Automotive Business
Siga-nos em:
AB Inteligência

Notícias

Ver todas as notícias

Autopeças | 12/06/2013 | 18h14

Bosch prevê crescimento de 3% na América Latina

Região tem grande potencial de desenvolvimento, avalia presidente da empresa, Besaliel Botelho

REDAÇÃO AB

A Bosch prevê aumentar seu faturamento em até 3% em 2013 na América Latina, onde o resultado do ano passado apresentou queda de 6,7%, ao registrar R$ 5 bilhões, incluindo exportações e vendas de empresas do grupo. No ano passado, o Brasil foi responsável por 82% desse volume, atingindo R$ 4,1 bilhões, dos quais 23% foram gerados pelas exportações para outros países da América Latina, Estados Unidos e Europa.

“O cenário econômico fez de 2012 um dos anos mais desafiadores para a Bosch no Brasil, principalmente para as divisões do setor automotivo, em especial no segmento de veículos comerciais e exportações. Em contrapartida, o desenvolvimento dos negócios nos demais países da América Latina mostrou-se consistente, com destaque aos negócios dos setores de bens de consumo e construção e tecnologia industrial", avalia Besaliel Botelho, presidente da Robert Bosch para a América Latina.

Na região, a empresa está presente, além do Brasil, na Argentina, Chile, Colômbia, Panamá (com o centro de competência para a América Central e Caribe), Peru e Venezuela, além de representações comerciais na Bolívia e Costa Rica. Para Botelho, apesar da retração da economia, a região continua a ser um dos principais destinos dos produtos e serviços da Bosch.

“A América Latina continua oferecendo muitas oportunidades para todas as nossas divisões de negócios. Sem dúvida, trata-se de uma região estratégica para a Bosch devido ao grande potencial de desenvolvimento no longo prazo. Nos primeiros meses do ano, já constatamos parcial recuperação no volume de negócios, inclusive do setor automotivo”, acrescenta.

Para crescer, a empresa mantém seu plano de investimento, que prevê R$ 35 milhões na região em 2013, que contemplará a instalação de novas linhas de produtos com foco na expansão de capacidade produtiva e a nacionalização de produtos. Entre os projetos programados, está o início da produção do Unit Injector para sistemas diesel, cujos preparativos para a chegada da nova linha de produção na unidade de Curitiba (PR) começam ainda este ano, informa.

“Com a fabricação local deste produto, atenderemos a demanda de nossos clientes na região que utilizam o sistema em seus motores para estarem em conformidade com a atual legislação de emissões Euro 5.”

O motor flex também terá novidade. O sistema, que este ano completa 10 anos de lançamento comercial e a marca de 20 milhões de veículos flex produzidos no Brasil, terá a produção local da nova galeria plástica de combustível, menor e mais leve, que compõe o sistema Flex Start, que dispensa o uso do tanquinho de gasolina.

Segundo Botelho, o Inovar-Auto traz outros desafios quanto à análise de novos investimentos locais e recursos para pesquisa e desenvolvimento.

“Neste momento, estamos analisando qual será o impacto desse programa na empresa. Já oferecemos algumas tecnologias que auxiliarão as montadoras a fabricarem carros mais econômicos e seguros, como o Flex Start, a injeção direta bicombustível, o Start Stop e o alternador inteligente de alta eficiência.” Além desses, a Bosch já trabalha no desenvolvimento da injeção direta bicombustível.

A expectativa da Bosch é de que em 2020, 95% dos veículos produzidos ainda serão movidos a motores convencionais, ou seja, propulsão a diesel, gasolina, gás ou biomassa, como o etanol, o que, segundo ele, levará a empresa a continuar investindo em novas gerações de tecnologias de powertrain, focando a redução dos níveis de CO2 e do consumo de combustível.

BOSCH NO MUNDO

Em 2012, as vendas globais do Grupo Bosch subiram 1,9% sobre o ano anterior, para um faturamento de € 52,5 bilhões, dos quais € 1,8 bilhão foram gerados na América Latina. O lucro antes dos impostos foi de € 2,8 bilhões.

A divisão de Tecnologia Automotiva, a maior do grupo, registrou queda de 2,1% nas vendas sobre 2011, ao atingir € 31,1 bilhões, enquanto o segmento de Tecnologia Industrial manteve patamar de vendas em € 8 bilhões. Bens de Consumo e Construção geraram vendas de € 13,4 bilhões, alta de 2,5% sobre o ano anterior. Para 2013, a Bosch prevê crescimento global das vendas entre 2% e 4%.

Ainda em 2012, o Grupo Bosch investiu € 4,8 bilhões em pesquisa e desenvolvimento. No Brasil, a empresa planeja manter o patamar de investimento em P&D de 3,5% do faturamento no País.

“É por meio dessa política constante de investimentos que conseguimos apoiar nossos clientes desenvolvendo novas soluções que geram valor. O pioneirismo da tecnologia flex fuel é um dos melhores exemplos disso.”



Tags: Bosch, faturamento, flex, injeção, diesel, gasolina, etanol, tanquinho, consumo, CO2, bicombustível.

Comentários

  • nacim elias sabagg filho

    FUI FUNCIONARIO daBosch fui dispensado no ano passado mas tenho muito orgulho por essa empresa ela e fiel competitiva garante os produto que faz parabens bosch e seu grupo vc numca vai parar

Conte-nos o que pensa e deixe seu comentário abaixo Os comentários serão publicados após análise. Este espaço é destinado aos comentários de leitores sobre reportagens e artigos publicados no Portal Automotive Business. Não é o fórum adequado para o esclarecimento de dúvidas técnicas ou comerciais. Não são aceitos textos que contenham ofensas ou palavras chulas. Também serão excluídos currículos, pedidos de emprego ou comentários que configurem ações comerciais ou publicitárias, incluindo números de telefone ou outras formas de contato.

Veja também

AB Inteligência