Automotive Business
  
ABLive

Notícias

Ver todas as notícias

Máquinas | 26/08/2013 | 20h32

AGCO volta os olhos para América do Sul

Grupo reestrutura estratégia na região com foco em outros segmentos do mercado

SUELI REIS, AB | De Esteio (RS)

A líder de vendas no segmento de tratores no Brasil, AGCO, que detém as marcas de máquinas e equipamentos agrícolas Massey Ferguson e Valtra, estrutura nova estratégia na América Sul com foco no aumento de sua participação em outros mercados. Segundo os dados divulgados pelo vice-presidente sênior e gerente geral da AGCO América do Sul, André Carioba, na segunda-feira, 26, durante a Expointer, feira agropecuária realizada em Esteio (RS), os números apontam que tratores representaram 79% das vendas totais da companhia em 2012. Com as duas marcas, o grupo é responsável por 46% do mercado de tratores no Brasil, principal e maior mercado da região, enquanto que em colheitadeiras a fatia está em 15%.

O executivo lembra que o auge da venda de tratores a partir da introdução do programa Mais Alimentos ocorreu entre 2009 e 2011 e que atualmente o ritmo de vendas do segmento está mais lento.

“Nossa meta aponta para um mix menos centralizado em até seis anos, quando tratores não devem ultrapassar 67% das vendas, dando mais espaço para os crescimentos progressivos de colheitadeiras, equipamentos de cana-de-açúcar, implementos e pulverizadores entre outros equipamentos”, conta o executivo.

Parte da estratégia para alavancar outros segmentos em que atua já saiu do papel: a maior parte de seu investimento previsto para a América do Sul em 2013, de US$ 80 milhões, é dedicada à modernização da fábrica de colheitadeiras localizada em Santa Rosa (RS), que recebeu US$ 35 milhões em um novo sistema de pintura, baseado em nanotecnologia, inaugurado em maio deste ano. Carioba explica que para o mercado nacional de colheitadeiras, a empresa traça como meta alcançar participação de 25% a 30% nos próximos anos: hoje, conta com 12% de market share neste mercado.

“Em colheitadeiras, tem muito espaço para crescer e vamos crescer. Ainda não sabemos como ficará a taxa do Finame PSI no ano que vem. Espero que o governo continue com esse apoio que é importante, não apenas para nós fabricantes, mas para nosso agricultor, mesmo que com taxas maiores, porque vai alimentar toda a nossa indústria, não só de máquinas, mas de outros ramos, como caminhões”, declarou.

Outros US$ 10 milhões estão sendo investidos na planta da Santal, em Ribeirão Preto, no interior paulista, que fabrica equipamentos para o plantio de cana-de-açúcar e da qual a AGCO adquiriu 60% das ações em 2012. O aporte contempla lançamentos como uma plantadora e uma nova versão de colhedora de cana.

“Com este investimento, prevemos que a participação da Santal no mercado de equipamentos da cultura de cana-de-açúcar passará de 2% para 5% já neste ano”, comemora Carioba.

A empresa planeja ainda outros aportes para as unidades de Mogi das Cruzes (SP) e Canoas (RS), mas não divulgou seus valores. Além do Brasil, outros mercados também recebem investimentos, como a Argentina: cerca de US$ 140 milhões foram aplicados na nova unidade de manufatura de tratores e motores na província de General Rodrigues, com previsão de inauguração no próximo 1º de outubro. Com capacidade produtiva de 3,5 mil tratores e 2 mil motores por ano, a planta equipará máquinas tanto da Massey Ferguson como Valtra.

“Vai depender do mercado o quanto vamos crescer para atingir a capacidade estabelecida, não há um prazo estimado, mas há espaço para expansão e para exportação para outros mercados da região, como Uruguai, Paraguai e Chile.”

No fim de setembro, a companhia abre na Rússia uma fábrica de tratores e colheitadeiras da Massey Ferguson e deve expandir também suas operações na China, com a montagem de tratores Massey Ferguson de baixa potência e aumentar as importações da Valtra a partir do Brasil e Finlândia.

AGCO EM NÚMEROS

Pela primeira vez, o presidente e CEO global da AGCO, Martin Richenhagen, visita a Expointer e aproveita para expor as expectativas do grupo com relação ao mercado sul-americano. Suas projeções indicam que a região deve ganhar o topo de importância ao encerrar o ano com salto participação na receita mundial, passando de 19% em 2012, quando a companhia faturou, pela primeira vez em sua história, cifra de US$ 10 bilhões, para 27% do faturamento de 2013, estimado em US$ 11 bilhões.

No guidance, a região Ásia Pacífico deve representar 24%, seguida por América do Norte, com 9%, e EAME (Europa, África e Oriente Médio), com 6%. Com a alta demanda por alimentos, a produção mundial de commodities será impulsionada pelos países emergentes, onde a empresa foca seus negócios e investimentos:

“O grupo está seguindo para mais um ano de recorde e o Brasil tem um papel muito importante neste resultado, com mais máquinas e tecnologia agregada para melhoria da agricultura”, enfatiza Richenhagen.

Para o executivo, a América do Sul deve apresentar neste ano o maior crescimento de vendas de tratores entre as regiões citadas, entre 15% e 20%, enquanto espera queda de até 5% no Leste Europeu e alta de 5% nos Estados Unidos. O grupo mantém o plano de investimentos para o ano, estimado entre US$ 400 milhões e US$ 455 milhões, dos quais mais da metade será utilizado na expansão e modernização de sites industriais.

“Além disso, este ano, investiremos 11% da nossa receita em pesquisa e desenvolvimento de novos produtos e modernização de processos”, conclui.



Tags: AGCO, máquinas agrícolas, tratores, colheitadeiras, Massey Ferguson, Valtra, André Carioba, Martin Richenhagen.

Comentários

Conte-nos o que pensa e deixe seu comentário abaixo Os comentários serão publicados após análise. Este espaço é destinado aos comentários de leitores sobre reportagens e artigos publicados no Portal Automotive Business. Não é o fórum adequado para o esclarecimento de dúvidas técnicas ou comerciais. Não são aceitos textos que contenham ofensas ou palavras chulas. Também serão excluídos currículos, pedidos de emprego ou comentários que configurem ações comerciais ou publicitárias, incluindo números de telefone ou outras formas de contato.

Veja também

ABTV

AB Inteligência