Automotive Business
Siga-nos em:
AB Inteligência

Notícias

Ver todas as notícias
Anfavea: produção sobe mais, mercado interno cresce menos
Moan: “Vamos este ano bater recorde de produção e licenciamentos”

Conjuntura | 05/09/2013 | 19h30

Anfavea: produção sobe mais, mercado interno cresce menos

Entidade revisa projeções para 2013

PEDRO KUTNEY, AB

A associação dos fabricantes de veículos, a Anfavea, fez dois movimentos opostos em suas projeções de desempenho para 2013. Do lado positivo, acrescentou à produção o efeito benéfico do aumento das exportações este ano. Com isso, agora espera que as fábricas devem produzir quase 12% mais do que em 2012, um crescimento bastante expressivo, visto que a previsão anterior, feita no começo do ano, era de avanço de 4,5%. Do lado negativo, a entidade reconheceu a desaceleração do mercado doméstico e revisou para baixo sua expectativa, estimando incremento nas vendas de 1% a 2%, contra 4,5% até o mês passado.

Luiz Moan, presidente da Anfavea, evitou dar qualquer conotação negativa à revisão das projeções, nem sequer pronunciou a palavra “redução” para o desempenho do mercado interno. “Vamos este ano bater recorde de produção e licenciamentos”, disse, em tom otimista.

No mês passado, a projeção de exportações, que no início deste ano era de queda de 4,6%, para 415 mil unidades embarcadas, foi invertida para aumento de 20%, ou 534 mil. Isso significa quase 90 mil a mais do que o volume exportado em 2012, de 445 mil. O inesperado crescimento das vendas nos principais países compradores do Brasil forçou a revisão e impactou diretamente na produção, que a Anfavea preferiu esperar mais um mês para revisar, esperando pelo fechamento do mercado interno em agosto.

Com as exportações em alta, os fabricantes agora projetam produção de 3,79 milhões de veículos no País este ano, em crescimento de 11,9% sobre 2012.

MERCADO INTERNO CRESCE MENOS

Para as vendas domésticas, no entanto, o cenário tornou-se mais conservador, com desaceleração do ritmo de crescimento. Depois de sustentar por nove meses que o mercado interno deveria avançar de 3,5% a 4,5% este ano, para 3,93 milhões a 3,97 milhões de unidades emplacadas, a Anfavea reconheceu o ritmo mais lento das compras e agora projeta incremento de 1% a 2%, para 3,84 milhões a 3,88 milhões.

Ainda assim, Moan considera o resultado bom, tendo em vista que a economia brasileira não cresceu tanto quanto se esperava no início de 2013. Outros fatores, segundo ele, foram a perda de confiança do consumidor em face das notícias negativas e as manifestações de junho, que afastaram clientes das concessionárias devido às muitas passeatas e tumultos.

Tudo somado, pela primeira vez na última década o crescimento das vendas de veículos no País deverá ficar abaixo da evolução do PIB, que pode avançar em torno de 2,5% este ano. “Dessa vez ficamos descolados (para baixo), mas no longo prazo acredito que voltaremos a crescer acima do PIB”, avaliou Moan.

Para sustentar a estimativa de crescimento de 1% a 2% este ano, mesmo após queda de 1,2% nas vendas acumuladas de janeiro a agosto, Moan fez uma conta mostrando que os emplacamentos devem crescer 5,3% de setembro a dezembro em comparação com os mesmos meses de 2012. Ele estima que será mantido um ritmo de 340 mil veículos/mês daqui para frente, somando 1,37 milhão de unidades até o fim do ano.

CAMINHÕES E ÔNIBUS

Para veículos comerciais pesados as projeções da Anfavea continuam a sustentar forte expansão das vendas internas. Para caminhões a previsão é de crescimento de 8% sobre o ano passado, com 150 mil unidades, ante 139 mil em 2012. No caso dos ônibus o incremento esperado é de 6%, para 30,5 mil chassis, ante 28,8 mil no ano anterior.



Tags: Anfavea, projeção, previsão, mercado, vendas, produção, exportação.

Comentários

Conte-nos o que pensa e deixe seu comentário abaixo Os comentários serão publicados após análise. Este espaço é destinado aos comentários de leitores sobre reportagens e artigos publicados no Portal Automotive Business. Não é o fórum adequado para o esclarecimento de dúvidas técnicas ou comerciais. Não são aceitos textos que contenham ofensas ou palavras chulas. Também serão excluídos currículos, pedidos de emprego ou comentários que configurem ações comerciais ou publicitárias, incluindo números de telefone ou outras formas de contato.

Veja também

ABTV

AB Inteligência