal Automotive Business. Não é o fórum adequado para o esclarecimento de dúvidas técnicas ou comerciais. Não são aceitos textos que contenham ofensas ou palavras chulas. Também serão excluídos currículos, pedidos de emprego ou comentários que configurem ações comerciais ou publicitárias, incluindo números de telefone ou outras formas de contato.

Veja também

ABTV

AB Inteligência