Automotive Business
Siga-nos em:
AB Inteligência

Notícias

Ver todas as notícias

Sustentabilidade | 30/10/2013 | 00h52

Honda Energy: geração eólica era a mais viável

Fabricante estudou outras fontes, mas custo e impacto menores favoreceram ‘‘cata-ventos’’

MÁRIO CURCIO, AB | De Xangri-lá (RS)

Entre diferentes alternativas consideradas para produção de energia pela Honda no Brasil, a eólica foi a mais viável, como conta o presidente da Honda Energy, Carlos Eigi Miyakuchi: “Estudamos as pequenas centrais hidrelétricas (PCHs), que têm grande impacto ambiental, a energia solar, que é cara e pouco eficiente, e também biomassa, para produção de energia a partir do lixo da cidade de Sumaré (onde a Honda fabrica Civic, City e Fit). Optamos pela eólica pelo custo e menor impacto”, afirma o executivo.

“Na comparação entre eólica e solar, a primeira tem eficiência de cerca de 50% no Nordeste e de 40% no Sul; no caso da solar ela cai para 12%”, explica Miyakuchi. Ao longo de quase dois anos, também teve grande participação no projeto do novo parque eólico de Xangri-lá o gerente de gestão ambiental e sustentabilidade, Arthur Signorini.

“Cotamos praticamente todas as fabricantes de aerogeradores. Optamos pelos equipamentos da dinamarquesa Vestas por causa da potência elevada, de três megawatts cada. Serão nove unidades”, recorda Signorini. A entrega ocorre em junho de 2014 e o início da operação, em setembro. “Eles usarão torres de aço de 100 metros, com elevadores para duas pessoas e também escadas. As hélices (com três pás cada) têm 112 metros de diâmetro.” O projeto do parque foi feito pela companhia francesa Theolia. Dos R$ 100 milhões investidos, cerca de 70% pagarão equipamentos.

Ele garante que as estruturas, apesar do material empregado, vão resistir à oxidação pela ação da maresia, já que o parque fica muito próximo do mar, de onde vem o vento predominante. Ele sopra à velocidade média anual de 13 metros por segundo, o que dá 46,8 quilômetros por hora. “E os aparelhos são capazes de girar 360 graus, para captar o vento sempre de frente.”

Signorini visitou 27 locais diferentes antes da decisão por Xangri-lá: “Em um desses lugares, no Ceará, os ventos eram realmente bons (chegavam atrapalhar durante o almoço, conta), mas teríamos de instalar 50 quilômetros de linha. Em Xangri-lá será apenas um quilômetro até a subestação, que está conectada ao Sistema Interligado Nacional (SIN).” Cerca de 150 pessoas vão trabalhar na construção do parque eólico, mas somente uma pessoa ficará no local para monitorar a operação.

O projeto do parque eólico nasceu no Brasil. “Começou pela questão da redução de emissões”, diz Signorini. Com ele, a Honda deixará de emitir 2,2 mil toneladas de gás carbônico (CO2) por ano na fábrica de Sumaré, equivalentes a 30% do total gerado pela fábrica.

Há dois anos, a empresa estabeleceu como meta a redução de 30% das emissões de CO2 de seus carros, motos, produtos de força (geradores, motobombas e cortadores de grama, por exemplo) e também de seus processos produtivos, tomando por base os índices do ano 2000. O parque eólico é uma das iniciativas que ajudarão a empresa a alcançar essa meta.

Este será o primeiro parque eólico da Honda em todo o mundo a suprir toda a demanda de uma fábrica de automóveis. Nos Estados Unidos há algo parecido, mas em menor dimensão e operado por uma companhia energética. No Brasil também não há nenhuma operação como essa tocada por fabricantes de automóveis.



Tags: Honda Energy, aerogeradores, Vestas, Theolia, Carlos Eigi Miyakuchi, Arthur Signorini, parque eólico, Xangri-lá, PCHs, Civic, City, Fit.

Comentários

  • Claudio

    Parabéns a Honda pela iniciativa e exemplo. Se todos os fabricantes de automóveis fizessem o mesmo seria ótimo para o ambiente. Atitudes como esta são uma grande propaganda para a marca e motivo de satisfação e orgulho para seus clientes.

Conte-nos o que pensa e deixe seu comentário abaixo Os comentários serão publicados após análise. Este espaço é destinado aos comentários de leitores sobre reportagens e artigos publicados no Portal Automotive Business. Não é o fórum adequado para o esclarecimento de dúvidas técnicas ou comerciais. Não são aceitos textos que contenham ofensas ou palavras chulas. Também serão excluídos currículos, pedidos de emprego ou comentários que configurem ações comerciais ou publicitárias, incluindo números de telefone ou outras formas de contato.

Veja também

ABTV

AB Inteligência