Automotive Business
  
ABLive

Notícias

Ver todas as notícias

Autopeças | 20/06/2013 | 18h10

Iochpe-Maxion na lista dos 100 maiores fornecedores

Ranking anual da Automotive News traz algumas mudanças nas primeiras posições

PEDRO KUTNEY, AB

A brasileira Iochpe-Maxion entrou na lista dos 100 maiores fornecedores do mundo em 2012, segundo a mais recente edição anual do levantamento publicado esta semana pela Automotive News. Após expansão de mais de US$ 1 bilhão, ou 67%, nas vendas diretas de componentes aos fabricantes de veículos, de US$ 1,74 bilhão em 2011 para US$ 2,9 bilhões no ano passado, a empresa figura na 67ª posição do ranking.

Com sede administrativa na cidade de São Paulo e três unidades industriais no Brasil voltadas ao setor automotivo, uma fábrica na China e outra no México, a Iochpe-Maxion é possivelmente a maior fabricante mundial de rodas de aço. O fornecimento para automóveis e comerciais leves surgiu após a compra da planta da Fumagalli em Limeira (SP), vendida em 2009 pela norte-americana Meritor. Hoje a Divisão Fumagalli representa 26% da receita liquida da Iochpe e detém 52% do mercado brasileiro de rodas para veículos leves, além de 30% do mercado de automóveis na América do Norte, alimentado pela fábrica mexicana de San Luis de Potossi.

A Divisão de Rodas e Chassis fornece para fabricantes de caminhões, ônibus e máquinas agrícolas e tem maior faturamento da companhia, equivalente a 55% da receita líquida. Com unidades em Cruzeiro (SP) e Nantong (China), a Iochpe-Maxion tem cerca de 62% das vendas de rodas e 67% do mercado de chassis para veículos pesados no Brasil, segundo a empresa. A Divisão Componentes Automotivos produz em Contagem (MG) conjuntos estampados estruturais, alavanca de freio de mão, pedaleiras e outros produtos de aço para automóveis, representando 8% das receitas. O restante do faturamento vêm da divisão ferroviária.

RANKING

O ranking dos 100 maiores fornecedores de componentes automotivos teve algumas poucas, mas significativas, mudanças entre 2011 e 2012. A Bosch continua na primeira posição, mas teve expressiva redução de faturamento, de quase US$ 3 bilhões, de um ano para outro, quando suas vendas diretas para as montadoras recuaram 7,3%. A empresa foi a única entre as 10 primeiras da lista a sofrer redução de faturamento.

A principal concorrente da Bosch atualmente, a também alemã Continental, manteve a terceira colocação no ranking e teve desempenho oposto ao da rival, com crescimento de US$ 2,3 bilhões no faturamento de 2012, o que significou avanço de 7,54% sobre 2011.

Ainda entre as dez maiores, a francesa Faurecia ficou com o faturamento praticamente estagnado e assim desceu da sexta para a sétima posição, trocando de posto com a Johnson Control, única americana entre as dez primeiras, que com aumento das vendas em 5,68% subiu um degrau.

Na décima posição em 2012 surgiu uma nova integrante da lista das 10 mais, a japonesa Yazaki, que com expansão no faturamento de 13,67% tomou o posto que foi da americana Delphi em 2011. Com recuo de 10% nas vendas, de US$ 14,4 bilhões para US$ 16 bilhões, no ano passado a Delphi perdeu duas posições e passou a ser a 12ª maior fornecedora do mundo. Foi superada também pela Lear, que teve pequeno avanço das receitas, para US$ 14,5 bilhões, o suficiente para subir do 13º para o 11º degrau.

Veja abaixo a lista dos dez maiores fornecedores de 2012 por faturamento no ranking da Automotive News:

Top

Acesse aqui a lista completa.



Tags: Fornecedores, autopeças, componentes, ranking, Bosch, Denso, Continental, Magna, Aisin, Johnson Controls, Faurecia, Hyundai Mobis, ZF, Yazaki, Maxion, Iochpe.

Comentários

  • Claudia jesus de andrade

    gostei muito o trabalho de vocês è muito bem feito parabèns para todos vocês

Conte-nos o que pensa e deixe seu comentário abaixo Os comentários serão publicados após análise. Este espaço é destinado aos comentários de leitores sobre reportagens e artigos publicados no Portal Automotive Business. Não é o fórum adequado para o esclarecimento de dúvidas técnicas ou comerciais. Não são aceitos textos que contenham ofensas ou palavras chulas. Também serão excluídos currículos, pedidos de emprego ou comentários que configurem ações comerciais ou publicitárias, incluindo números de telefone ou outras formas de contato.

Veja também

AB Inteligência