Automotive Business
Siga-nos em:
AB Inteligência

Notícias

Ver todas as notícias

Autopeças | 22/10/2013 | 12h50

Presidente mundial da Bosch destaca operação brasileira

Executivo aposta no Inovar-Auto, mas aponta baixa produtividade da indústria

PAULO RICARDO BRAGA, AB

Sem demonstrar desapontamento pela inesperada paralisação de mil funcionários em frente à fábrica da Bosch, em Campinas (SP), que pretendia visitar, Volkmar Denner, presidente mundial da empresa, recebeu em São Paulo um grupo de jornalistas na noite de segunda-feira, 21, para um balanço das atividades da corporação na América Latina, onde registrou faturamento de R$ 5 bilhões, dos quais R$ 4,1 bilhões obtidos no Brasil. A marca fornece produtos e serviços automotivos para montadoras e para o mercado de reposição, ferramentas elétricas, sistemas de segurança, termotecnologia, máquinas de embalagem e tecnologias industriais.

À véspera de comemorar 60 anos de atividades no País, o que ocorrerá em 2014, o executivo tratou de reforçar a importância da região para a Bosch: “Os mercados latino-americanos e brasileiro são alguns dos mais expressivos e dinâmicos para nós. Estamos profundamente engajados com a América Latina, que deve continuar a desempenhar um papel importante em nosso desenvolvimento”.

Apesar dos avanços acenados pelo governo com o programa Inovar-Auto, Denner não escondeu a preocupação com os problemas que afetam a competitividade da indústria automotiva brasileira, afetada por infraestrutura precária, baixa produtividade, salários em alta, elevada carga de tributos e falta de previsibilidade cambial, que afeta tanto as exportações como as importações. O presidente mundial da Bosch registra, no entanto, que de 1980 a 2010 o PIB nominal do Brasil cresceu mais que 14 vezes e o País representa o quarto maior mercado automotivo do mundo.

O executivo destaca que a empresa aplica 3,5% do faturamento obtido no Brasil em P&D. Um dos frutos desses investimentos foi a primeira tecnologia flex fuel para uso local. Hoje mais de 20 milhões de veículos em circulação no País utilizam o sistema bicombustível gasolina-etanol, uma parcela já dispensando o tanque extra de gasolina. A Bosch trabalha na injeção direta de combustível para fabricantes estabelecidos no País e, internacionalmente, atua no desenvolvimento de sistemas híbridos e elétricos. Uma das soluções promissoras da empresa é o Hybrid Air, criado em conjunto com a PSA Peugeot Citroën, recentemente apresentado no Brasil e levado ao conhecimento do governo como uma alternativa para o programa de eficiência energética veicular (leia aqui).

Denner salientou a participação da Bosch em iniciativas de ponta no desenvolvimento da indústria automobilística, como os sistemas de assistência ao condutor e direção autônoma, dispositivos de segurança para evitar colisão e danos aos ocupantes de veículos e pedestres, além do início da produção no Brasil de sistemas ESP, de controle de estabilidade.

AVANÇO MODERADO

Presente em 150 países, nos segmentos de tecnologia automotiva e industrial, bens de consumo, energia e tecnologia predial, a Bosch obteve receita global de € 52,5 bilhões em 2012, mobilizando 306 mil colaboradores, dos quais 10,7 mil estão na América Latina (9,7 mil no Brasil). A empresa investiu € 4,8 bilhões em P&D no ano passado e solicitou 4,8 mil registros de patentes, 650 a mais do que em 2011 – o equivalente a 19 patentes por dia de trabalho.

Denner projeta crescimento moderado do PIB mundial de 2,3% em 2013 e um avanço de 2,8% em 2014. Como nos anos anteriores, mercados emergentes, como a China e o Sudeste Asiático, devem contribuir fortemente para o crescimento global. Para ele, na América Latina o crescimento deve melhorar em 2013 e em 2014, com o Brasil se desenvolvendo um pouco mais lentamente.

O Grupo Bosch, como um todo, espera registrar crescimento em torno de 2% a 4% em 2013, com destaque para o setor de tecnologia automotiva, que pode avançar cerca de 5% - um crescimento maior do que a produção automotiva mundial.

