Automotive Business
Siga-nos em:
AB Inteligência

Notícias

Ver todas as notícias

Entidades | 18/09/2013 | 19h31

Abeiva diz que não perderá força com saída de associados

Vice-presidente diz que entidade se manterá como porta de entrada de novas marcas no Brasil
GIOVANNA RIATO, AB

A Abeiva, organização que reúne os importadores de veículos sem fábrica no Brasil, prepara-se para uma nova fase, com diminuição significativa no número de associados nos próximos meses. A redução acontecerá assim que algumas das marcas filiadas a entidade deixarem a posição de importadoras para começarem a produzir nacionalmente. Diante disso, é natural que as companhias deixem a entidade e se associem à Anfavea, que representa os fabricantes.

Marcel Visconde, vice-presidente da Abeiva e presidente da Porsche, garante que a organização não perderá sua força com a redução do número de empresas que representa. “Continuaremos próximos do governo, fornecendo informações e mantendo um trabalho importante. Ainda existe muito espaço para que novas companhias entrem no mercado brasileiro e nós acolheremos essas newcomers”, explica. Segundo ele, é natural que a entidade sirva como porta de entrada para o mercado nacional.

O executivo destaca que nos últimos anos a companhia tem desenvolvido forte trabalho de aproximação com o governo. Segundo ele, o Inovar-Auto é um exemplo da melhora desse relacionamento. “Não tínhamos nada e conseguimos as cotas de importação isentas de IPI”, aponta. O vice-presidente afirma que a entidade ajudou a lapidar o novo regime automotivo, servindo como um contraponto à Anfavea.

PRODUÇÃO LOCAL

A nacionalização dos veículos é um caminho será trilhado por algumas das marcas com maiores volumes de vendas da Abeiva. A chinesa Chery, que trabalha na construção de fábrica em Jacareí (SP), já se desligou da entidade e não aparece mais na lista de associadas à Abeiva. O mesmo deve acontecer em breve com a conterrânea JAC Motors, que investe para iniciar a produção em Camaçari (BA) no fim de 2014.

Mais recentemente, o interesse pela produção local atingiu também as marcas de luxo. Essas empresas viram a sua capacidade de crescer no mercado nacional ser ameaçada pelo Inovar-Auto, que determinou cotas de importação isentas do adicional de 30 pontos no IPI limitadas ao teto de apenas 4,8 mil unidades por ano.

Diante disso, a BMW decidiu construir uma planta em Araquari (SC). A Audi também anunciou retomada da fabricação local com aporte de € 150 milhões no mesmo complexo industrial da Volkswagen em São José dos Pinhais (PR). Até o fim deste ano há a expectativa de que a Land Rover se junte ao grupo de marcas de luxo que produzirão no Brasil.

Tags: Abeiva, Marcel Visconde, entidade, associação, importadores.

Comentários

Conte-nos o que pensa e deixe seu comentário abaixo Os comentários serão publicados após análise. Este espaço é destinado aos comentários de leitores sobre reportagens e artigos publicados no Portal Automotive Business. Não é o fórum adequado para o esclarecimento de dúvidas técnicas ou comerciais. Não são aceitos textos que contenham ofensas ou palavras chulas. Também serão excluídos currículos, pedidos de emprego ou comentários que configurem ações comerciais ou publicitárias, incluindo números de telefone ou outras formas de contato.
AB Inteligência