Automotive Business
Siga-nos em:
AB Inteligência

Notícias

Ver todas as notícias

Legislação | 09/09/2013 | 16h41

Inovar-Auto é bem-vindo, mas ainda patina

Indústria celebra pontos altos do novo regime, mas questiona demora em sua regulamentação

CAMILA WADDINGTON, PARA AB

Compensar a falta de competitividade da indústria automotiva brasileira por meio da legislação é o objetivo primeiro do Inovar-Auto, conforme ficou claro nas palestras de abertura do Workshop Desafios da Legislação Automotiva 2014, realizado por Automotive Business na segunda, 9, na capital paulista. No entanto, quase um ano após o anúncio do novo regime legal automotivo, o que se tem é uma grande interrogação sobre seu funcionamento, como atender às exigências e sua verdadeira efetividade.

Luiz Moan, presidente da associação dos fabricantes, a Anfavea, apresentou o programa a partir do ponto de vista das montadoras, ou, em suas palavras, “a nova política industrial de médio e longo prazos para as montadoras instaladas no País”. O impacto do Inovar Auto, segundo ele, já se fez sentir. Enquanto em dezembro de 2011 o mercado brasileiro consumia 27% de suas vendas em veículos importados, até o fim de 2013 a estimativa é de que esse volume caia para 18% - “e isso com o mercado crescente”, pondera Moan. Esse quadro traduz o objetivo dos fabricantes representados pela Anfavea de transformar o Brasil em um país não apenas consumidor, mas também produtor. “Somos o quarto maior mercado de automóveis do mundo, e apenas o sétimo em produção. Isso não faz o menor sentido.”

Sob esse aspecto, Moan considera a legislação um avanço, principalmente diante da necessidade de se construir um parque de fabricantes de autopeças. E, para isso, é preciso tornar a indústria nacional competitiva. “Se não houver escala de produção, não há como se deduzir a tributação. Esta é, portanto, uma oportunidade industrial para os fabricantes de insumos e autopeças.”

Ademais, com a exigência por maiores índices de eficiência energética e menos emissões, haverá demanda por novos componentes e equipamentos para atender a essas metas. E, segundo Moan, muitos deles ainda não são produzidos no País. “É uma política que necessita de muitos ajustes, mas tem muitos benefícios a trazer para nossa indústria.”

Moan espera que até 2015 já esteja negociado o Inovar-Auto 2, para dar continuidade ao progresso esperado da legislação que entrou em vigor no início de 2013 e vigora até 2017. “Precisamos, sobretudo, de planejamento.”

SINTONIA

Pela ótica dos fabricantes de autopeças falou Dan Ioschpe, conselheiro de economia do Sindipeças, cuja opinião é bastante semelhante à de Moan, tanto no aspecto benéfico do Inovar-Auto, como quanto à questão do planejamento. Ioschpe, entretanto, é mais austero: “Não podemos achar que o Inovar-Auto vai resolver todos os problemas da indústria, pois está longe disso.”

O desenvolvimento de produtos e conceitos em centros de pesquisa instalados no País é um dos pontos altos do programa na análise do executivo. “O regime, por si só, não determina o conteúdo local, mas incentiva a nacionalização de processos fabris por meio da redução da tributação.”

Ioschpe ressente, apenas, da demora na regulamentação da rastreabilidade das autopeças, ponto central para definir o real índice de compras locais, uma das exigência do Inovar-Auto para obtenção de desconto fiscal. “É o ponto mais importante para nós, fabricantes de autopeças, mas ainda muito obscuro sobre como funcionará.” Basta dizer que, hoje, menos de 30% das autopeças produzidas no País é rastreável, para se ter ideia da dimensão do problema.

Sobre um possível Inovar-Auto 2, Ioschpe vê com “bons olhos”: “Quanto maior a visibilidade do que vier adiante e mais prazo tivermos, como cadeia, maiores as chances de implementamos as ações necessárias”. Ele acrescenta que, com esta perspectiva de planejamento proporcionada pelo Inovar-Auto, muitas empresas que apenas montam veículos por aqui com grande quantidade de itens importados terão incentivo para produzir localmente.

“Acredito que, agora, encontramos a metodologia que, com a correta implementação, podemos ou não ampliar o conteúdo local dos automóveis produzidos no País. O fato é que estamos ajudando a indústria nacional a crescer e se desenvolver.”

Assista abaixo a entrevista exclusiva de Luiz Moan a ABTV:



Tags: Inovar-Auto, legislação, Anfavea, Luiz Moan, Dan Iochpe.

Comentários

  • Julian Cassimiro

    Anfavea... faltou a cereja! Como deixaram um programa de grande relevancia para a indústria sem a regulamentação principal do conteúdo local?! Acredita-se nos bastidores que a demora desta regulamentação está sendo controlada pelos manda-chuvas do setor.

Conte-nos o que pensa e deixe seu comentário abaixo Os comentários serão publicados após análise. Este espaço é destinado aos comentários de leitores sobre reportagens e artigos publicados no Portal Automotive Business. Não é o fórum adequado para o esclarecimento de dúvidas técnicas ou comerciais. Não são aceitos textos que contenham ofensas ou palavras chulas. Também serão excluídos currículos, pedidos de emprego ou comentários que configurem ações comerciais ou publicitárias, incluindo números de telefone ou outras formas de contato.

Veja também

AB Inteligência