Automotive Business
  
ABLive

Notícias

Ver todas as notícias

Insumos | 21/08/2013 | 18h43

Indústria do aço revê expectativas para 2013

Exportação deve fechar com queda de 13% ante 2012 e importação, com retração de 14,4%

AGÊNCIA BRASIL

A indústria de aço do Brasil reduziu as expectativas de exportação e importação para 2013. As exportações devem cair 13% ante 2012, alcançando 8,5 milhões de toneladas, e as importações têm estimativa de queda de 14,4%, com 3,2 milhões de toneladas. A produção de aço bruto deve fechar o ano com 34,5 milhões de toneladas, estável em relação ao ano passado.

Por outro lado, as importações indiretas de aço, contido em bens de consumo como máquinas e carros, subiram 17,7% entre janeiro e julho deste ano, na comparação com 2012. As vendas internas foram estimadas em 22,8 milhões de toneladas para o ano, alta de 5,3%, e o consumo aparente no Brasil pode crescer 3,2%, chegando a 26 milhões de toneladas.

Os dados foram divulgados pelo Instituto Aço Brasil. De acordo com o presidente executivo da entidade, Marco Polo de Mello Lopes, a perda de competitividade da indústria brasileira está ligada ao cenário mundial, que apresenta excedente de 587 milhões de toneladas de aço, que equivale a 22 vezes o consumo brasileiro, com perspectiva de produção de um adicional de 192 milhões de toneladas no exterior até 2015.

“O mundo vai ser inundado [por uma produção excedente de aço] e isso só poderia ser absorvido se o consumo estivesse crescendo muito. E não o que está acontecendo. Então, o mundo externo não é solução para o Brasil no setor siderúrgico. Com esse volume monumental, a exportação, que no passado nos ajudou a trabalhar com uma capacidade instalada mais alta, pode esquecer. Atualmente, temos práticas predatórias e preços deprimidos”, diz Lopes.

De acordo com os dados, a indústria tem trabalhado com 70% da capacidade instalada, quando o ideal é ficar em 85%. Além disso, a sobra da produção em relação à demanda do mercado interno deve chegar a 69% em 2013.

Outro ponto que pode prejudicar ainda mais a competitividade da siderurgia brasileira, segundo o Instituto Aço Brasil, é a não renovação das alíquotas de imposto de importação sobre alguns produtos, estabelecida pela Câmara de Comércio Exterior (Camex) do Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior (MDIC) em setembro do ano passado. O ministro da Fazenda, Guido Mantega, anunciou que o governo estuda rever a medida.



Tags: Indústria de aços, importações indiretas, máquinas, carros, Instituto Aço Brasil.

Comentários

Conte-nos o que pensa e deixe seu comentário abaixo Os comentários serão publicados após análise. Este espaço é destinado aos comentários de leitores sobre reportagens e artigos publicados no Portal Automotive Business. Não é o fórum adequado para o esclarecimento de dúvidas técnicas ou comerciais. Não são aceitos textos que contenham ofensas ou palavras chulas. Também serão excluídos currículos, pedidos de emprego ou comentários que configurem ações comerciais ou publicitárias, incluindo números de telefone ou outras formas de contato.

Veja também

ABTV

AB Inteligência