Automotive Business
Siga-nos em:
AB Inteligência

Notícias

Ver todas as notícias

Autopeças | 29/05/2013 | 19h30

Rombo da balança comercial supera US$ 3 bi

Em abril foi registrado o maior déficit da história do setor

PEDRO KUTNEY, AB

Ao mesmo tempo em que o Inovar-Auto, a política industrial do setor automotivo em vigência desde o início deste ano, obriga as montadoras a elevar as compras nacionais, as importações de autopeças não param de crescer. Dados do Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior (MDIC), reunidos pelo Sindipeças, demonstram que a balança comercial de componentes automotivos acumula o expressivo déficit de US$ 3,1 bilhões nos quatro primeiros meses de 2013, com avanço de nada menos que 66,4% sobre o mesmo período do ano passado. O número negativo já é a metade do acumulado em 2012 inteiro, quando o rombo chegou a US$ 5,8 bilhões.

De janeiro a abril as importações somaram US$ 6,4 bilhões, quase o dobro do que foi exportado, numa expansão de 20,7% ante o primeiro quadrimestre de 2012. As exportações totalizaram US$ 3,3 bilhões, em queda de 4,4% na mesma base de comparação.

Em abril foi registrado o maior déficit da história do setor, com importações de US$ 1,89 bilhão e exportações que somaram cerca de metade disso, US$ 940,3 milhões. Ainda assim, abril foi o primeiro mês do ano em que houve crescimento das vendas externas de autopeças, de 7,7% em relação ao mesmo mês do ano passado. Mas as compras externas aumentaram muito mais na mesma comparação: 41,7% – e houve expansão em todos os primeiros quatro meses de 2013.

Em 12 meses terminados em abril, o déficit da balança de autopeças atinge US$ 7,1 bilhões, com importações de US$ 17,4 bilhões, ou US$ 1 bilhão a mais do que foi importado durante 2012. Em contrapartida, as exportações não saem do lugar: anualizadas em 12 meses, são de US$ 10,3 bilhões, praticamente o mesmo número da soma do ano passado.

PAÍSES

Os maiores exportadores de peças para o Brasil continuam sendo, nesta ordem, Alemanha, Estados Unidos e Japão, com mais de 30% de participação. Todos os três tiveram elevações nas vendas em torno de 10% na comparação com o primeiro quadrimestre de 2012. Quem teve o maior crescimento de embarques de autopeças para portos brasileiros foi a Hungria, de 137,4%, ficando na 16ª posição. A Coreia, quarta maior exportadora de peças, registrou de janeiro a abril expressiva expansão de 97,8%.

A Argentina segue sendo a maior importadora de componentes automotivos brasileiros, com 39,3% das compras e crescimento de quase 7% nos primeiros quatro meses de 2013. Os Estados Unidos e o México são o segundo e terceiro maiores importadores, com participação de 12,4% e 8,7%, respectivamente, mas as vendas para esses mercados caíram mais de 20% em ambos os casos.

VEÍCULOS PRONTOS

Apesar de toda a sobretaxação adotada sobre veículos importados, a balança brasileira também segue negativa para o comércio exterior de carros e ônibus; só os caminhões continuam com saldo positivo.

De janeiro a abril foram as importações de carros somaram US$ 3,5 bilhões, enquanto as exportações foram de US$ 1,8 bilhão, com déficit de US$ 1,7 bilhão, valor 25% menor do que no mesmo período de 2012.

As vendas externas de ônibus totalizaram US$ 56,8 milhões e as importações US$ 75,8 milhões, resultando em saldo negativo de US$ 19 milhões, invertendo o superávit de US$ 14,3 milhões observado no primeiro quadrimestre do ano passado.

Somente o comércio exterior de caminhões continua sendo superavitário para os fabricantes instalados no Brasil. Nos primeiros quatro meses do ano as exportações de US$ 431,5 milhões superaram em US$ 312,4 milhões as importações de US$ 119,1 milhões. O saldo positivo, porém, sofreu recuo de 5,7% na comparação com o mesmo período de 2012.

Considerando todo o comércio exterior do setor automotivo nacional, o déficit deste ano está quase US$ 1 bilhão maior do que nos mesmos quatro meses do ano passado. Incluindo na conta veículos leves e pesados, autopeças, implementos rodoviários, carrocerias e máquinas agrícolas e de construção, as importações do primeiro quadrimestre somam US$ 11,2 bilhões e as exportações US$ 7 bilhões, resultando em saldo negativo no período de US$ 4,2 bilhões.

Para ver o estudo completo elaborado pelo Sindipeças, clique aqui.



Tags: Autopeças, balança comercial, importações, exportações, Inovar-Auto, política industrial, Sindipeças, MDIC.

Comentários

Conte-nos o que pensa e deixe seu comentário abaixo Os comentários serão publicados após análise. Este espaço é destinado aos comentários de leitores sobre reportagens e artigos publicados no Portal Automotive Business. Não é o fórum adequado para o esclarecimento de dúvidas técnicas ou comerciais. Não são aceitos textos que contenham ofensas ou palavras chulas. Também serão excluídos currículos, pedidos de emprego ou comentários que configurem ações comerciais ou publicitárias, incluindo números de telefone ou outras formas de contato.

Veja também

ABTV

AB Inteligência