Automotive Business
Siga-nos em:
AB Inteligência

Notícias

Ver todas as notícias

Balanço | 24/10/2013 | 20h34

Faturamento da Renault recua 1,5% em nove meses

Grupo registra ganhos de € 28,4 bilhões contra os € 28,8 bilhões do ano anterior

REDAÇÃO AB

O faturamento da Renault apresentou pequena queda de 1,5% considerando o acumulado entre janeiro e setembro na comparação com mesmo período do ano passado, passando de € 28,8 bilhões para € 28,4 bilhões, informa a companhia em comunicado divulgado na quinta-feira, 24. A divisão automotiva, incluindo a marca Dacia, apurou queda de 1,6% na receita obtida nos nove meses do ano, para € 26,86 bilhões.

Em seu relatório sobre o balanço financeiro, a montadora destaca o resultado do terceiro trimestre, que corresponde aos meses entre julho e setembro, quando o faturamento atingiu € 7,99 bilhões, queda de 3,2% sobre igual período de 2012. Foi o pior resultado entre os três trimestres de 2013: no primeiro (janeiro-março), a Renault havia anotado receita de € 8,26 bilhões, uma queda de 11,8% sobre o primeiro trimestre de 2012, enquanto que no segundo (abril-junho), os ganhos atingiram € 12,17 bilhões, o melhor do ano, mas ainda assim, 8,2% abaixo do registrado no segundo trimestre do ano anterior.

Ainda sobre o terceiro trimestre, a empresa vendeu 614,8 mil unidades em todo o mundo, aumento de 3,1% sobre igual intervalo de 2012, abaixo do nível de crescimento global que foi de 4,6% no período. Todas as regiões, com exceção da Ásia, registraram incremento das vendas e melhoria na participação de mercado.

Na Europa, a Renault cresceu 10,2% no terceiro trimestre e aumentou em 0,6 pontos porcentuais sua participação, para 9,1% daquele mercado. A empresa atribui o bom resultado ao desempenho dos novos modelos Clio, Sandero e Captur. Fora da Europa, o Grupo Renault cresceu 4,8% nos últimos três meses na comparação anual. As vendas fora do continente representaram 52% das entregas totais no mundo, queda de 3 pontos porcentuais na comparação com mesmo intervalo do ano passado.

Nas Américas, os negócios tiveram pequena queda de 0,5%. No Brasil, o segundo maior mercado do grupo no mundo, perdendo apenas para seu país de origem, a Renault atingiu seu melhor resultado em um trimestre, com crescimento de 7,1%, após um primeiro semestre mais difícil, com a falta de produtos devido a paralisação da produção na fábrica de São José dos Pinhais (PR) para obras de reforma que aumentou sua capacidade.

Eurásia e Oriente-Médio/África viram os licenciamentos da marca subirem 18,2% e 2,9%, respectivamente, enquanto que na Ásia-Pacífico houve queda de 30,4%.



Tags: Faturamento, Renault, balanço, receita, vendas, Dacia.

Comentários

Conte-nos o que pensa e deixe seu comentário abaixo Os comentários serão publicados após análise. Este espaço é destinado aos comentários de leitores sobre reportagens e artigos publicados no Portal Automotive Business. Não é o fórum adequado para o esclarecimento de dúvidas técnicas ou comerciais. Não são aceitos textos que contenham ofensas ou palavras chulas. Também serão excluídos currículos, pedidos de emprego ou comentários que configurem ações comerciais ou publicitárias, incluindo números de telefone ou outras formas de contato.

Veja também

ABTV

AB Inteligência