Automotive Business
Siga-nos em:
AB Inteligência

Notícias

Ver todas as notícias

Engenharia | 12/11/2013 | 21h45

Muitos problemas antes de inovar

Empresas alemãs sugerem caminhos para a inovação brasileira

SUELI REIS, AB

A evolução da inovação no Brasil passa pelo processo de enfrentamento de fatores que são velhos conhecidos do País: aqueles que impedem a consolidação de sua competitividade. Esta é uma das visões compartilhadas pelos participantes do 1º Seminário Brasil-Alemanha de Inovação, promovido pela Câmara Brasil Alemanha, na terça-feira, 12, em São Paulo.

Representantes de empresas de origem alemã e que atuam no Brasil sugeriram possíveis soluções ou caminhos para os diversos problemas enfrentados no País, elencando cada um sua prioridade a partir das experiências vivenciadas entre as duas culturas nos âmbitos corporativos.

Para o ex-presidente da Continental do Brasil, Maurício Muramoto, o primeiro incentivo à inovação no País deve primar pela aproximação da indústria com a universidade: “É necessária uma política de fomento que aproxime esses dois mundos, no Brasil ainda não temos uma consolidação, mas na Alemanha tem, mostrando que é possível evoluir a partir das bases”, exemplificou.

Segundo o presidente da T-Systems Brasil, Ideval Crespo Munhoz, uma política de inovação dentro de qualquer instituição deve conter estágios que precisam ser considerados antes de se adotar qualquer plano de ação: “Esse processo passa por uma análise profunda, em termos que precisam ser respondidos, por exemplo, sobre o grau de confiabilidade: ‘somos capazes de produzir produtos com qualidade?’ Além disso, considerando a regulamentação vigente, fazer um mapeamento estratégico com base em perspectivas reais e quais os cenários se esperam para o futuro. Isso vai gerar enormes desafios, mas podem gerar também novos modelos e oportunidades de negócios”.

“Acertar na burocracia seria um bom começo; a criação de uma política eficaz e constante para a educação e uma melhora fantástica na logística. Se conseguir resolver pelo menos essas duas últimas, daríamos um salto extraordinário na inovação”, defendeu o presidente da Triumpf Brasil, João Carlos Visetti.

Apesar de apontar os problemas e os possíveis passos para sair da mesmice, os executivos concordaram que o País tem potencial do ponto de vista mercadológico, principal motivo que atrai empresas estrangeiras para cá. O vice-presidente de Inovação da Mahle, Ricardo Abreu, em uma alusão sobre o que priorizaria no País, diz que o que falta no Brasil é apostar mais: “Se eu tivesse o poder, assinaria um decreto que diz: ‘acreditem mais nas suas iniciativas’. A engenharia brasileira tem potencial, as empresas têm know how, continuem a fazer o que fazem, apostem, isso é o começo para inovar ainda mais”, enalteceu.

O presidente da ZF para a América do Sul, Wilson Bricio, também defendeu a educação como prioridade: “Temos uma política na ZF que criou duas academias: uma de operações e outra de gestão. A primeira condiz na lapidação da qualificação básica que os profissionais têm quando ingressam na empresa. Eles têm a oportunidade de fazer cursos dentro e fora da companhia, incluindo intercâmbios entre grupos de Brasil e Alemanha. Neste sentido, já investimos pouco mais de € 3 milhões. No segundo caso, executivos fazem cursos e seminários entre si para reforçar o contato entre os líderes mais novos, com o objetivo de transmitir e discutir valores e estratégias”, contou.

Para o diretor de Design da Volkswagen, Luiz Alberto Veiga, que ajudou a conceber o VW Fox, a diferença de culturas entre Brasil e Alemanha pode criar um choque que, por ora, pode ser positivo: “É uma batalha, porque a Alemanha tem a fama de ser disciplinada e o Brasil, criativo. Dependendo do caso, essa disciplina tem que ser quebrada para se criar algo novo: foi o caso do Fox, que era um carro que não existia na lista de projetos da matriz e foi uma criação brasileira. A VW da Alemanha gostou da ideia e aprovou o carro: hoje ele roda em diversos países, inclusive na própria Alemanha. Ainda assim, a disciplina deve permanecer quando se trata de pesquisa, para que se possa evoluir na criação”, testemunhou.



Tags: Inovação, competitividade, Câmara Brasil Alemanha, AHK.

Comentários

Conte-nos o que pensa e deixe seu comentário abaixo Os comentários serão publicados após análise. Este espaço é destinado aos comentários de leitores sobre reportagens e artigos publicados no Portal Automotive Business. Não é o fórum adequado para o esclarecimento de dúvidas técnicas ou comerciais. Não são aceitos textos que contenham ofensas ou palavras chulas. Também serão excluídos currículos, pedidos de emprego ou comentários que configurem ações comerciais ou publicitárias, incluindo números de telefone ou outras formas de contato.

Veja também

ABTV

AB Inteligência