Automotive Business
  
Siga-nos em:
AB Inteligência

Notícias

Ver todas as notícias

Mercado | 05/12/2013 | 17h40

Venda de implementos rodoviários cresce 10% até novembro

Recuperação e financiamentos via PSI sustentaram o bom desempenho durante o ano

REDAÇÃO AB

De janeiro a novembro os fabricantes de veículos rebocados e carrocerias de carga venderam 161.286 unidades, o que representa desempenho positivo de 10% sobre os 146.599 produtos distribuídos no mesmo período de 2012, segundo dados divulgados na quinta-feira, 5, pela Associação Nacional dos Fabricantes de Implementos Rodoviários (Anfir). O resultado positivo é atribuído à recuperação das vendas de caminhões e às condições favoráveis de financiamento do PSI/Finame, do BNDES, com taxa de 3% ao ano no primeiro semestre e de 4% no segundo. “O governo concedeu o benefício à indústria e nós respondemos imediatamente e à altura, com aumento de produção e movimentação do mercado”, comentou em nota Alcides Braga, presidente da Anfir.

Para Braga, o horizonte previsível fez toda a diferença: “O desempenho da indústria de implementos rodoviários no ambiente de previsibilidade criado pelo governo mostra de forma incontestável a validade da medida adotada”, afirma o presidente da Anfir, que comemora o crescimento do setor bastante acima da média de avanço da economia do País. Para 2014, no entanto, apesar de já ter confirmado que o PSI continuará, o governo ainda não divulgou as novas taxas do programa, o que já causa certa paralisação no mercado de veículos comerciais em dezembro.

- Veja aqui o relatório completo com as vendas dos fabricantes de implementos rodoviários.

As vendas que mais cresceram em 2013 para os implementadores foram as do segmento pesado (reboques e semirreboques), que apresentam expressivo avanço de 31,93%, com 63.038 unidades distribuídas de janeiro a novembro, ante 47.780 no mesmo período de 2012. “A diversidade de produtos no segmento pesado faz com que o setor consiga se manter aquecido mesmo com a queda no desempenho da agropecuária”, explica Mario Rinaldi, diretor executivo da Anfir, que aponta as obras na construção civil em geral como fator de sustentação de vendas durante o ano.

Mas o setor agrícola continua a ser o maior comprador de reboques e semirreboques: foram 20,3 mil implementos graneleiros e de carga seca emplacados de janeiro a novembro de 2013, o que significou expansão de 40,9%, acima da média do segmento. Em segundo lugar vêm os basculantes: 11,3 mil e avanço de 27,1%. Também impulsionado pelo transporte de grãos, as vendas de dolly (usados no acoplamento de bitrens) registraram maior crescimento porcentual do ano: 153,9%, com 3 mil unidades.

O segmento leve (carroceria sobre chassis) puxa o desempenho de 2013 para baixo. Os números de janeiro a novembro se aproximam do mesmo patamar do ano passado. O total de 98.248 unidades implementadas este ano está 0,58% abaixo do registrado no mesmo período de 2012 (98.819). “No quarto trimestre há um movimento natural de aquecimento das vendas elas festas de fim de ano, com entrada de dinheiro novo (13º salário) no mercado que motiva o comércio de varejo e os serviços em geral, que dão suporte ao segmento leve de implementos rodoviários”, explica Alcides Braga.

As vendas de tanques sobre chassis foram as que mais cresceram porcentualmente no segmento leve: 41,2%, com 4.574 unidades implementadas até novembro. O maior volume de implementações foi de baús de alumínio (incluindo frigorificados), com 38,1 mil unidades e incremento de 2,3%. Em segundo lugar vêm 30 mil carrocerias para grãos e carga seca, em queda de 7,1% sobre os primeiros 11 meses de 2012.



Tags: Anfir, implementos, transporte, caminhão, resultado, mercado.

Comentários

Conte-nos o que pensa e deixe seu comentário abaixo Os comentários serão publicados após análise. Este espaço é destinado aos comentários de leitores sobre reportagens e artigos publicados no Portal Automotive Business. Não é o fórum adequado para o esclarecimento de dúvidas técnicas ou comerciais. Não são aceitos textos que contenham ofensas ou palavras chulas. Também serão excluídos currículos, pedidos de emprego ou comentários que configurem ações comerciais ou publicitárias, incluindo números de telefone ou outras formas de contato.

Veja também

ABTV

AB Inteligência