Automotive Business
Siga-nos em:
AB Inteligência

Notícias

Ver todas as notícias

Autopeças | 16/10/2013 | 17h55

Produção de pneus deverá ser recorde em 2013

Aumentou 4% de janeiro a setembro e pode chegar a 68 milhões de unidades até fim do ano

REDAÇÃO AB

A produção brasileira de pneus avançou 4% de janeiro a setembro deste ano em comparação com o mesmo período do ano passado, informou a Associação Nacional da Indústria de Pneumáticos (Anip), na quarta-feira, 16. Foram fabricados nos primeiros nove meses do ano 51,3 milhões de pneus. Diante do crescimento, a associação espera recorde de produção em 2013, chegando a 68 milhões de pneumáticos até o fim do ano. Resultado mais próximo que este foi o de 2010, quando 67,3 milhões de pneus foram feitos.

A produção de pneus radias foi a que mais cresceu no período. Segundo a Anip, aumentou 4,7% de janeiro a setembro, enquanto a de pneus convencionais, apenas 2,4%. "Com isso os pneus radiais, que são mais modernos e mais seguros, já respondem por 70,8% da fabricação no País, mostrando que estamos acompanhando o que ocorre no mundo", afirma Alberto Mayer, presidente da Anip.

MAIS FÁBRICAS NO BRASIL

O executivo tem realizado uma série de reuniões com autoridades governamentais a fim de ampliar a produção nacional nos próximos anos, de modo a acompanhar o crescimento previsto da fabricação de veículos pelo Inovar-Auto. Segundo ele, isso depende do aumento da competitividade com a redução do “Custo Brasil”.

“Um dos aspectos importante seria a manutenção do Reintegra, se possível com aumento da alíquota, pois a atual não repõe totalmente o resíduo tributário na exportação. Se conseguirmos um plano semelhante ao do setor automotivo podemos vir a ter novas fábricas além da que se instalou agora no Paraná (a Dunlop - leia aqui), gerando riqueza para o País e empregos", declara Mayer.

A mudança da relação dólar-real ocorrida nos últimos meses, embora vista de maneira positiva pelo presidente da Anip, não resolve a questão da competitividade, que é mais ampla, e inclui questões como salários X produtividade, logística, tributação e burocracia, o chamado “Custo Brasil”. Além disso, Alberto Mayer ressalta que a nova realidade do mercado cambial traz um impacto negativo sobre o custo das matérias primas importadas, que representam cerca de 70% do total de insumos usados na produção.

VENDAS CRESCEM MAIS QUE PRODUÇÃO

Acompanhando o crescimento da indústria automotiva, de 7,6% nos nove meses de acordo com a Anfavea, a associação dos fabricantes de veículos, as vendas de pneus também cresceram: 7,9% em relação ao mesmo intervalo do ano passado, para 54,62 milhões de unidades, o que inclui pneus importados.

No mercado de reposição a indústria expandiu suas vendas em 14,3% no mesmo período, chegando a 27,90 milhões de unidades, enquanto as vendas para montadoras cresceram 9%, passando de 16 para 17,5 milhões de pneus no mesmo intervalo. Apenas as exportações apresentaram queda em relação ao ano anterior, de 9,3%, ficando em 9,2 milhões de unidades.

O maior crescimento entre os vários tipos de pneus foi das vendas na categoria industrial, com expansão de 64,6%, atingindo 1,5 milhão de unidades ante 954 mil no ano anterior.

"O pneu fabricado no País é de qualidade internacionalmente reconhecida, o que vem há muitos anos permitindo atender à demanda gerada por novos modelos", comenta Alberto Mayer. Segundo ele, a indústria brasileira de pneus só não expande mais as vendas porque muitas fabricantes do exterior levam mais vantagens no mercado de reposição ao oferecer pneus de menor qualidade por preços mais baratos.

No mercado de reposição os importados continuam respondendo por 39% do consumo aparente total dos primeiros nove meses do ano, excluindo duas rodas.

BALANÇA COMERCIAL NEGATIVA

Desde 2010, as importações de pneus têm sido superiores às exportações. De janeiro a setembro deste ano, as importações cresceram 14,8%, atingindo 21,81 milhões de unidades ante 18,99 milhões no mesmo período de 2012 (exceto motos). Enquanto isso as exportações tiveram um redução de 9,3%, para 9,20 milhões de pneus.

"A balança comercial negativa, desde 2010, após anos de dados positivos, só poderá ser revertida com medidas que ampliem a competitividade nacional, a partir da redução de custos", diz Alberto Mayer.

RECICLAGEM

A Reciclanip, entidade sem fins lucrativos mantida pela indústria do setor, reciclou no primeiro semestre deste ano 183 mil toneladas de pneus inservíveis, o equivalente a 36,6 milhões de pneus de carros de passeio.

"Temos hoje mais de 800 pontos de coleta espalhados por todos os estados brasileiros. Para retirar o produto descartado nesses locais contamos, em média, com 60 caminhões transitando diariamente durante todo o ano", conta o presidente da Anip.



Tags: Anip, pneus, produção, vendas, Alberto Mayer, importação, exportação, balança comercial.

Comentários

Conte-nos o que pensa e deixe seu comentário abaixo Os comentários serão publicados após análise. Este espaço é destinado aos comentários de leitores sobre reportagens e artigos publicados no Portal Automotive Business. Não é o fórum adequado para o esclarecimento de dúvidas técnicas ou comerciais. Não são aceitos textos que contenham ofensas ou palavras chulas. Também serão excluídos currículos, pedidos de emprego ou comentários que configurem ações comerciais ou publicitárias, incluindo números de telefone ou outras formas de contato.

Veja também

AB Inteligência