Automotive Business
Siga-nos em:
AB Inteligência

Notícias

Ver todas as notícias
Das chinesas na Fenatran, restou a Shacman
Marcos Gonzalez e o protótipo do Shacman brasileiro

Comerciais | 29/10/2013 | 13h16

Das chinesas na Fenatran, restou a Shacman

A marca foi a única que conseguiu tocar projeto de nacionalização até agora

PEDRO KUTNEY, AB

Durante o Salão Internacional do Transporte (Fenatran) de 2011, a marcas chinesas de caminhões e utilitários leves chegaram em grande número ao Anhembi com ambição de ganhar o mercado nacional com produtos importados e preços baixos. Bastaram dois anos de protecionismo comercial, com sobretaxação para importações de veículos, para acabar com os planos da maioria dessas empresas e mudar drasticamente o cenário na edição deste ano do evento, que abriu as portas ao público na segunda-feira, 28. De todas as fabricantes chinesas, só a Shacman retornou à Fenatran dois anos depois. Foi a única que até agora conseguiu, por meio do representante brasileiro Metro-Shacman, mostrar algum progresso no projeto de nacionalização do seu caminhão para o Brasil, já habilitada como investidora no programa Inovar-Auto, com promessa de construir fábrica em Tatuí (SP) – condição essencial para escapar do imposto mais alto e seguir com as vendas no País.

Na Fenatran a Shacman expõe o primeiro protótipo do caminhão que pretende fazer no Brasil a partir de 2014, o cavalo mecânico extrapesado TT 440 6x4, que de acordo com a Metro-Shacman já tem 60% de conteúdo nacional – outro fator essencial para o mercado brasileiro, pois habilita o veículo às taxas baixas de financiamento da linha Finame do BNDES – e foi desenvolvido em parceria com 40 empresas já instaladas no País, como a fabricante de motores Cummins, que fornece o propulsor ISM 11P7 (Euro 5), cuja potência foi aumentada de 420 para 440 cavalos.

Além da Cummins, entre os principais fornecedores locais do protótipo brasileiro da Shacman, estão a Dana (eixos dianteiros), Meritor (eixo trator traseiro), Suspensys (suspensão), Eaton (transmissão automatizada), ZF (transmissão manual), Eaton e Sachs (embreagens) e Knorr-Bremse e Wabco (sistemas de freios). Segundo Reinaldo Maluta Vieira, diretor de marketing da Metro-Shacman, o próximo passo será a homologação oficial do TT 440 brasileiro, com testes e ensaios que começam a ser feitos logo após a Fenatran.

Ainda falta definir de que forma se dará a participação no investimento da dona da marca dos caminhões Shacman, a Shaanxi Haeavy Duty Automobile – empresa que começou a produzir há 40 anos na China e já teve associação com a alemã MAN, de onde vêm as três últimas letras da marca. “Deveremos definir isso o mais rápido possível, provavelmente nas próximas semanas”, diz Marcos Gonzalez, diretor de desenvolvimento de negócios da Metro-Shacman. Segundo ele, ainda não está certo se os chineses injetarão capital próprio na operação brasileira ou se vão entrar na sociedade só com transferência de tecnologia.

VENDAS

Enquanto toca o projeto de produção nacional, a Metro-Shacman se esforça para iniciar as vendas dos caminhões em larga escala no País. Na Fenatran a empresa expõe, além do protótipo brasileiro e seu driveline, três modelos pesados que já estão disponíveis para compra no mercado nacional: os cavalos mecânicos TT 420 6x4 e TT 385 4x2, além do chassi-cabine LT 385 6x4.

A importadora anunciou uma promoção para aquecer os negócios durante a Fenatran. Vai vender por R$ 200 mil o modelo mais barato, o TT 385 4x2. O TT 385 6x4 ou o LT 385 6x4 saem por R$ 210 mil. E o mais caro é o TT 420 6x4, de 420 cavalos, custa R$ 220 mil para clientes que fecharem a compra no período da feira, que termina na próxima sexta-feira, 1º de novembro.

A Metro-Shacman já conseguiu nomear 13 concessionárias em cinco estados no País. O objetivo é chegar a 30 pontos de venda até o fim de 2014. Habilitada ao Inovar-Auto, a empresa ganhou cota de importação livre de sobretaxação de 2,5 mil caminhões por ano até que a fábrica fique pronta, mas a projeção é vender menos da metade disso no próximo ano.

Assista à entrevista exclusiva com Marcos Gonzalez, diretor de desenvolvimento de negócios da Metro-Shacman:



Tags: Shacman, Metro-Shacman, China, investimento, fábrica, Cummins, ZF, Eaton, Dana, Meritor, Wabco, Knorr-Bremse, Suspensys.

Comentários

Conte-nos o que pensa e deixe seu comentário abaixo Os comentários serão publicados após análise. Este espaço é destinado aos comentários de leitores sobre reportagens e artigos publicados no Portal Automotive Business. Não é o fórum adequado para o esclarecimento de dúvidas técnicas ou comerciais. Não são aceitos textos que contenham ofensas ou palavras chulas. Também serão excluídos currículos, pedidos de emprego ou comentários que configurem ações comerciais ou publicitárias, incluindo números de telefone ou outras formas de contato.

Veja também

ABTV

AB Inteligência