Automotive Business
Siga-nos em:
AB Inteligência

Notícias

Ver todas as notícias

Indústria | 23/09/2013 | 19h30

Mercado global será impulsionado pelos emergentes até 2019

E exportação será a saída para driblar excedente de produção

CAMILA FRANCO, AB

O crescimento do mercado global será impulsionado até o fim da década pelos emergentes, apesar das influências dos Estados Unidos e de países europeus. A previsão é de Marcelo Cioffi, sócio e diretor da PwC. Presente no I Fórum da Qualidade Automotiva, promovido pelo IQA (Instituto da Qualidade Automotiva), na segunda-feira, 23, em São Paulo, Cioffi mostrou dados apurados pela consultoria que comprovam que os países em desenvolvimento, como o Brasil, produzirão juntos mais de 85% dos 105 milhões de veículos previstos para 2019.

A América do Sul terá uma participação de 8,1% nesses 85%, enquanto a Ásia em desenvolvimento (China, Índia, Indonésia, entre outros), de 62,2%. Mas com o aumento da produção surge um problema: deverá haver um excedente de 25 milhões de veículos em 2019, alertou o executivo.

A saída para tirar proveito da curva ascendente de produção, diante de um mercado interno saturado, é recorrer às exportações. Atualmente, segundo Stephan Keese, sócio e diretor da Roland Berger, participante do mesmo painel, o Brasil exporta muito pouco, apenas com volumes significativos para Argentina, África do Sul e México.

“O Inovar-Auto foi um primeiro passo importante para preparar montadoras e sistemistas. Mas, depois dessa fase inicial, os fabricantes deverão arregaçar as mangas para agregar tecnologia aos seus produtos, tornando-os competitivos para brigar em outros mercados saturados. Ao governo caberá aumentar os acordos bilaterais. Enquanto temos três parceiros, o México, por exemplo, exporta para cerca de 25 países”, comentou Cioffi.

Na visão de Keese, para abrir as portas do Brasil para as exportações são necessários três ingredientes principais: mais conteúdo tecnológico para toda a cadeia automotiva, incluindo os tiers 2; custos menores de mão-de-obra e de matéria-prima para aumentar produtividade; e melhor infraestrutura logística que apresente custos mais baixos.

“Estamos em fase atrativa da indústria brasileira. Mas ainda devemos manter uma expectativa conservadora por causa da nossa falta de competitividade tecnológica e altos custos de produção. É importante que todo a cadeia brasileira trabalhe em conjunto para ganhar destaque no cenário global”, aconselhou Stephan Keese.

Em 2013, a América do Sul tem aproveitado cerca de 70% da sua capacidade produtiva. Em 2015, esse número deve cair para 65%. Só depois de 2019 é que deve chegar a 75%, de acordo com as estimativas de Cioffi. “Estamos abaixo da média global e por isso é importante que a Anfavea, a associação dos fabricantes de veículos, incentive o quanto antes as exportações”, acrescentou o consultor.

COMPETITIVIDADE LÁ FORA

Um dos países com um dos maiores índices de utilização da capacidade, em torno de 80%, é a China. Não por coincidência, é também o maior mercado do mundo atualmente.

A Índia, segundo Cioffi, tem um potencial enorme. Em 2004, fazia pouco mais de 1 milhão de veículos e em 2014 já alcançará 4 milhões de unidades. Sua capacidade de utilização industrial deve ficar em torno de 70% em 2019.

Na Ásia já desenvolvida, região que tem o Japão como o principal mercado, a tendência é transferir a produção para países emergentes e maiores. No mesmo terreno a Coreia do Sul tem conseguido abrir seu leque de exportações. A Austrália compartilha a mesma situação do Japão. Sem perspectivas de crescimento, também tem fechado fábricas.

Os Estados Unidos, país fortemente sensível ao preço do combustível, está diminuindo o tamanho dos veículos, com o intuito de reduzir o consumo sem deixar de vender. Segundo Cioffi, o mercado de SUVs, picapes e vans, que detinha 43% de participação nas vendas de 2003, agora tem quase 25%. Os compactos ganham espaço e, somados a uma economia saudável, serão fundamentais para que os EUA cheguem a 15,5 milhões de veículos este ano e a 17 milhões em 2019, nível que produzia antes da crise entre os anos de 2003 e 2007.

A Europa, que na opinião do executivo da PwC chegou este ano ao fundo do poço, com o pior resultado da história recente, apresentará reação já no primeiro semestre de 2014. “Mas isso só acontecerá porque o continente está fazendo seu dever de casa, fechando fábricas menos eficientes e apostando em novos produtos. Outra estratégia importante que está sendo adotada é a formação de joint ventures entre empresas importantes, como GM e PSA Peugeot Citroën, que juntas têm reduzido custos de produção e aumentado a sinergia para sair do buraco. E só assim, com produção ajustada, que todos os países conseguem atrair a competitividade”, concluiu Cioffi.



Tags: Marcelo Cioffi, Stephan Keese, competitividade, mercado, Fórum da Qualidade, produção, IQA.

Comentários

Conte-nos o que pensa e deixe seu comentário abaixo Os comentários serão publicados após análise. Este espaço é destinado aos comentários de leitores sobre reportagens e artigos publicados no Portal Automotive Business. Não é o fórum adequado para o esclarecimento de dúvidas técnicas ou comerciais. Não são aceitos textos que contenham ofensas ou palavras chulas. Também serão excluídos currículos, pedidos de emprego ou comentários que configurem ações comerciais ou publicitárias, incluindo números de telefone ou outras formas de contato.

Veja também

ABTV

AB Inteligência