Automotive Business
Siga-nos em:
AB Inteligência

Notícias

Ver todas as notícias

Engenharia | 18/10/2013 | 14h15

Futuro da mobilidade dependerá de novas plataformas de comunicação entre os segmentos de veículos

Montadoras alemãs debatem tendências do setor dentro do cenário urbano

SUELI REIS, AB

O futuro do veículo no cenário urbano dependerá de um novo patamar de conectividade das tecnologias para promover a comunicação inteligente entre os veículos em todos os segmentos, desde duas rodas, incluindo bicicletas, passando pelo automóvel até atingir o transporte coletivo, que deverá trabalhar em conjunto com uma infraestrutura planejada. Essa á visão partilhada pelos representantes das principais marcas alemãs de veículos que debateram as tendências da mobilidade no painel O carro tem futuro na cidade?, que teve o editor e diretor de Automotive Business, Paulo Ricardo Braga como mediador, durante o Dia da Engenharia Alemã, promovido pela VDI, Associação dos Engenheiros Brasil-Alemanha, na quinta-feira, 17, em São Paulo, em parceria com a Câmara Brasil Alemanha.

Besaliel Botelho, presidente da Robert Bosch para a América Latina, que abriu os trabalhos da mesa redonda, apontou que essa conectividade ditará os novos rumos da mobilidade e que suas novas tecnologias continuarão a ser norteadas pelas tendências que visam proteção ao meio ambiente e pleno atendimento das massas urbanas:

“Este é um problema não só do veículo, da malha rodoviária ou dos desenvolvedores de tecnologias, mas de toda a sociedade, do plano diretor das cidades. Há muito a ser feito em termos de soluções, mas se o governo não entender que deve dar prioridade a este tema, não vamos conseguir sozinhos. As soluções existem, o que falta é vontade, plano, foco e velocidade”, alertou Botelho.

Para o presidente da Mercedes-Benz, Philipp Schiemer, alguns números mostram a urgência em tratar do assunto em conjuntura com outros setores: os países em desenvolvimento puxarão o crescimento da população urbana, que deve alcançar os 9 bilhões de habitantes em 2050. Eles também vão consumir 80% mais petróleo e seus derivados do que os desenvolvidos em 2030. Ele aponta que a escassez de recursos é um dos fatores que continuará influenciando o desenvolvimento de novas tecnologias para veículos e que já se pode perceber esse movimento com o avanço dos híbridos, elétricos e células de combustível.

Em outro âmbito, o político, o executivo alerta que há cada vez mais restrição para o uso do veículo individual motorizado, por meio do aumento de taxas, impostos e a criação em demasiado de corredores exclusivos sem acompanhar a dinâmica real e as necessidades das cidades.

“Mobilidade é um direito, mas fica mais difícil o consumidor ser atraído pelo consumo do veículo, estamos vivendo um mercado penalizado. Mesmo assim, acredito que em 30 anos, o número de automóveis no mundo vai dobrar. Para o Brasil, devemos passar dos atuais 3 milhões para os 5 milhões em 2020”, projeta Schiemer, que completa: “A inovação nos impulsiona, nós criamos o carro e estamos planejando seu futuro dentro do contexto de mobilidade sustentável. Todos os novos veículos e suas novas propulsões limpas são um sinal de onde chegamos e as possibilidades para o futuro”.

O presidente da BMW do Brasil, Arturo Piñero, acredita que a indústria já está preparada para este futuro, mas que a estratégia de sustentabilidade afeta não só o produto, mas a forma de fazê-lo:

“Com o fator de recursos finitos que afeta o âmbito econômico, é preciso optar por tecnologias recicláveis, com custo menor e não contaminantes. Além disso, nós da BMW aprendemos a aplicar nas plantas uma política realmente sustentável, com atenção para uso da água, energia e descarte de materiais.”

O setor deve enfrentar também um novo patamar de relação entre o consumidor com o carro, define o vice-presidente de desenvolvimento de produto da Volkswagen do Brasil, Egon Feichter.

“No Brasil, a relação da pessoa com o carro ainda é de status, posse. Acredito que no futuro, assim como já acontece em outros países do mundo, esta relação migrará para apenas ‘uso’: quero usar apenas quando preciso. E para isso precisamos de sistemas eficientes de conexão que interliguem transporte público, carros de aluguel, pontos para bicicletas, trens de superfície, metrôs... O desafio será a comunicação desse sistema.”

O CFO da Audi Brasil, Miguel Garcia, apresentou um programa da companhia que instiga engenheiros e arquitetos a repensar a estrutura urbana de grandes cidades e a apresentar uma nova proposta de mobilidade para esses locais.

“O projeto une infraestrutura com um apelo social e como a mobilidade pode contribuir para a qualidade de vida das pessoas”. O projeto, que abrangeu diversas megalópoles do mundo, incluindo São Paulo, pode ser visto no link Audi Urban Future Initiative.

Veja entrevista exclusiva de Philipp Schiemer, presidente da Mercedes-Benz no Brasil, Arturo Piñeiro, presidente da BMW do Brasil e Miguel Garcia, CFO da Audi Brasil, que avaliaram a parceria entre Brasil e Alemanha na área de engenharia automotiva:



Tags: VDI, engenharia, conectividade, mobilidade, Mercedes-Benz, Audi, Volkswagen, BMW, Philipp Schiemer, Arturo Piñero, Egon Feichter, Miguel Garcia.

Comentários

Conte-nos o que pensa e deixe seu comentário abaixo Os comentários serão publicados após análise. Este espaço é destinado aos comentários de leitores sobre reportagens e artigos publicados no Portal Automotive Business. Não é o fórum adequado para o esclarecimento de dúvidas técnicas ou comerciais. Não são aceitos textos que contenham ofensas ou palavras chulas. Também serão excluídos currículos, pedidos de emprego ou comentários que configurem ações comerciais ou publicitárias, incluindo números de telefone ou outras formas de contato.

Veja também

ABTV

AB Inteligência