NOVAS TECNOLOGIAS

Denner garante que a Bosch tem desenvolvido mais soluções pioneiras do que qualquer outro fornecedor, colocando no mercado produtos como o Sistema Antibloqueio de Frenagem (ABS) e o Programa Eletrônico de Estabilidade (ESP), duas tecnologias agora presentes no Brasil. A empresa cria sistemas de assistência ao condutor e faz testes com o sistema de condução autônoma em rodovias públicas na Alemanha e na Califórnia, Estados Unidos.

“Mais de 5 mil engenheiros da Bosch trabalham no futuro dos sistemas de assistência ao condutor e de segurança. Esses sistemas já proporcionam vendas anuais de cerca de € 5 bilhões”, explica, destacando soluções de interconectividade entre pessoas e coisas. “A Internet das coisas e serviços, ou Web 3.0, vai tornar a vida das gerações futuras mais segura, simples e eficiente”, garante, observando que um em cada dois smartphones produzidos em 2012 utiliza sensores microeletromecânicos, ou MEMS, produzidos pela Bosch. Ele ressalta também a importância da tecnologia de detecção humana, permitindo aplicações em sistemas de proteção de pedestres para automóveis e em sistemas de segurança para vigilância em edifícios.

INOVAR-AUTO

A América Latina, na qual o Brasil responde por 80% das vendas, é considerada por Denner uma região estratégica para a Bosch, com excelente potencial de desenvolvimento no longo prazo. Ele entende que o Brasil continua a oferecer muitas oportunidades para todos os setores de atividade da Bosch, com produtos que vão desde tecnologia automotiva (70% da receita local), ferramentas elétricas à tecnologia de automação industrial.

Nos últimos dez anos as vendas da empresa na América Latina mais do que dobraram, mas a Bosch reconhece que em 2012 a situação foi “desafiadora para as divisões automotivas no País, especialmente no segmento de veículos comerciais e no campo das exportações”. Ela projeta crescimento de 3% das vendas no Brasil e na região como um todo e aponta como nova estratégia o desenvolvimento de 150 projetos nas indústrias de mineração, construção, petróleo e gás.

A Copa do Mundo de 2014 já rendeu mais de R$ 16 milhões para a Bosch desde 2011, com o fornecimento de ferramentas elétricas e sistemas de segurança para oito estádios.

Ele reconhece que o Inovar-Auto abre oportunidades de negócios na área de eficiência energética, redução de CO2 e segurança. A marca oferece soluções como partida a frio (Flex-Start), injeção direta bicombustível, start-stop, alternador de alta eficiência e sistemas de arrefecimento. “Não vamos reinventar aqui o que está disponível lá fora”, ressalvou, mas prevê esforço significativo no desenvolvimento e adequação de soluções locais.

A empresa espera que a demanda por ABS evolua a partir de 2014, quando o sistema se tornará obrigatório no Brasil e Argentina. No início deste ano teve início a produção da geração 9 dos sistemas ABS e ESP. “A Bosch é a primeira empresa a produzir ESP na América Latina”, comenta. Denner considera o ABS para motos, produzido no Japão desde 2010, uma tecnologia potencial para a América Latina.

Nos últimos dez anos o grupo investiu R$ 1,9 bilhão na América Latina. Em 2013 serão aplicados R$ 35 milhões na expansão de capacidade produtiva e nacionalização de produtos (como uma unidade injetora de sistema diesel) – mesmo ritmo previsto para 2014. No Brasil são investidos R$ 16 milhões por ano em projetos ambientais nas fábricas e o Instituto Robert Bosch destina R$ 4 milhões a projetos sociais.



Tags: Bosch, Inovar-Auto, flexfuel, P&D, PSA Peugeot Citroën, hybrid air, ABS, ESP.

Comentários

Conte-nos o que pensa e deixe seu comentário abaixo Os comentários serão publicados após análise. Este espaço é destinado aos comentários de leitores sobre reportagens e artigos publicados no Portal Automotive Business. Não é o fórum adequado para o esclarecimento de dúvidas técnicas ou comerciais. Não são aceitos textos que contenham ofensas ou palavras chulas. Também serão excluídos currículos, pedidos de emprego ou comentários que configurem ações comerciais ou publicitárias, incluindo números de telefone ou outras formas de contato.

Veja também

ABTV

AB Inteligência